No­vo tex­to ve­ta a ven­da de fu­zil pa­ra ci­da­dãos co­muns

Governo mu­da de­cre­to e ago­ra ca­be­rá ao Exército de­fi­nir quais ar­mas po­de­rão ser co­mer­ci­a­li­za­das

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA - AN­DRÉ VI­EI­RA

Du­as se­ma­nas após a pu­bli­ca­ção do de­cre­to que am­pli­ou o por­te de ar­mas e após ques­ti­o­na­men­tos da Jus­ti­ça, do Con­gres­so, da so­ci­e­da­de e de ma­ni­fes­ta­ções con­trá­ri­as de go­ver­na­do­res de 14 es­ta­dos, o governo fe­de­ral re­cu­ou on­tem e lan­çou no­vo tex­to mo­di­fi­can­do par­te das re­gras.

Se­gun­do o Pa­lá­cio do Pla­nal­to, a re­da­ção atu­al de­ter­mi­na que “não se­rá con­fe­ri­do o por­te de ar­ma de fu­zis, ca­ra­bi­nas e es­pin­gar­das ao ci­da­dão co­mum” – ou se­ja, não se­rá au­to­ri­za­do an­dar com tais ar­mas na rua, só as mais le­ves, co­mo pis­to­las e re­vól­ve­res.

A pos­si­bi­li­da­de ha­via si­do aber­ta pe­lo tex­to pas­sa­do, que am­pli­ou o po­der de fo­go das ar­mas per­mi­ti­das aos ci­vis – mas mes­mo a re­ti­fi­ca­ção dei­xa a ques­tão em aber­to so­bre a pos­se, que é a au­to­ri­za­ção pa­ra ter uma ar­ma em ca­sa ou no tra­ba­lho.

Is­so por­que, se­gun­do o governo, o Exército de­fi­ni­rá, em 60 di­as, os pa­râ­me­tros que clas­si­fi­ca­rão as ar­mas e mu­ni­ções de uso per­mi­ti­do ou res­tri­to, quais po­de­rão ser com­pra­das por ci­vis e quais só po­de­rão ser usa­das pe­las For­ças Ar­ma­das.

Pa­ra os mo­ra­do­res de áre­as ru­rais, por exem­plo, o no­vo de­cre­to de­ter­mi­na que a pos­se de ar­mas por­tá­teis (co­mo os fu­zis) po­de ser au­to­ri­za­da, des­de que o so­li­ci­tan­te se­ja o res­pon­sá­vel por imó­vel em área pro­du­ti­va, “de­di­ca­da à ex­plo­ra­ção agrí­co­la, pe­cuá­ria, ex­tra­ti­va ve­ge­tal, flo­res­tal ou agroin­dus­tri­al”.

O no­vo tex­to do de­cre­to tam­bém faz cor­re­ções for­mais e de­ta­lha re­gras que per­mi­ti­am in­ter­pre­ta­ções abran­gen­tes, co­mo a per­mis­são pa­ra que me­no­res de 18 anos pra­ti­quem au­las de ti­ro ape­nas com a au­to­ri­za­ção dos pais, que ago­ra va­le só pa­ra os mai­o­res de 14 anos.

O pri­mei­ro de­cre­to, pu­bli­ca­do em 8 de maio, tam­bém fa­ci­li­tou o por­te de ar­ma pa­ra di­ver­sas ca­te­go­ri­as, co­mo po­lí­ti­cos elei­tos, ca­mi­nho­nei­ros, ad­vo­ga­dos e jor­na­lis­tas, e ago­ra am­pli­ou a lis­ta pa­ra os fun­ci­o­ná­ri­os da se­gu­ran­ça do Ju­di­ciá­rio e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e pa­ra guar­das por­tuá­ri­os. Pa­ra ter es­sa au­to­ri­za­ção, po­rém, o pro­fis­si­o­nal pre­ci­sa an­tes so­li­ci­tar a pos­se e cum­prir to­dos os re­qui­si­tos le­gais.

Re­per­cus­sões

Em no­ta, o Pa­lá­cio do Pla­nal­to in­for­mou que re­a­li­zou as mu­dan­ças no de­cre­to “a par­tir dos ques­ti­o­na­men­tos fei­tos pe­ran­te o Po­der Ju­di­ciá­rio, no âm­bi­to do Po­der Le­gis­la­ti­vo e pe­la so­ci­e­da­de em ge­ral”, mas “sem al­te­rar sua es­sên­cia”.

Be­né Bar­bo­sa, ana­lis­ta de se­gu­ran­ça e lí­der do MVB (Mo­vi­men­to Vi­va Bra­sil) dis­se que “o ‘no­vo’ de­cre­to é tec­ni­ca­men­te pre­ci­so, man­te­ve o es­pí­ri­to de am­pli­a­ção ao di­rei­to de de­fe­sa”. Já o Ins­ti­tu­to Sou da Paz afir­mou que o governo faz de­cre­tos “às pres­sas” e des­pre­za o de­ba­te pú­bli­co e não des­faz in­se­gu­ran­ças ju­rí­di­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.