Ata­ques no Gol­fo ele­vam ten­são en­tre EUA e Irã

Ins­ta­bi­li­da­de na re­gião ele­va o pre­ço do bar­ril do pe­tró­leo em 2%

Metro Brazil (Espirito Santo) - - MUNDO -

Dois pe­tro­lei­ros fo­ram ata­ca­dos on­tem no Gol­fo de Omã, es­trei­to que li­ga o mar Ará­bi­co ao gol­fo Pér­si­co, ele­van­do os pre­ços do pe­tró­leo e ali­men­tan­do te­mo­res de um no­vo con­fron­to en­tre o Irã e os Es­ta­dos Uni­dos. Os nor­te-ame­ri­ca­nos cul­pa­ram os ira­ni­a­nos pe­lo in­ci­den­te.

“É a ava­li­a­ção do go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos que a Re­pú­bli­ca Is­lâ­mi­ca do Irã é res­pon­sá­vel pe­los ata­ques que ocor­re­ram no Gol­fo de Omã ho­je [on­tem]”, dis­se o se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos EUA, Mi­ke Pom­peo, sem for­ne­cer evi­dên­ci­as.

“Es­ta ava­li­a­ção é ba­se­a­da em in­te­li­gên­cia: as ar­mas usa­das, o ní­vel de pe­rí­cia ne­ces­sá­rio pa­ra exe­cu­tar a ope­ra­ção, re­cen­tes ata­ques ira­ni­a­nos se­me­lhan­tes ao trans­por­te ma­rí­ti­mo e o fa­to de que ne­nhum gru­po ope­ran­do na área tem re­cur­sos pa­ra agir de tal for­ma” dis­se Pom­peo.

Os pre­ços do pe­tró­leo su­bi­ram mais de 4% e se es­ta­bi­li­za­ram em 2% após os ata­ques per­to da en­tra­da do Es­trei­to de Hor­muz, uma ar­té­ria ma­rí­ti­ma cru­ci­al pa­ra a Ará­bia Sau­di­ta e ou­tros pro­du­to­res no Gol­fo.

As ten­sões en­tre o Irã e os Es­ta­dos Uni­dos se in­ten­si­fi­ca­ram des­de que o pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, aban­do­nou acor­do no ano pas­sa­do en­tre o Irã e as po­tên­ci­as glo­bais pa­ra con­ter as am­bi­ções nu­cle­a­res de Te­e­rã.

O Irã aler­tou re­pe­ti­da­men­te que blo­que­a­ria o Es­trei­to de Hor­muz se não pu­der ven­der seu pe­tró­leo de­vi­do a san­ções dos EUA.

Nin­guém rei­vin­di­cou a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­los ata­ques de on­tem. Ana­lis­tas aler­ta­ram so­bre os ris­cos de con­clu­sões pre­ci­pi­ta­das do cul­pa­do, di­zen­do que é con­ce­bí­vel que o Irã pos­sa tê-lo re­a­li­za­do, mas tam­bém que al­guém o pos­sa ter fei­to pa­ra de­sa­cre­di­tar o Te­e­rã.

O chan­ce­ler ira­ni­a­no, Moham­mad Ja­vad Za­rif, des­cre­veu os in­ci­den­tes co­mo “sus­pei­tos” no Twit­ter e pe­diu diá­lo­go re­gi­o­nal.

“Pre­ci­sa­mos lem­brar que cer­ca de 30% do pe­tró­leo bru­to [ma­rí­ti­mo] do mun­do pas­sa pe­los es­trei­tos. Se as águas es­tão se tor­nan­do in­se­gu­ras, o for­ne­ci­men­to pa­ra to­do o mun­do oci­den­tal po­de es­tar em ris­co”, dis­se Pa­o­lo d’Ami­co, pre­si­den­te do con­se­lho da as­so­ci­a­ção de pe­tro­lei­ros In­ter­tan­ko.

Os na­vi­os ata­ca­dos on­tem eram de pro­pri­e­da­de no­ru­e­gue­sa e ja­po­ne­sa. Não há re­gis­tro de fe­ri­dos. As tri­pu­la­ções aban­do­na­ram as em­bar­ca­ções após o in­ci­den­te. A sus­pei­ta é de que os pe­tro­lei­ros te­nham si­do atin­gi­dos por tor­pe­dos.

O epi­só­dio acon­te­ce du­ran­te vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro ja­po­nês, Shin­zo Abe, ao Irã. Um che­fe de go­ver­no do país não vi­a­ja­va a Te­e­rã des­de 1979.

| ISNA/VIA REU­TERS

Em­bar­ca­ção em cha­mas on­tem após ata­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.