AR­TE UR­BA­NA

Metro Brazil (Maringa) - - PRIMEIRA PÁGINA - VICTOR FA­RIA

Gra­fi­tes em mu­ros dão cor à pai­sa­gem de Maringá

Gra­fi­tes se es­pa­lham por di­ver­sos pon­tos de Maringá trans­for­man­do ru­as e ave­ni­das do mu­ni­cí­pio em um mu­seu a céu aber­to

O gra­fi­te é, tal­vez, uma das mais co­nhe­ci­das in­ter­ven­ções de ar­te ur­ba­na no mun­do. Se em me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do os gra­fi­tei­ros eram con­si­de­ra­dos me­ros con­tra­ven­to­res, ho­je de­mar­ca­ram um no­vo con­cei­to na pro­du­ção ar­tís­ti­ca e ga­nha­ram sta­tus de ar­tis­tas.

Maringá é uma ci­da­de que es­ban­ja gra­fi­tes por di­fe­ren­tes pon­tos do pe­rí­me­tro ur­ba­no, fa­zen­do das vi­as pú­bli­cas um mu­seu a céu aber- to. É tam­bém, pa­ra al­guns, a ci­da­de dos tra­ços e das co­res.

Nu­no Skor é um dos ar­tis­tas que aju­dam na cons­tan­te evo­lu­ção do gra­fi­te em Maringá. Nas­ci­do na An­go­la, o gra­fi­tei­ro co­nhe­ceu es­sa ver­ten­te ar­tís­ti­ca na Suí­ça, on­de mo­rou. Por aqui, ele faz dos mu­ros co­bai­as de su­as tin­tas des­de 2010, qu­an­do se mu­dou pa­ra o Bra­sil.

“No iní­cio fi­quei pro­cu­ran­do e co­nhe­cen­do o es­s­ti­lo da­qui. Fui des­co­brin­do no­vas “Fui des­co­brin­do no­vas téc­ni­cas e foi uma aber­tu­ra de es­pí­ri­to mui­to gran­de pa­ra a mi­nha ar­te”

NU­NO SKOR, GRA­FI­TEI­RO

téc­ni­cas e foi uma aber­tu­ra de es­pí­ri­to mui­to gran­de pa­ra mim e pa­ra a mi­nha ar­te”, des­ta­cou o ar­tis­ta.

Não ra­ro os gra­fi­tes pro­põem re­fle­xões so­bre a so- ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea. Mais do que a efê­me­ra tin­ta que se des­pe­de nos es­com­bros da de­mo­li­ção de um mu­ro ou dos en­xá­gues da­que­les que não gos­tam des­sa ar­te, o gra­fi­te se faz, ho­je, uma im­por­tan­te men­sa­gem, em con­tí­nua me­ta­mor­fo­se.

“Es­se lan­ce da ar­te ur­ba­na ser ‘rá­pi­da’ dá mui­to mais va­lor, por­que ela é fei­ta pa­ra is­so. A ar­te ur­ba­na é efê­me­ra e is­so dá bri­lho,

“A ar­te ur­ba­na é efê­me­ra e is­so dá bri­lho, por­que re­ci­cla es­se ti­po de ar­te”

NU­NO SKOR, GRA­FI­TEI­RO

por­que re­ci­cla”, dis­se Skor.

Re­co­nhe­ci­men­to

Se no co­me­ço da car­rei­ra co­mo gra­fi­tei­ro Skor bus­ca­va mu­ros aban­do­na­dos e ter­re­nos des­cui­da­dos, ago­ra a si­tu­a­ção é bem di­fe­ren­te.

Ape­sar de o gra­fi­te ter ape­lo pú­bli­co, es­sa ver­ten­te ar­tís­ti­ca vem con­quis­tan­do o apre­ço de di­fe­ren­tes es­pec­ta­do­res e is­so fez com que o ar­tis­ta ga­nhas­se es­pa­ço em pa­re­des de shop­pings, uni­ver­si­da­des e cer­ve­ja­ri­as de di­fe­ren­tes par­tes do mun­do.

HA­MIL­TON AL­MEI­DA/ME­TRO MARINGÁ

De­se­nho gra­fi­ta­do no mu­ro do Co­lé­gio Ma­ris­ta

Gra­fi­tes no Gi­ná­sio Wal­dir Pi­nhei­ro

VICTOR FA­RIA/ ME­TRO MARINGÁ

Es­té­ti­cas de gra­fi­tes va­ri­am de acor­do com os gos­tos do au­tor

VICTOR FA­RIA/ ME­TRO MARINGÁ

Obra de Nu­no Skor ras­ga a fa­cha­da de Shop­ping

VICTOR FA­RIA/ ME­TRO MARINGÁ

Obra fi­ca si­tu­a­da na rua No­vo Ho­ri­zon­te, per­pen­di­cu­lar a ave­ni­da Cer­ro Azul

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.