Es­ta­do de­fi­ne mu­dan­ça pa­ra pro­mo­ções na PM

In­ten­ção do go­ver­no é apro­var o pro­je­to nes­ta se­ma­na. Tex­to pre­vê, en­tre ou­tros pon­tos, a re­to­ma­da de cri­té­ri­os co­mo an­ti­gui­da­de e me­re­ci­men­to pa­ra a pro­mo­ção de ofi­ci­ais. As­so­ci­a­ção de Ca­bos e Sol­da­dos faz crí­ti­cas a al­guns pon­tos da pro­pos­ta

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - PRISCILLA THOMPSON

O governador Renato Ca­sa­gran­de (PSB) en­vi­ou on­tem à Ales (As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va) os dois pro­je­tos de lei que al­te­ram as re­gras pa­ra pro­mo­ção dos mi­li­ta­res no es­ta­do. As pro­pos­tas - uma pa­ra pra­ças e ou­tra pa­ra ofi­ci­ais - des­fa­zem al­gu­mas das prin­ci­pais mu­dan­ças ins­ti­tuí­das pe­lo en­tão governador Pau­lo Har­tung (sem par­ti­do) após a gre­ve da Po­lí­cia Mi­li­tar, em 2017, mas que ain­da são al­vos de crí­ti­cas por par­te da As­so­ci­a­ção de Ca­bos e Sol­da­dos. Os pro­je­tos fo­ram li­dos na ses­são de on­tem, e a ex­pec­ta­ti­va é que se­jam vo­ta­dos até ama­nhã. Pa­ra is­so, o go­ver­no ain­da de­ve pe­dir re­gi­me de ur­gên­cia.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do de Go­ver­no, Tya­go Hoff­mann, diz que o objetivo é con­ser­tar o que cha­ma de “de­sor­ga­ni­za­ção da ins­ti­tui­ção” pro­mo­vi­da pe­la ges­tão an­te­ri­or. “No ca­so dos ofi­ci­ais, a gen­te re­tor­na com os cri­té­ri­os que va­lo­ri­zam a hi­e­rar­quia da ins­ti­tui­ção, que são a an­ti­gui­da­de (tem­po do mi­li­tar na cor­po­ra­ção) e o me­re­ci­men­to. A po­lí­cia vi­rou uma po­lí­cia de go­ver­no, em que o governador pro­mo­via quem ele que­ria, e a gen­te en­ten­de que is­so não é re­pu­bli­ca­no”, diz.

Ou­tra mu­dan­ça pro­pos­ta é o re­tor­no das va­gas de ofi­ci­ais ad­mi­nis­tra­ti­vos. “Cer­ca de 70% a 80% des­sas va­gas fo­ram su­pri­mi­das na lei an­te­ri­or, e são elas que per­mi­tem ao pra­ça che­gar a ofi­ci­al”, ex­pli­ca.

Crí­ti­cas ao pro­je­to

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Ca­bos e Sol­da­dos, Jack­son Eu­gê­nio Si­lo­te, no en­tan­to, cri­ti­ca o pro­je­to. Uma das quei­xas é com re­la­ção à cri­a­ção de um li­mi­te de 240 va­gas por ano pa­ra o cur­so de ha­bi­li­ta­ção de sar­gen­to. “Ho­je, te­mos cer­ca de 450 mi­li­ta­res ap­tos ao cur­so, mas a re­gra po­de dei­xar 210 de­les de fo­ra”, diz.

Ou­tro pon­to é com re­la­ção à ma­nu­ten­ção de in­ters­tí­cio de dois anos - pe­río­do mí­ni­mo em que o mi­li­tar de­ve per­ma­ne­cer na pa­ten­te até ser pro­mo­vi­do. Eles que­rem que o pe­río­do se­ja de um ano, as­sim co­mo o pre­vis­to pa­ra ca­bos, na pro­pos­ta do go­ver­no. Cri­ti­cam, ain­da, a re­gra que im­pe­de a pro­mo­ção de mi­li­ta­res que res­pon­dem a pro­ces­sos. “Do jeito que es­tá, o pro­je­to traz mais pre­juí­zos que van­ta­gens. Va­mos ter po­li­ci­ais ex­tre­ma­men­te des­mo­ti­va­dos”, afir­ma o pre­si­den­te.

Hoff­mann re­ba­te: “As as­so­ci­a­ções es­tão se ape­gan­do a de­ta­lhes”, diz. So­bre a pro­mo­ção de mi­li­ta­res que res­pon­dem a pro­ces­sos, ex­pli­ca que a re­gra sem­pre exis­tiu e que ga­ran­te que, ca­so o mi­li­tar se­ja con­si­de­ra­do ino­cen­te, ele é pro­mo­vi­do e re­ce­be to­dos os di­rei­tos re­tro­a­ti­va­men­te. “O que não po­de­mos é cor­rer o ris­co de pro­mo­ver pes­so­as que não po­dem ser pro­mo­vi­das”, ex­pli­ca.

O go­ver­no pre­ci­sa que os pro­je­tos se­jam apro­va­dos até o dia 30 pa­ra evi­tar que a pro­mo­ção ocor­ra nos cri­té­ri­os da le­gis­la­ção atu­al. Es­se é o pra­zo fi­nal pa­ra que se­ja pu­bli­ca­do o qua­dro de aces­so pa­ra pro­mo­ções. Já a da­ta das pro­mo­ções é 23 de maio.

A As­so­ci­a­ção dos Ofi­ci­ais Mi­li­ta­res foi pro­cu­ra­da pa­ra re­per­cu­tir a pro­pos­ta, mas não se ma­ni­fes­tou.

| CHICO GUEDES

As­so­ci­a­ção de Ca­bos e Sol­da­dos cri­ti­ca pro­pos­ta do es­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.