‘Rocketman’ traz El­ton John sem cen­su­ra

Ci­ne­bi­o­gra­fia nar­ra tra­je­tó­ria do íco­ne pop sem es­con­der ju­ven­tu­de re­ga­da ao ví­cio em se­xo, ál­co­ol e dro­gas

Metro Brazil (Espirito Santo) - - CULTURA - ERNESTO GARRATT VIÑES METRO IN­TER­NA­CI­O­NAL

Se­guin­do a tri­lha do su­ces­so triun­fal de “Bohe­mi­an Rhap­sody”, que so­mou mais de US$ 900 mi­lhões em bi­lhe­te­ri­as pe­lo mun­do ao re­tra­tar a tra­je­tó­ria de Freddy Mer­cury e da ban­da Qu­e­en, “Rocketman” es­treia ho­je com a mis­são de nar­rar a his­tó­ria por trás de ou­tro mi­to da mú­si­ca: El­ton John, 72, au­tor de hits co­mo “Your Song” e “Sa­cri­fi­ce”.

A com­pa­ra­ção en­tre os dois lon­gas é ine­vi­tá­vel, já que eles apre­sen­tam os tur­bu­len­tos anos de for­ma­ção de ído­los pop e têm a mão do di­re­tor Dex­ter Fle­ch­ter, que deu sequên­cia a “Bohe­mi­an Rhap­sody” após Bryan Sin­ger ser afas­ta­do do pro­je­to.

Há ain­da ou­tro fa­tor cru­ci­al pa­ra o su­ces­so des­se ti­po de pro­du­ção: a exis­tên­cia de um ele­men­to in­te­ri­or ca­paz de re­di­mir o pro­ta­go­nis­ta em ques­tão.

Ator­men­ta­do e vi­ci­a­do em dro­gas, ál­co­ol, se­xo e com­pras, além de es­tar sob a som­bra de uma re­la­ção ruim com um pai au­sen­te, El­ton John ini­cia o fil­me em uma reu­nião dos Al­coó­li­cos Anô­ni­mos.

A par­tir des­se mo­men­to, as mú­si­cas pop cri­a­das pe­lo ar­tis­ta ao lon­go de dé­ca­das acom­pa­nham ima­gens de uma in­fân­cia de­sa­jus­ta­da na In­gla­ter­ra do sé­cu­lo pas­sa­do até che­gar a seus anos de ju­ven­tu­de, quan­do ele pas­sa a ser in­ter­pre­ta­do por Ta­ron Eger­ton (“Kings­man”), que sol­tou a voz pa­ra vi­ver o pa­pel.

Ape­sar de ser uma pro­du­ção com a chan­ce­la do pró­prio bi­o­gra­fa­do, “Rocketman” não se exi­me de re­ve­lar mo­men­tos con­tro­ver­sos da vi­da de­le, co­mo a des­co­ber­ta de sua iden­ti­da­de se­xu­al e o abu­so de dro­gas, além da fru­tí­fe­ra ali­an­ça com seu par­cei­ro cri­a­ti­vo, o com­po­si­tor Ber­nie Tau­pin, in­ter­pre­ta­do por Ja­mie Bell.

El­ton John fez ques­tão que es­sas ce­nas não fos­sem ame­ni­za­das pa­ra que o fil­me dei­xas­se de ter clas­si­fi­ca­ção “res­tri­ta” . “Eu não ti­ve uma vi­da com clas­si­fi­ca­ção in­di­ca­ti­va de ‘im­pró­prio pa­ra me­no­res de 13 anos”, es­cre­veu ele no jor­nal “The Gu­ar­di­an”.

“Rocketman” fler­ta com a fan­ta­sia e foi con­ce­bi­do pa­ra o con­su­mo de mas­sa. O ce­ná­rio es­tá pron­to pa­ra que ele se tor­ne um fenô­me­no glo­bal tão gran­de quan­to “Bohe­mi­an Rhap­sody” por­que am­bos fun­ci­o­nam de acor­do com a mes­ma ló­gi­ca do pop: é me­lhor ou­vir do que en­ten­der.

| DIVULGAÇÃO

Ta­ron Eger­ton sol­tou a voz pa­ra in­cor­po­rar o pro­ta­go­nis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.