Cons­ci­en­ti­za­ção aju­da a re­du­zir vi­o­lên­cia do­més­ti­ca

Tra­ba­lho do MP do Pa­ra­ná tem bom re­sul­ta­do: rein­ci­dên­cia nes­se ti­po de cri­me é de ape­nas 1% pa­ra quem pas­sa pe­lo pro­gra­ma

Metro Brazil (Espirito Santo) - - BRASIL - JO­SÉ MAR­COS LO­PES

Um pro­je­to ini­ci­a­do há dois anos tem fei­to a di­fe­ren­ça no com­ba­te à vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. Em vez de ape­nas re­co­men­dar a pu­ni­ção do agres­sor, o MPPR (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Pa­ra­ná) pas­sou a in­ves­tir em cons­ci­en­ti­za­ção. E a ideia vem dan­do cer­to: em Ci­a­nor­te, no no­ro­es­te do Pa­ra­ná, ci­da­de em que o tra­ba­lho é con­si­de­ra­do re­fe­rên­cia, a rein­ci­dên­cia foi de du­as pes­so­as, ou 1% das 235 que pas­sa­ram pe­lo pro­gra­ma.

Atu­al­men­te, 44 co­mar­cas do es­ta­do têm gru­pos co­or­de­na­dos pe­lo Cen­tro de Apoio Ope­ra­ci­o­nal às Pro­mo­to­ri­as de Jus­ti­ça de Pro­te­ção aos Di­rei­tos Hu­ma­nos, do MPPR. Ne­les, agres­so­res que res­pon­dem cri­mi­nal­men­te pas­sam por uma sé­rie de ati­vi­da­des de cons­ci­en­ti­za­ção, após se­rem en­ca­mi­nha­dos pe­lo Po­der Ju­di­ciá­rio, com ba­se na Lei Ma­ria da Pe­nha.

Em Ci­a­nor­te, o di­fe­ren­ci­al foi a fun­da­men­ta­ção teó­ri­ca pa­ra a cri­a­ção do gru­po, tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do em 2016. “Pre­ci­sá­va­mos apren­der co­mo fa­zer. Pas­sa­mos o ano de 2016 in­tei­ro fa­zen­do pes­qui­sa a res­pei­to do te­ma, nos in­for­man­do so­bre tra­ba­lhos si­mi­la­res”, con­ta a as­sis­ten­te so­ci­al Adri­e­li Vol­pa­to Cra­vei­ro, do MPPR.

Com a cri­a­ção de um gru­po in­ter­se­to­ri­al, foi pos­sí­vel iden­ti­fi­car se os agres­so­res têm his­tó­ri­co de abu­so de ál­co­ol ou de uso de dro­gas ilí­ci­tas. Pro­ble­mas psi­co­ló­gi­cos ou psi­quiá­tri­cos tam­bém são iden­ti­fi­ca­dos e os par­ti­ci­pan­tes são en­ca­mi­nha­dos pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas.

O Gru­po de Ori­en­ta­ção e Sen­si­bi­li­za­ção aos Au­to­res de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca Con­tra Mulheres da Co­mar­ca de Ci­a­nor­te pro­mo­ve qua­tro pa­les­tras com os agres­so­res, du­ran­te qua­tro se­ma­nas. A mai­o­ria de­les, se­gun­do a pro­mo­to­ra Elai­ne Lo­po Rodrigues, re­sis­te no iní­cio, mas aca­ba iden­ti­fi­can­do as cau­sas da vi­o­lên­cia.

“Eles vêm in­con­for­ma­dos as­sis­tir às pa­les­tras. Por des­co­nhe­ci­men­to, mui­tos acham que não pra­ti­ca­ram vi­o­lên­cia”, diz a pro­mo­to­ra. “Na ter­cei­ra pa­les­tra, di­zem que re­pe­tem com­por­ta­men­tos que o pai ou avó ti­nham. Xin­gar, di­mi­nuir ou me­nos­pre­zar ou­tras pes­so­as tam­bém são si­tu­a­ções de vi­o­lên­cia”.

Elai­ne Rodrigues diz que che­gou a ser ques­ti­o­na­da so­bre por que aten­der agres­so­res, em vez de sim­ples­men­te pu­ni-los. “Al­gu­mas pes­so­as ques­ti­o­na­ram so­bre por que ‘aju­dar ban­di­do’. Mas, ao mes­mo tem­po em que é au­to­ra de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, a pes­soa tam­bém tem pro­ble­mas”, ava­lia a pro­mo­to­ra de Jus­ti­ça. “Eles re­pro­du­zem al­go que já vi­ve­ram. Se me­lho­rar­mos em uma pon­ta, aju­da­mos a me­lho­rar na ou­tra pon­ta”.

O prin­ci­pal objetivo, diz a as­sis­ten­te so­ci­al Adri­e­li Cra­vei­ro, é fa­zer com que os agres­so­res per­ce­bam que mui­tos atos con­si­de­ra­dos “nor­mais” po­dem re­pre­sen­tar vi­o­lên­cia. “Eles co­me­çam a com­pre­en­der a vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher de uma pers­pec­ti­va mais am­pla. Mui­tos fa­lam que iden­ti­fi­cam vi­o­lên­ci­as que so­fre­ram na in­fân­cia e na ado­les­cên­cia”.

| DI­VUL­GA­ÇÃO/MPPR EM CI­A­NOR­TE

Agres­so­res são en­ca­mi­nha­dos pe­la Jus­ti­ça

| DI­VUL­GA­ÇÃO/MPPR EM CI­A­NOR­TE

Gru­po se pre­pa­rou du­ran­te um ano em Ci­a­nor­te

| DI­VUL­GA­ÇÃO/MPPR EM CI­A­NOR­TE

Pa­les­tras aju­da­ram a re­du­zir a rein­ci­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.