Ver­são (nem tão) bra­si­lei­ra

Tra­du­ção de Pau­la Fer­nan­des pa­ra ‘Shal­low’ de­mons­tra que trans­por can­ção de idi­o­ma pa­ra ou­tro não é fá­cil

Metro Brazil (Espirito Santo) - - CULTURA - AMANDA QUEIRÓS

O dó­lar pas­sou dos R$ 4 e a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia es­tá pen­du­ra­da, mas, des­de a úl­ti­ma sex­ta, o que tem pro­vo­ca­do de­ba­tes re­al­men­te aca­lo­ra­dos en­tre os bra­si­lei­ros é a ver­são na­ci­o­nal de Pau­la Fer­nan­des e Lu­an San­ta­na pa­ra o hit “Shal­low”, de Lady Ga­ga.

Ven­ce­do­ra do Os­car, a mú­si­ca-te­ma do fil­me “Nas­ce uma Es­tre­la” é um hit e te­ria tu­do pa­ra re­pe­tir o fei­to no tim­bre dos ser­ta­ne­jos. O que cha­mou mais a aten­ção, no en­tan­to, foi a in­sis­tên­cia da du­pla em evo­car a can­ção ori­gi­nal, pro­du­zin­do uma mis­tu­ra de in­glês e por­tu­guês que dei­xou o re­frão in­com­pre­en­sí­vel. Afi­nal, o que sig­ni­fi­ca­ria “jun­tos e shal­low now”?

Os ver­sos de Ga­ga fa­lam de um amor tão pro­fun­do que es­tá lon­ge do su­per­fi­ci­al, en­quan­to a fai­xa de Pau­la e Lu­an ex­põe um ca­sal que tenta se re­con­ci­li­ar.

“A ideia da le­tra é ce­le­brar a can­ção ori­gi­nal jun­to com a mi­nha ver­são, e não tra­du­ção. Por is­so a mis­tu­ra dos idi­o­mas. Tam­bém en­ten­do que o ‘shal­low’ é a par­te que os bra­si­lei­ros mais sa­bem can­tar da mú­si­ca ori­gi­nal”, de­fen­deu a can­to­ra em su­as re­des so­ci­ais.

O epi­só­dio mos­trou quão di­fí­cil é a vi­da do versionist­a, que pre­ci­sa se equi­li­brar en­tre uma cri­a­ção au­to­ral e a ode ao ori­gi­nal e es­tar pron­to pa­ra o jul­ga­men­to alheio.

Thedy Corrêa, da ban­da Ne­nhum de Nós, sen­tiu is

“Uma ver­são que vi­sa o su­ces­so é di­fe­ren­te de uma re­cri­a­ção. O ar­tis­ta tem que ter li­ber­da­de pa­ra fa­zer o que qui­ser.”

THEDY CORRÊA, MÚ­SI­CO

“O in­glês é mui­to econô­mi­co. Com pou­cas sí­la­bas, ele já diz mui­to. Pre­ci­sa­mos en­ten­der o que im­por­ta e fa­zer ca­ber.”

MA­RI­A­NA ELISABETSK­Y, VERSIONIST­A

so ao trans­por “Star­man”, de Da­vid Bowie, pa­ra o por­tu­guês. Sur­giu daí “As­tro­nau­ta de Már­mo­re”, um dos sin­gles mais to­ca­dos nas rá­di­os bra­si­lei­ras no fi­nal dos anos 1980, cu­ja le­tra tem di­fe­ren­ças sen­sí­veis com a ori­gi­nal.

“A me­lo­dia era o mais im­por­tan­te pa­ra nós, e fi­ze­mos da me­lhor ma­nei­ra que po­día­mos. Foi uma ho­me­na­gem de fãs pa­ra seu ído­lo, usan­do re­fe­rên­ci­as his­tó­ri­cas e do gos­to de­le na épo­ca”, diz o vo­ca­lis­ta, que viu as mu­dan­ças se­rem en­dos­sa­das pe­lo in­glês.

Res­pon­sá­vel por as­si­nar ver­sões bra­si­lei­ras de mu­si­cais de pres­tí­gio, co­mo “Wic­ked” e “Sun­set Bou­le­vard”, Ma­ri­a­na Elisabetsk­y tem um tra­ba­lho ain­da mais di­fí­cil, já que pre­ci­sa pre­ser­var tan­to a me­lo­dia quan­to a his­tó­ria que es­tá sen­do nar­ra­da a par­tir da can­ção, al­go es­sen­ci­al pa­ra o en­ten­di­men­to da tra­ma.

“Uma gran­de exi­gên­cia do te­a­tro mu­si­cal é se­guir o mes­mo nú­me­ro de no­tas do ori­gi­nal e man­ter a pro­só­dia, com a tô­ni­ca da pa­la­vra no acen­to da mú­si­ca”, ex­pli­ca ela. Ou­tro em­pe­ci­lho são as di­fe­ren­ças en­tre idi­o­mas.

“O in­glês é mui­to econô­mi­co. Com pou­cas sí­la­bas, ele já diz mui­to. O por­tu­guês é mais pro­li­xo, en­tão não ca­be fa­zer uma tra­du­ção li­te­ral. Pre­ci­sa­mos en­ten­der quais são as par­tes mais im­por­tan­tes e fo­car pa­ra fa­zer aqui­lo ca­ber”, diz ela, que faz par­ce­ri­as com Vic­tor Müh­letha­ler.

Ver­sões po­dem ter mo­ti­va­ções ar­tís­ti­cas ou mer­ca­do­ló­gi­cas, co­mo lem­bra Thedy, e po­dem im­pul­si­o­nar a di­vul­ga­ção de um tra­ba­lho en­tre ou­tros pú­bli­cos, co­mo acon­te­ceu com a Bos­sa No­va ao ser tra­du­zi­da pa­ra o in­glês.

“Uma ver­são que vi­sa o su­ces­so é uma coi­sa di­fe­ren­te de uma re­cri­a­ção. O ar­tis­ta tem que ter li­ber­da­de pa­ra fa­zer o que qui­ser, mas tam­bém tem que ter pre­sen­ça de es­pí­ri­to pa­ra en­ten­der que as pes­so­as têm li­ber­da­de pa­ra cri­ti­car”, con­clui o mú­si­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.