SU­CES­SO IMEDIATO E RADIOATIVO

‘CHER­NOBYL’ CONTAMINA PÚ­BLI­CO E CRÍ­TI­CA NA TV APÓS ‘GA­ME OF TH­RO­NES”

Metro Brazil (Espirito Santo) - - PRIMEIRA PÁGINA -

“Ga­me of Th­ro­nes” mal aca­bou e o ca­nal pa­go HBO já tem ou­tra pro­du­ção sua ga­nhan­do a sim­pa­tia do pú­bli­co e da crí­ti­ca.

Exi­bi­da des­de o dia 10 de maio, sem­pre às 21h de sex­ta-fei­ra, a mi­nis­sé­rie “Cher­nobyl” se tor­nou a atra­ção de TV mais bem ava­li­a­da pe­los usuá­ri­os do si­te IMDB, com no­ta 9,6, fi­can­do à fren­te de su­ces­sos co­mo “Bre­a­king Bad” e “The Wi­re”.

São ape­nas cin­co epi­só­di­os – o quar­to vai ao ar ho­je – que re­tra­tam os bas­ti­do­res da ex­plo­são da usi­na nu­cle­ar de Cher­nobyl, na Ucrâ­nia, em 1986, res­pon­sá­vel por ma­tar 31 pes­so­as e con­ta­mi­nar cen­te­nas de ou­tras ao li­be­rar ma­te­ri­al radioativo na Bi­e­lor­rús­sia, Rús­sia, Ucrâ­nia, Es­can­di­ná­via e oes­te da Eu­ro­pa.

A ideia de con­tar es­sa his­tó­ria par­tiu do ro­tei­ris­ta e pro­du­tor-exe­cu­ti­vo Craig Ma­zin após ele se de­pa­rar com um ar­ti­go so­bre a cons­tru­ção de uma no­va uni­da­de de con­ten­ção em Cher­nobyl.

“To­dos sa­bem que a usi­na ex­plo­diu, mas a mai­o­ria, in­cluin­do eu mes­mo, não sa­be o porquê. Is­so me sur­pre­en­deu e co­me­cei a ler so­bre o ca­so”, afir­ma ele.

“Dois fa­tos cha­ma­ram a mi­nha aten­ção. O pri­mei­ro foi que, na noi­te da ex­plo­são, es­ta­vam re­a­li­zan­do um tes­te de se­gu­ran­ça e pen­sei na iro­nia dis­so. O se­gun­do foi que o ho­mem res­pon­sá­vel por apa­gar o fo­go, lim­par e des­co­brir o que acon­te­ceu se ma­tou dois anos de­pois.”

“Cher­nobyl” reú­ne his­tó­ri­as de per­so­na­gens re­ais e fic­tí­ci­os en­vol­vi­dos na si­tu­a­ção, que ga­nha con­tor­nos ain­da mais dra­má­ti­cos por ter acon­te­ci­do em uma União So­vié­ti­ca pres­tes a ruir, no qual a in­ter­fe­rên­cia po­lí­ti­ca ti­nha con­sequên­ci­as di­re­tas na vi­da das pes­so­as.

En­tre os re­ais es­tão Bo­ris Scher­bi­na (Stel­lan Skars­gard), vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho de Mi­nis­tros da URSS, e Lyud­mil­la Ig­na­ten­ko ( Jes­sie Buc­kley), mu­lher do pri­mei­ro bom­bei­ro a che­gar ao lo­cal, que mor­reu du­as se­ma­nas de­pois.

Já Emily Wat­son dá vi­da à fic­tí­cia Ula­na Khomyuk, que re­pre­sen­ta es­sen­ci­al­men­te os mui­tos ci­en­tis­tas que não ape­nas ar­ris­ca­ram sua se­gu­ran­ça pes­so­al ao es­tar per­to do re­a­tor, mas tam­bém se ar­ris­ca­ram ao de­sa­fi­ar a URSS.

“Quan­to mais lia, mais en­con­tra­va. Era uma quan­ti­da­de avas­sa­la­do­ra de his­tó­ri­as de­so­la­do­ras, bru­tal­men­te re­ve­la­do­ras, ins­pi­ra­do­ras e de­sa­len­ta­do­ras. Ti­ve que pin­çar des­sa ri­que­za dra­má­ti­ca pa­ra con­tar a his­tó­ria do me­lhor e do pi­or que a hu­ma­ni­da­de po­de ofe­re­cer”, con­ta Ma­zin.

O pro­du­tor de­fen­de ain­da a per­ti­nên­cia de re­lem­brar o ca­so de Cher­nobyl nos di­as atu­ais.

“Vi­ve­mos em uma época em que as pes­so­as es­tão vol­tan­do a abra­çar a ideia cor­ro­si­va de que o que se quer ser é mais im­por­tan­te do que a ver­da­de. O sis­te­ma so­vié­ti­co es­ta­va en­char­ca­do com es­te cul­to da nar­ra­ti­va, mas, um dia, a ver­da­de vem à to­na. Por is­so es­ta his­tó­ria é mais re­le­van­te do que nun­ca. A li­ção bo­ni­ta ti­ra­da daí é que, mes­mo em tem­pos de de­sas­tre, as pes­so­as fi­cam de pé e se com­por­tam de ma­nei­ra mais no­tá­vel e no­bre.”

| DI­VUL­GA­ÇÃO

Mi­nis­sé­rie em cin­co epi­só­dio é exi­bi­da às sex­tas, às 21h, no ca­nal pa­go HBO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.