Em CD, Es­dras re­cria a ‘Tran­sa’ de Ca­e­ta­no

Sa­xo­fo­nis­ta bra­si­li­en­se faz ar­ran­jos ins­tru­men­tais ou­sa­dos pa­ra ál­bum clás­si­co de Ca­e­ta­no Ve­lo­so de 1972

Metro Brazil (Espirito Santo) - - { CULTURA} - BRU­NO BUCIS

O ál­bum “Tran­sa” (1972), de Ca­e­ta­no Ve­lo­so, foi uma mar­ca na car­rei­ra do mú­si­co. As can­ções, com­pos­tas em in­glês du­ran­te o exí­lio do mú­si­co em Lon­dres, sur­pre­en­de­ram por con­jul­gar so­no­ri­da­des ( co­mo o ca­sa­men­to de reg­gae e sam­ba em “Ni­ne out of Ten”), mas prin­ci­pal­men­te pe­las le­tras que dis­cu­ti­am a tris­te­za do exi­la­do de ma­nei­ra im­per­cep­tí­vel pe­la cen­su­ra da épo­ca.

Ten­tar re­pe­tir o im­pac­to des­te ál­bum, por­tan­to, já se­ria uma ta­re­fa di­fí­cil ten­do o apoio das le­tras, ima­gi­ne em um dis­co ins­tru­men­tal. O sa­xo­fo­nis­ta bra­si­li­en­se Es­dras No­guei­ra, po­rém, acei­tou o de­sa­fio e con­se­guiu cum­prir com a ta­re­fa de re­cri­ar com ori­gi­na­li­da­de o dis­co.

“É um dis­co que eu gos­to mui­to. ‘Tran­sa’ é um ál­bum que foi com­pos­to em um mo­men­to po­lí­ti­co mui­to for­te da di­ta­du­ra mi­li­tar, en­tão é um CD que fa­la mui­to so­bre os di­as de ho­je”, diz Es­dras.

“Tran­se” é a ver­são de­le pa­ra “Tran­sa” – uma mu­dan­ça de tí­tu­lo que vai além de um sim­ples tro­ca­di­lho. “É bom pa­ra to­do mun­do, es­ta­mos to­dos pre­ci­san­do de tran­sa e tran­se na atu­al con­jun­tu­ra e é um dis­co ex­tre­ma­men­te atu­al”, diz Es­dras.

O ál­bum tem as mes­mas se­te fai­xas do ori­gi­nal, com a mes­ma du­ra­ção, mas com ar­ran­jos di­fe­ren­tes.

Uma no­va vi­são

O dis­co com­ple­to se­rá lan­ça­do nas prin­ci­pais pla­ta­for­mas de stre­a­ming ama­nhã, mas já é pos­sí­vel ou­vir o sin­gle de divulga­ção, “You Don’t Know Me”, a fai­xa de aber­tu­ra do dis­co ori­gi­nal e, ob­vi­a­men­te, tam­bém da re­gra­va­ção.

“Meu dis­co é ins­tru­men­tal e to­do mun­do sa­be co­mo as le­tras de Ca­e­ta­no são in­crí­veis, en­tão foi o pro­ces­so de um ano de tra­ba­lho pa­ra con­se­guir con­ce­ber o dis­co. Não é só to­car a har­mo­nia dos ori­gi­nais, qu­e­ría­mos dar a eles uma for­ma di­fe­ren­te”, diz.

Cu­ri­o­sa­men­te, nes­sa no­va ver­são, o mú­si­co man­te­ve su­as pre­fe­rên­ci­as em re­la­ção ao ál­bum. “Eu gos­to mui­to de Tris­te Bahia, tan­to no ori­gi­nal quan­to no nos­so CD. É uma mú­si­ca com jei­to de mar, uma ho­ra cal­ma e ou­tra ner­vo­sa, uma coi­sa que a gen­te vê no jazz tam­bém. Há uma fai­xa que é pou­co co­nhe­ci­da, ex­pe­ri­men­tal, a Ne­o­lithic Man, que eu gos­to tam­bém”.

Es­se é o quar­to dis­co so­lo de Es­dras e o se­gun­do em que se de­di­ca à obra de ou­tro ar­tis­ta – seu ál­bum de es­treia, “Ca­pi­va­ra”(2014), tra­zia ver­sões de Her­me­to Pas­co­al.

Acom­pa­nhan­do o sax ba­rí­to­no de Es­dras No­guei­ra es­tá a gui­tar­ra de Mar­cus Mo­ra­es, o bai­xo de Ro­dri­go Bal­dui­no e a ba­te­ria de Thi­a­go Cu­nha. Eles to­cam jun­tos há 5 anos e es­ban­jam tan­to en­tro­sa­men­to quan­to o ama­du­re­ci­men­to da es­tra­da.

“Ele não é no ori­gi­nal um dis­co cheio de vir­tu­o­sis­mos, na ver­da­de tem uma so­no­ri­da­de mui­to ex­pe­ri­men­tal, en­tão is­so dei­xou a ban­da mui­to à von­ta­de”, com­ple­ta Es­dras No­guei­ra.

| RI­CAR­DO THEODORO/DIVULGA­ÇÃO

Ál­bum de 1972 ga­nha no­vas ver­sões em ins­tru­men­tal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.