A MOBILIDADE DA CRI­AN­ÇA

Metro Brazil (Maringa) - - PUBLIMETRO -

Na vés­pe­ra do Dia da Cri­an­ça, uma re­fle­xão so­bre co­mo os pe­que­nos vi­ven­ci­am a in­fân­cia nas ci­da­des

O que sig­ni­fi­ca a mobilidade pa­ra os pe­que­nos ha­bi­tan­tes das ci­da­des bra­si­lei­ras? Pa­ra par­te de­les, o ir e vir es­tá sem­pre re­la­ci­o­na­do ao car­ro. Das ja­ne­las dos au­to­mó­veis, eles en­xer­gam re­fle­xos da ci­da­de, mas não par­ti­ci­pam de­la.

Pa­ra a mai­or par­ce­la, que se lo­co­mo­ve a pé e de trans­por­te co­le­ti­vo, há in­se­gu­ran­ça, me­do e a cer­te­za de que o pe­des­tre é con­si­de­ra­do um in­tru­so, um in­va­sor do es­pa­ço. Além de apren­der que pre­ci­sa atra­ves­sar a rua cor­ren­do por­que o tempo do se­má­fo­ro é in­su­fi­ci­en­te e o pe­des­tre não é res­pei­ta­do, a cri­an­ça bra­si­lei­ra se acos­tu­ma a ca­mi­nhar em cal­ça­das mui­to es­trei­tas e até em ru­as sem a pre­sen­ça de­las. As dé­ca­das de pla­ne­ja­men­to ur­ba­no fo­ca­do no car­ro tor­na­ram as ru­as um ter­ri­tó­rio de guer­ra – o fa­to de que o Bra­sil é o quar­to país do mun­do em mor­tes no trân­si­to fa­la por si só.

Pes­qui­sa­do­res in­ter­na­ci­o­nais há tem­pos dis­cu­tem os efei­tos da “imo­bi­li­da­de” e da vi­o­lên­cia no trân­si­to no de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co, cog­ni­ti­vo, mo­tor e so­ci­al das cri­an­ças. Exer­cer a in­de­pen­dên­cia nu­ma ci­da­de se­gu­ra é fundamental pa­ra o cres­ci­men­to sau­dá­vel. Nos paí­ses em que as cri­an­ças an­dam de bi­ci­cle­ta e a pé com se­gu­ran­ça, co­mo na Ho­lan­da e na Di­na­mar­ca, por exem­plo, os aci­den­tes são pra­ti­ca­men­te ine­xis­ten­tes e a in­fân­cia é um pe­río­do de fe­liz in­te­ra­ção na so­ci­e­da­de.

SOBREPESO E FAL­TA DE LUZ SO­LAR

Se­gun­do a ur­ba­nis­ta e ar­qui­te­ta es­pa­nho­la Ire­ne Quin­táns, afi­li­a­da a IPA Bra­sil, As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra pe­lo Di­rei­to de Brin­car e à Cul­tu­ra, os ur­ba­nis­tas usam a pre­sen­ça de cri­an­ças no es­pa­ço pú­bli­co co­mo in­di­ca­dor de su­ces­so ur­ba­no. “A au­sên­cia de­las nas ru­as apon­ta as fa­lhas das nos­sas ci­da­des”, ela diz.

Mo­ra­do­ra da ca­pi­tal pau­lis­ta há se­te anos e mãe de dois fi­lhos, Ire­ne acre­di­ta que pri­var os pe­que­nos de ca­mi­nhar não é po­si­ti­vo. “Uma cri­an­ça que fi­ca cir­cuns­cri­ta à lo­co­mo­ção no car­ro ten­de a fi­car in­se­gu­ra pa­ra se mo­vi­men­tar. Ela tam­bém tem mais di­fi­cul­da­de em per­ce­ber o ou­tro. Is­so se cha­ma em­pa­tia e é mui­to im­por­tan­te pa­ra a vi­da em so­ci­e­da­de. Há ain­da a ques­tão do se­den­ta­ris­mo, do sobrepeso e da fal­ta de luz so­lar. Cri­an­ças que ca­mi­nham pa­ra a es­co­la têm mais con­cen­tra­ção pa­ra de­sen­vol­ver ati­vi­da­des com­ple­xas”.

Mes­mo com to­das as di­fi­cul­da­des já ci­ta­das, é im­por­tan­te usar o trans­por­te pú­bli­co, ca­mi­nhar e par­ti­ci­par da vi­da na ci­da­de. Na pró­xi­ma vez que le­var seus fi­lhos à es­co­la, re­fli­ta: por que ir de car­ro? Que tal des­co­brir a ci­da­de ao la­do de­les, tro­can­do idei­as so­bre o que vo­cês ve­em? As­sim, eles apren­dem a ser ci­da­dãos e a vi­ver o co­le­ti­vo, en­quan­to exi­gi­mos que o po­der pú­bli­co pri­o­ri­ze a pro­te­ção das nos­sas cri­an­ças.

O Pro Co­le­ti­vo aju­da as pes­so­as a apro­vei­tar a vi­da se lo­co­mo­ven­do de for­ma in­te­li­gen­te pro­co­le­ti­vo@gmail.com

RODOLFO BARRETO

www.pro­co­le­ti­vo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.