Vi­tó­ria tem uma ár­vo­re pa­ra ca­da 12 pes­so­as

Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que o ide­al é uma ár­vo­re pa­ra ca­da ha­bi­tan­te

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - LEANDRO NOS­SA/ME­TRO ES

Pro­por­ci­o­nar som­bra, dar um alí­vio nos di­as quen­tes, me­lho­rar a es­té­ti­ca de um es­pa­ço e mui­to mais. Os be­ne­fí­ci­os que as ár­vo­res tra­zem pa­ra a ro­ti­na da ci­da­de são vá­ri­os. Es­pe­ci­a­lis­tas em in­fra­es­tru­tu­ra ver­de e meio am­bi­en­te pre­co­ni­zam que o ide­al é que uma ci­da­de te­nha uma mé­dia de uma ár­vo­re pa­ra ca­da ha­bi­tan­te. Em Vi­tó­ria, no en­tan­to, as áre­as ur­ba­nas es­tão lon­ge des­te ín­di­ce.

Se­gun­do da­dos da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Meio Am­bi­en­te, atu­a­li­za­dos em abril, as áre­as ur­ba­nas da ca­pi­tal ca­pi­xa­ba têm 30.266 ár­vo­res. Com po­pu­la­ção de 358.267 ha­bi­tan­tes, Vi­tó­ria so­ma uma ár­vo­re pa­ra ca­da 12 mo­ra­do­res.

De acor­do com a pro­fes­so­ra do De­par­ta­men­to de Ar­qui­te­tu­ra e Ur­ba­nis­mo da Ufes ( Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Es­pí­ri­to San­to) e pes­qui­sa­do­ra do La­bo­ra­tó­rio de Pla­ne­ja­men­to e Pro­je­tos, Daniella Bonatto, o gran­de pro­ble­ma em Vi­tó­ria é a má dis­tri­bui­ção da ar­bo­ri­za­ção. “O nú­me­ro de ár­vo­res nas áre­as ur­ba­nas de Vi­tó­ria é bas­tan­te de­fi­ci­en­te, prin­ci­pal­men­te nas ru­as e ave­ni­das. Aqui, a ar­bo­ri­za­ção es­tá mui­to atre­la­da a lu­xo, aos bair­ros pla­ne­ja­dos, co­mo Jar­dim da Pe­nha e Praia do Can­to. Mas o Cen­tro e a Baía No­ro­es­te pra­ti­ca­men­te não têm cor­re­do­res ver­des”, ana­li­sou.

Se­gun­do a pre­fei­tu­ra, Jar­dim da Pe­nha e Praia do Can­to são os bair­ros com mai­or nú­me­ro de ár­vo­res, são mais de 6 mil plan­ta­das em ca­da uma das re­giões. En­quan­to o Cen­tro tem ape­nas 600. “As áre­as são mui­to con­cen­tra­das e pou­co dis­tri­buí­das. A ave­ni­da Jerô­ni­mo Monteiro, no Cen­tro, é um exem­plo. Mas, lá, re­al­men­te é di­fí­cil plan­tar. A ci­da­de pre­ci­sa apli­car no­vos con­cei­tos, co­mo jar­dins ver­ti­cais e ve­ge­ta­ções nos mu­ros”, des­ta­ca a pro­fes­so­ra.

En­tre os be­ne­fí­ci­os da ar­bo­ri­za­ção, Daniella Bonatto ci­ta a me­lho­ria no cli­ma do en­tor­no, a ab­sor­ção de água da chuva, o es­tí­mu­lo da prá­ti­ca de ati­vi­da­des fí­si­cas, o som­bre­a­men­to das cal­ça­das e me­lho­ri­as na qua­li­da­de do ar.

“A ar­bo­ri­za­ção ur­ba­na é a úni­ca ca­paz de me­lho­rar o mi­cro­cli­ma das ci­da­des. Pa­ra o equi­lí­brio das tem­pe­ra­tu­ras é vi­tal cri­ar­mos uma cul­tu­ra de cor­re­do­res ver­des em Vi­tó­ria” DANIELLA BONATTO, PROF. UFES

Ape­sar do es­pa­ço, Pra­ça do Pa­pa tem pou­cas ár­vo­res

Re­ta da Pe­nha, mui­tos car­ros, pou­cas ár­vo­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.