CON­FU­SÃO NA RE­TA FI­NAL

Metro Brazil (Espirito Santo) - - ESPORTE - LE­AN­DRO NOS­SA [email protected]­ES.COM.BR

O ex­tra­cam­po rou­bou a ce­na nos úl­ti­mos di­as e re­a­cen­deu as dis­cus­sões so­bre ges­tão e pro­fis­si­o­na­lis­mo no fu­te­bol ca­pi­xa­ba. O que acon­te­ceu em cam­po, na se­mi­fi­nal do Ca­pi­xa­bão en­tre Re­al No­ro­es­te e Rio Bran­co, fi­cou um pou­co de la­do e a dis­pu­ta foi pa­rar no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça Des­por­ti­va. Tu­do por con­ta da am­bu­lân­cia uti­li­za­da na par­ti­da.

PO­DE OU NÃO PO­DE?

O Rio Bran­co pe­diu a im­pug­na­ção da par­ti­da em que foi der­ro­ta­do por 2 a 0 com a ale­ga­ção de que a am­bu­lân­cia, de res­pon­sa­bi­li­da­de do Re­al, não ti­nha kit de pri­mei­ros so­cor­ros, en­tre ou­tros pro­ble­mas, o que fe­re o re­gu­la­men­to da com­pe­ti­ção. O tri­bu­nal já ne­gou o pe­di­do do Ca­pa-Pre­ta. Em res­pos­ta, o clu­be do in­te­ri­or in­for­ma que o veí­cu­lo é o mes­mo usa­do nos de­mais jo­gos e foi li­be­ra­do pe­la equi­pe de ar­bi­tra­gem.

O QUE DI­ZEM AS AU­TO­RI­DA­DES

Na sú­mu­la, o ár­bi­tro Jo­sé Wel­ling­ton Ban­dei­ra re­la­ta que a am­bu­lân­cia foi vis­to­ri­a­da e apre­sen­tou con­di­ções de uso, fa­to cor­ro­bo­ra­do em no­ta da Fe­de­ra­ção de Fu­te­bol do Es­pí­ri­to San­to. O pre­si­den­te do Rio Bran­co, Lu­ci­a­no Men­don­ça, dis­pa­rou con­tra a Fe­de­ra­ção e o cli­ma de ani­mo­si­da­de en­tre o clu­be e a en­ti­da­de foi ins­tau­ra­do.

MAIS PRO­FIS­SI­O­NA­LIS­MO (1)

O fa­to é que as re­cla­ma­ções do Rio Bran­co se po­ten­ci­a­li­za­ram por­que o ti­me foi eli­mi­na­do com um pê­nal­ti mar­ca­do equi­vo­ca­da­men­te no úl­ti­mo mi­nu­to do jo­go. Ame­a­çar en­trar na Jus­ti­ça Co­mum, co­mo fez, não é a me­lhor ati­tu­de e cau­sa san­ções co­mo a des­fi­li­a­ção e a proi­bi­ção de dis­pu­tar jo­gos ofi­ci­ais. O clu­be não ga­nha na­da com es­sas ame­a­ças e pre­ci­sa de me­di­das sen­sa­tas pa­ra se re­er­guer.

MAIS PRO­FIS­SI­O­NA­LIS­MO (2)

Ou­tro fa­to é que a am­bu­lân­cia do Re­al No­ro­es­te, pe­las ima­gens, não apre­sen­ta­va con­di­ções dig­nas pa­ra pri­o­ri­zar a saú­de dos atle­tas. Mes­mo com o re­sul­ta­do de jo­go man­ti­do, es­se des­ca­so com o fu­te­bol pro­fis­si­o­nal por par­te de vá­ri­os di­ri­gen­tes de clu­bes tem que ter um fim. O fu­te­bol ca­pi­xa­ba não po­de mais ago­ni­zar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.