A FOR­ÇA DA MU­LHER

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PUBLIMETRO - VÂNIA GOU­LART WWW.VANIAGOULA­RT.COM.BR

A cul­tu­ra de­ve ser res­pei­ta­da, mas tam­bém po­de ser qu­es­ti­o­na­da, pois so­men­te as­sim po­de­re­mos mo­di­fi­car ou cri­ar uma no­va. A cul­tu­ra tam­bém de­man­da cons­tân­cia e fa­tos pa­ra ser for­ma­da, des­te mo­do, não é pos­sí­vel qual­quer al­te­ra­ção com fa­tos iso­la­dos.

A for­ça de uma mu­lher nun­ca foi qu­es­ti­o­na­da pa­ra dar à luz, cri­ar um ou dez fi­lhos, cui­dar da ca­sa, do ma­ri­do. Mas, en­tão, por que ou­vi­mos que a mu­lher é o se­xo frá­gil? Me pa­re­ce tão ir­re­al! O que se­rá que tor­nou es­ta fra­se tão for­te?

Te­nho re­fle­ti­do so­bre is­so em vá­ri­as si­tu­a­ções, du­ran­te mi­nha tra­je­tó­ria co­mo es­pe­ci­a­lis­ta em con­sul­to­ria de Re­cur­sos Hu­ma­nos e, tam­bém, co­mo mu­lher. Por que se­rá que nós mu­lhe­res te­mos que res­pon­der a tan­tas per­gun­tas? Tem na­mo­ra­do? Vai ca­sar? Vai ter fi­lhos? Te­rá só um fi­lho? Pa­ra nós, mu­lhe­res, a te­má­ti­ca ‘car­rei­ra’ é sem­pre se­cun­dá­ria em re­la­ção a qual­quer uma des­sas ou­tras per­gun­tas. No en­tan­to, é fun­da­men­tal pa­ra os ho­mens.

En­fren­tei mui­tos de­sa­fi­os, co­me­çan­do por con­ci­li­ar a cri­a­ção dos meus fi­lhos e a ges­tão de uma em­pre­sa. Te­nho dois fi­lhos, sem­pre tra­ba­lhei e nun­ca ti­rei li­cen­ça ma­ter­ni­da­de. Por cau­sa des­te meu per­cur­so, ques­ti­o­nei di­ver­sos ges­to­res que de­fen­di­am que cer­tos car­gos eram ex­clu­si­vos pa­ra ho­mens. A mi­nha ex­pres­são de in­ter­ro­ga­ção era cla­ra. Eles pre­ci­sa­vam me con­ven­cer e, as­sim, por vá­ri­as ve­zes, eu con­se­gui in­cluir pa­ra inú­me­ras va­gas a pos­si­bi­li­da­de do per­fil tam­bém ser fe­mi­ni­no.

A con­quis­ta des­te es­pa­ço pro­fis­si­o­nal é len­ta, mas cla­ra e com pas­sos fir­mes. O nos­so “se­xo frá­gil” tem mui­ta for­ça e per­sis­tên­cia. As mu­lhe­res têm al­can­ça­do e se des­ta­ca­do com po­tên­cia e dis­po­si­ção pa­ra mu­dar es­ta cul­tu­ra e, as­sim, con­se­guir cri­ar opor­tu­ni­da­des mais iguais de sa­lá­ri­os, hi­e­rar­quia e, so­bre­tu­do, li­de­ran­ça. Em al­guns paí­ses, es­sa di­fe­ren­ça sa­la­ri­al é proi­bi­da e, in­clu­si­ve, acompanha uma le­gis­la­ção apoi­a­da com mul­tas pa­ra in­fra­ções.

A for­ça fe­mi­ni­na es­tá em ca­da mu­lher que se ex­põe e se po­si­ci­o­na por meio de de­nún­cia e trans­pa­rên­cia pa­ra evi­tar ou­tras si­tu­a­ções si­mi­la­res. A nos­sa so­ro­ri­da­de pre­ci­sa ser cres­cen­te. Jun­tas, se­re­mos mais for­tes!

Vânia Gou­lart é psi­có­lo­ga for­ma­da pe­la Ufes; mes­tre em Ad­mi­nis­tra­ção Es­tra­té­gi­ca pe­la Fu­ca­pe; es­pe­ci­a­lis­ta em Psi­co­lo­gia Or­ga­ni­za­ci­o­nal, do Tra­ba­lho e do Trân­si­to; co­a­ch pro­fis­si­o­nal pe­lo Per­so­nal and Pro­fes­si­o­nal Co­a­ching e di­re­to­ra fun­da­do­ra da Se­lec­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.