WHAT­SAPP SOB ATA­QUE

Os cer­ca de 1,5 bi­lhao de usu­a­ri­os sao ori­en­ta­dos a atu­a­li­zar ime­di­a­men­te o apli­ca­ti­vo pa­ra evi­tar que hac­kers te­nham aces­so ao con­teu­do dos ce­lu­la­res

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA -

O What­sApp pe­diu que seus 1,5 bi­lhão de usuá­ri­os atu­a­li­zem o apli­ca­ti­vo de men­sa­gens após hac­kers con­se­gui­rem ins­ta­lar um soft­ware com sis­te­ma de vi­gi­lân­cia re­mo­to em ce­lu­la­res.

“O What­sApp in­cen­ti­va as pes­so­as a bai­xa­rem a ver­são mais re­cen­te do nos­so apli­ca­ti­vo, bem co­mo em man­ter em dia o sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal do seu te­le­fo­ne pa­ra se pro­te­ger con­tra pos­sí­veis ata­ques de se­gu­ran­ça”, dis­se a em­pre­sa.

Um gru­po de hac­kers en­con­trou uma fa­lha de se­gu­ran­ça no apli­ca­ti­vo e in­fec­tou apa­re­lhos com um spywa­re por meio cha­ma­das de voz fei­tas pa­ra a ví­ti­ma. Se­gun­do o Fi­nan­ci­al Ti­mes, mes­mo que a li­ga­ção não fos­se aten­di­da, o soft­ware es­pião era ins­ta­la­do.

A em­pre­sa acre­di­ta que “al­gu­mas de­ze­nas” de apa­re­lhos te­nham si­do atin­gi­dos pe­lo ata­que, que foi des­co­ber­to no iní­cio de maio. Se­gun­do a em­pre­sa, o pro­gra­ma é so­fis­ti­ca­do e “es­ta­ria dis­po­ní­vel ape­nas pa­ra ato­res avan­ça­dos e al­ta­men­te mo­ti­va­dos”.

“O spywa­re tem to­das as ca­rac­te­rís­ti­cas de uma em­pre­sa pri­va­da co­nhe­ci­da por co­la­bo­rar com al­guns go­ver­nos e paí­ses pa­ra de­sen­vol­ver fer­ra­men­tas pa­ra es­pi­o­nar ati­vis­tas, ad­vo­ga­dos e jor­na­lis­tas, além de fa­zer ou­tros ti­pos de con­tro­les”, dis­se um por­ta-voz do What­sApp, sem ci­tar no­mes de em­pre­sas.

O spywa­re te­ria si­do de­sen­vol­vi­do pe­la NSO Group, uma em­pre­sa de vi­gi­lân­cia ci­ber­né­ti­ca is­ra­e­len­se que, em 2016, foi acu­sa­da por es­pe­ci­a­lis­tas de aju­dar a es­pi­o­nar um ati­vis­ta nos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos.

A NSO dis­se que sua tec­no­lo­gia é li­cen­ci­a­da pa­ra agên­ci­as go­ver­na­men­tais au­to­ri­za­das “com o úni­co pro­pó­si­to de com­ba­ter o cri­me e o ter­ror”. Seu pro­du­to mais co­nhe­ci­do é o Pe­ga­sus, um pro­gra­ma que po­de ati­var re­mo­ta­men­te a câ­me­ra e o mi­cro­fo­ne de um de­ter­mi­na­do te­le­fo­ne e aces­sar seus da­dos.

O What­sApp, que faz par­te do Fa­ce­bo­ok, in­for­mou que no­ti­fi­cou o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça dos EUA pa­ra aju­dar na in­ves­ti­ga­ção.

A em­pre­sa tam­bém aler­tou or­ga­ni­za­ções de di­rei­tos hu­ma­nos. Se­gun­do The Ci­ti­zen Lab, gru­po de pes­qui­sa da Uni­ver­si­da­de de To­ron­to, um ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­li­za­do em di­rei­tos hu­ma­nos so­freu no úl­ti­mo do­min­go um ata­que, que foi blo­que­a­do pe­lo What­sApp.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.