An­chi­e­ta quer tra­ta­men­to de ci­da­de afe­ta­da por la­ma

La­ma do rio Do­ce. Mu­ni­cí­pio ale­ga que, após o rom­pi­men­to da bar­ra­gem de Ma­ri­a­na (MG), tem so­fri­do im­pac­tos ne­ga­ti­vos na eco­no­mia e que cer­ca de 1.500 tra­ba­lha­do­res da ci­da­de per­de­ram seus em­pre­gos. Por is­so, pe­de a inclusão em pro­gra­mas so­ci­ais e econô­mic

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - LE­TÍ­CIA ORLANDI/ME­TRO ES

O mu­ni­cí­pio de An­chi­e­ta, no litoral sul do es­ta­do, quer ser re­co­nhe­ci­do co­mo im­pac­ta­do pe­lo rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Sa­mar­co, em Ma­ri­a­na (MG), ocor­ri­do há mais de três anos. O ob­je­ti­vo da ci­da­de é ser aten­di­da por pro­gra­mas so­ci­o­e­conô­mi­cos, vol­ta­dos pa­ra re­cu­pe­rar e di­ver­si­fi­car a ati­vi­da­de econô­mi­ca e tam­bém pa­ra pro­por­ci­o­nar qua­li­fi­ca­ção e ca­pa­ci­ta­ção pa­ra a po­pu­la­ção, já que cer­ca de 1.500 pes­so­as fo­ram de­mi­ti­das, en­tre em­pre­gos di­re­tos e in­di­re­tos, após a pa­ra­li­sa­ção da mi­ne­ra­do­ra, se­gun­do a pre­fei­tu­ra.

O as­sun­to foi te­ma na úl­ti­ma reu­nião do CIF (Co­mi­tê In­ter­fe­de­ra­ti­vo), no fim de mar­ço, e ge­rou uma de­li­be­ra­ção que pe­de à Fun­da­ção Re­no­va a apre­sen­ta­ção, em um prazo de 30 di­as, de pro­gra­mas com a inclusão dos mu­ni­cí­pi­os de An­chi­e­ta, Ou­ro Pre­to e Pon­te No­va (MG) em de­ter­mi­na­das cláu­su­las do TTAC (Ter­mo de Tran­sa­ção e Ajus­ta­men­to de Con­du­ta). A fun­da­ção é ho­je res­pon­sá­vel pe­los pro­gra­mas de re­pa­ra­ção dos im­pac­tos após pas­sa­gem da la­ma

Ape­sar de não es­tar na abran­gên­cia do lei­to do rio Do­ce, é pa­ra An­chi­e­ta que é di­re­ci­o­na­do to­do o mi­né­rio re­ti­ra­do em Mi­nas Ge­rais. O mu­ni­cí­pio ca­pi­xa­ba abri­ga o por­to da Sa­mar­co e su­as usi­nas de pe­lo­ti­za­ção. As­sim, a pa­ra­li­sa­ção das atividades da mi­ne­ra­do­ra te­ve im­pac­to ne­ga­ti­vo na ar­re­ca­da­ção do mu­ni­cí­pio, prin­ci­pal­men­te no ISS e no ICMS, com qua­se 50% de que­da, se­gun­do o se­cre­tá­rio de De­sen­vol­vi­men­to de An­chi­e­ta, Mar­cos Kneip.

Ele res­sal­ta ain­da que uma no­ta téc­ni­ca do CIF de 2017 já ha­via ates­ta­do os im­pac­tos econô­mi­cos ao mu­ni­cí­pio de An­chi­e­ta, su­ge­rin­do a inclusão na abran­gên­cia so­ci­o­e­conô­mi­ca, mas na­da foi fei­to des­de en­tão.

“Te­mos atu­a­do com pro­gra­mas pa­ra fo­men­tar a eco­no­mia lo­cal, só que com que­da de re­cei­ta e au­men­to de de­man­da de ser­vi­ços pú­bli­cos, es­tá mais di­fí­cil. A Sa­mar­co pre­ci­sa as­su­mir a sua par­te em fun­ção de um pro­ble­ma oca­si­o­na­do por ela”, fri­sa.

Pro­cu­ra­da, a Re­no­va diz que o TTAC pre­vê re­vi­são após três anos de atu­a­ção, e co­mo es­se pro­ces­so já foi ini­ci­a­do, a inclusão de An­chi­e­ta é um dos te­mas que po­de­rá ser in­se­ri­do.

A fun­da­ção in­for­ma que até ago­ra fo­ram in­ves­ti­dos R$ 2,7 bi­lhões nos 22 pro­gra­mas so­ci­o­e­conô­mi­cos em an­da­men­to, sen­do R$ 134 mi­lhões pa­ra eco­no­mia e ino­va­ção. Ou­tros R$ 40 mi­lhões fo­ram des­ti­na­dos pa­ra o Fun­do De­sen­vol­ve Rio Do­ce, que im­pul­si­o­na eco­no­mi­as lo­cais, au­xi­li­an­do mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas.

Já a Sa­mar­co re­a­fir­ma seu com­pro­mis­so com as co­mu­ni­da­des atin­gi­das pe­lo rom­pi­men­to da bar­ra­gem e diz que até ja­nei­ro já fo­ram des­ti­na­dos R$ 5,3 bi­lhões nas ações de re­pa­ra­ção e com­pen­sa­ção a car­go da Fun­da­ção Re­no­va.

| CHI­CO GU­E­DES

As­sim co­mo ou­tras co­mu­ni­da­des, An­chi­e­ta pe­de re­pa­ra­ção de da­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.