TER­ROR DE CANETINHA

PRE­MI­A­DA HQ DE EMIL FER­RIS ‘MI­NHA COI­SA FA­VO­RI­TA É MONS­TRO’ CHE­GA AO BRA­SIL

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - AMAN­DA QUEIRÓS

O den­so vo­lu­me de “Mi­nha Coi­sa Fa­vo­ri­ta É Mons­tro” en­tre­ga uma cons­ta­ta­ção ób­via: es­ta não é uma graphic no­vel co­mum.

Su­as 416 pá­gi­nas fo­ram de­se­nha­das e co­lo­ri­za­das in­te­gral­men­te pe­la ame­ri­ca­na Emil Fer­ris, 57, ape­nas com ca­ne­tas es­fe­ro­grá­fi­cas ou hi­dro­cor, em um tra­ba­lho que le­vou seis anos pa­ra ser con­cluí­do e ser­viu co­mo re­a­bi­li­ta­ção após a ar­tis­ta ter con­traí­do a fe­bre do Ni­lo, uma do­en­ça que pa­ra­li­sou su­as per­nas e a mão di­rei­ta.

O ca­rá­ter pes­so­al do pro­je­to se apro­fun­da com a iden­ti­fi­ca­ção de Emil com sua pro­ta­go­nis­ta. O li­vro é apre­sen­ta­do co­mo uma es­pé­cie de diá­rio ilus­tra­do de Ka­ren, uma ga­ro­ta que ado­ra mons­tros e se re­tra­ta co­mo uma “lo­bis­me­ni­na”.

Ela vi­ve na Chi­ca­go do fi­nal dos anos 1960 com a mãe e o ir­mão, e sua vi­da é al­te­ra­da quan­do sua vi­zi­nha – uma ju­dia que fu­giu do na­zis­mo – é en­con­tra­da mor­ta.

Emil par­ti­lha com Ka­ren o apre­ço por cri­a­tu­ras ti­das co­mo in­de­se­já­veis e tam­bém as me­mó­ri­as de Chi­ca­go, on­de re­si­de até ho­je.

“Eu era cri­ti­ca­da por mui­tos ami­gos, mães e pro­fes­so­res [ por gos­tar de mons­tros]. Mas tu­do bem, eu meio que sa­bia que is­so acon­te­ce­ria por­que, nos fil­mes, os al­deões nun­ca os re­ce­bem de bra­ços aber­tos”, diz a ar­tis­ta, por te­le­fo­ne, aos ri­sos.

No ca­so de Ka­ren, as mons­tru­o­si­da­des têm a ver com seu pró­prio pro­ces­so de ama­du­re­ci­men­to, o que vai ser apro­fun­da­do no se­gun­do vo­lu­me do li­vro, com lan­ça­men­to pre­vis­to pa­ra 2020.

Já Chi­ca­go sur­ge, em par­te, co­mo uma ho­me­na­gem de Emil ao pai, que a le­va­va pa­ra vi­si­tar o Ins­ti­tu­to de Ar­tes da ci­da­de tal qual Ka­ren é le­va­da pe­lo ir­mão, De­zê, res­pon­sá­vel por in­tro­du­zi-la a di­ver­sas téc­ni­cas.

“A li­ção so­bre tri­an­gu­la­ção nas pinturas foi al­go que meu pai me en­si­nou e que pas­sei adi­an­te [no li­vro]. De­fi­ni­ti­va­men­te que­ria hon­rá-lo e ten­to fa­zê-lo o tem­po to­do ain­da ho­je”, diz ela, que, além de sol­tar a cri­a­ti­vi­da­de com seus mons­tros, tam­bém de­mons­tra ha­bi­li­da­de ao re­pro­du­zir al­gu­mas das obras de ar­te pre­sen­tes no lo­cal.

É um tra­ba­lho her­cú­leo, mas, pa­ra a ar­tis­ta, não ha­via ou­tro jei­to de fa­zê-lo. “Ex­pe­ri­men­tei vá­ri­os ti­pos de téc­ni­cas, mas acho que es­se tra­ba­lho exa­la gratidão por eu ter si­do ca­paz de de­se­nhar”, diz ela, re­fe­rin­do-se à do­en­ça.

Após ver seu li­vro pou­co con­ven­ci­o­nal ter si­do re­jei­ta­do por 48 edi­to­ras, Emil te­ve os es­for­ços re­com­pen­sa­dos quan­do “Mi­nha Coi­sa Fa­vo­ri­ta É Mons­tro” foi elo­gi­a­do por una­ni­mi­da­des das HQs, co­mo Art Spi­e­gel­man (“Maus”), e con­quis­tou os prê­mi­os Eis­ner e Fa­ve D’Or – as mais im­por­tan­tes hon­ra­ri­as do mun­do dos qua­dri­nhos.

“No meio da noi­te me pe­go pen­san­do que, na­que­le mo­men­to, pes­so­as es­tão len­do o li­vro e as sin­to pró­xi­mas de mim. Pos­so sen­tir a ener­gia de­las e seu en­ga­ja­men­to. Por um la­do is­so é mui­to hon­ro­so, mas tam­bém é uma res­pon­sa­bi­li­da­de, e tal­vez o se­gun­do li­vro de­mo­re mais – mas es­se é o ti­po de con­fli­to que vo­cê quer ter!” (ri­sos).

REPRODUÇÃO

“MI­NHA COI­SA FA­VO­RI­TA É MONS­TRO” EMIL FER­RIS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.