‘Não so­mos res­pon­sá­veis pe­lo de­sas­tre da edu­ca­ção’

Metro Brazil (Espirito Santo) - - FOCO -

Con­vo­ca­do pe­los de­pu­ta­dos pa­ra ex­pli­car o con­ti­gen­ci­a­men­to de ver­bas, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Wein­traub, afir­mou on­tem em au­di­ên­cia na Câ­ma­ra que o blo­queio dos re­cur­sos é cul­pa dos go­ver­nos pas­sa­dos e ba­teu bo­ca com par­la­men­ta­res.

“Não so­mos res­pon­sá­veis pe­lo con­tin­gen­ci­a­men­to atu­al, o Or­ça­men­to atu­al foi fei­to pe­lo go­ver­no elei­to de Dil­ma Rous­seff (PT) e de Mi­chel Te­mer (MDB), que era vi­ce. Nós não vo­ta­mos ne­les. Não so­mos res­pon­sá­veis pe­lo de­sas­tre da edu­ca­ção”, afir­mou o mi­nis­tro, que clas­si­fi­cou a tra­je­tó­ria da edu­ca­ção bra­si­lei­ra nos úl­ti­mos anos co­mo “in­vo­lu­ção”.

O mi­nis­tro con­fir­mou que fa­lou an­te­on­tem com Bol­so­na­ro ao te­le­fo­ne, mas dis­se que a in­for­ma­ção de que se de­ci­diu na con­ver­sa que o con­ti­gen­ci­a­men­to se­ria can­ce­la­do – co­mo anun­ci­a­do por lí­de­res par­la­men­ta­res que es­ta­vam com o pre­si­den­te – foi um “mal en­ten­di­do”.

Wein­traub ba­teu bo­ca com os de­pu­ta­dos, co­mo qu­an­do su­ge­riu que eles não sa­bi­am o que era uma Car­tei­ra de Tra­ba­lho e cri­ti­cou que as pes­qui­sas bra­si­lei­ras não ge­ram re­sul­ta­dos. O mi­nis­tro tam­bém foi vai­a­do e cha­ma­do de “co­var­de” e “con­vi­da­do” a pe­dir de­mis­são.

Os par­la­men­ta­res da opo­si­ção tra­va­ram du­e­lo ide­o­ló­gi­co com o mi­nis­tro, su­ge­rin­do que su­as po­lí­ti­cas ti­nham ob­je­ti­vo de cen­su­rar a li­ber­da­de. Os go­ver­nis­tas de­fen­de­ram que Wein­traub fez ex­po­si­ção téc­ni­ca so­bre os er­ros das po­lí­ti­cas de edu­ca­ção dos go­ver­nos pas­sa­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.