14 mil pes­ca­do­res te­rão aju­da pa­ra com­pro­var ati­vi­da­de

La­ma da Sa­mar­co. Pro­gra­ma Pes­ca­dor de Fa­to per­mi­te que pes­so­as sem do­cu­men­ta­ção ates­tem tra­ba­lho com de­poi­men­tos e ques­ti­o­ná­rio

Metro Brazil (Espirito Santo) - - FOCO - LETÍCIA ORLANDI / ME­TRO

Um pro­gra­ma que já es­tá sen­do tes­ta­do em co­mu­ni­da­des do Es­pí­ri­to San­to e de Mi­nas Ge­rais vai aju­dar mais de 14 mil pes­ca­do­res que não têm do­cu­men­ta­ção a com­pro­var que fo­ram im­pac­ta­dos pe­la pas­sa­gem da la­ma do rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Sa­mar­co, em Ma­ri­a­na (MG), há três anos.

Pa­ra aten­der a es­se gru­po que não con­se­gue com­pro­var que exer­cia a ati­vi­da­de, a Fun­da­ção Re­no­va re­a­li­za o pro­gra­ma Pes­ca­dor de Fa­to. O pro­je­to-pi­lo­to se­rá fi­na­li­za­do nas co­mu­ni­da­des de Re­gên­cia e Po­vo­a­ção, em Li­nha­res, e em Con­se­lhei­ro Pe­na, Mi­nas.

“A su­ges­tão, de­ba­ti­da e acei­ta pe­la co­mu­ni­da­de, foi de ates­tar a nar­ra­ti­va da his­tó­ria de vi­da pa­ra com­pro­var a de­pen­dên­cia da pes­ca. Pa­ra a com­pro­va­ção, tam­bém foi per­mi­ti­do ao atin­gi­do apre­sen­tar a de­cla­ra­ção de dois pes­ca­do­res pro­fis­si­o­nais com RGP (Re­gis­tro Ge­ral da Pes­ca), além de ques­ti­o­ná­rio em que de­mons­tre co­nhe­ci­men­tos de pes­ca”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta em po­lí­ti­ca in­de­ni­za­tó­ria da Re­no­va, An­dré Vasconcelo­s. A pro­pos­ta pa­ra a com­pro­va­ção da ati­vi­da­de dos pes­ca­do­res veio do Con­se­lho Con­sul­ti­vo, ór­gão que tem co­mo in­te­gran­tes re­pre­sen­tan­tes de atin­gi­dos, de ONGs e do co­mi­tê da ba­cia do rio Do­ce.

Até ago­ra, 141 pes­so­as já fo­ram es­co­lhi­das pa­ra se­rem in­de­ni­za­das. Em Re­gên­cia, das 122 pes­so­as ele­gí­veis ao pro­gra­ma, 68 já apre­sen­ta­ram do­cu­men­ta­ção. Em Po­vo­a­ção, 132 pes­so­as par­ti­ci­pa­ram do pro­ces­so, sen­do que 73 fo­ram ele­gí­veis. Pa­ra re­ce­ber as in­de­ni­za­ções, a go­ver­nan­ça da Re­no­va ain­da pre­ci­sa va­li­dar a si­tu­a­ção des­sas pes­so­as.

Quem es­pe­ra há três anos pe­lo re­co­nhe­ci­men­to do ofí­cio de pes­ca­dor co­me­mo­ra o pro­ces­so. É o ca­so de John Way­ne, 33 anos, que tra­ba­lha­va co­mo pes­ca­dor em Po­vo­a­ção, mas, sem do­cu­men­ta­ção, não con­se­guiu ser in­de­ni­za­do. “Achei o pro­je­to in­te­li­gen­te. Sem re­ce­ber du­ran­te es­se pe­río­do, che­guei a apren­der ou­tra pro­fis­são, de apren­diz de pe­drei­ro e sei que no fu­tu­ro vou po­der fa­zer as du­as coi­sas”, con­ta.

Das 22 mil pes­so­as que se ca­das­tra­ram ale­gan­do a pes­ca co­mo da­no, cer­ca de 3 mil já fo­ram in­de­ni­za­das co­mo pes­ca­do­res pro­fis­si­o­nais por te­rem o RGP; ou­tras 5,3 mil re­ce­be­ram in­de­ni­za­ção por usa­rem a pes­ca co­mo sub­sis­tên­cia.

| CHI­CO GUEDES

Três mil pes­so­as já fo­ram in­de­ni­za­das co­mo pes­ca­do­res pro­fis­si­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.