OTIMISMO QUE VEM DA HISTÓRIA

Me­mó­ri­as do Front. Um dos úl­ti­mos ex-com­ba­ten­tes da For­ça Ex­pe­di­ci­o­ná­ria ain­da vi­vo, Vas­co Du­ar­te acre­di­ta que Bra­sil tem tu­do pa­ra se de­sen­vol­ver e avi­sa que pre­si­den­te pre­ci­sa go­ver­nar pe­la co­le­ti­vi­da­de

Metro Brazil (Maringa) - - BRASIL - FABIANE GUIMARÃES

Ves­tin­do o pa­le­tó do ter­no a con­tra­gos­to, o ex-com­ba­ten­te Vas­co Du­ar­te Fer­rei­ra co­men­ta sobre as con­de­co­ra­ções pre­sas à la­pe­la. “A mais feia é a mais im­por­tan­te”, diz, apon­tan­do pa­ra a pe­que­na cruz en­fer­ru­ja­da, ofus­ca­da por mo­e­das de ou­ro. É, de fa­to, uma me­da­lha ra­ra: foi dis­tri­buí­da ape­nas aos in­te­gran­tes da FEB (For­ça Ex­pe­di­ci­o­ná­ria Bra­si­lei­ra) que atu­a­ram na Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al.

Aos 94 anos, Vas­co Du­ar­te é um dos úl­ti­mos 25 mil ex-com­ba­ten­tes da FEB ain­da vi­vos. No Dis­tri­to Fe­de­ral, es­tá en­tre os úni­cos três. Com o ou­vi­do “es­tou­ra­do” pe­la gu­er­ra, ele es­cu­ta as no­tí­ci­as, re­par­ti­das com um otimismo im­pla­cá­vel.

“O Bra­sil tem me­lho­ra­do mui­to nos úl­ti­mos 50 anos. Te­mos me­lho­ra­do e pro­gre­di­do. E só va­mos nos de­sen­vol­ver ain­da mais”, ga­ran­te, com a sa­be­do­ria de quem vi­veu qua­se um sé­cu­lo de história.

O ex-com­ba­ten­te evi­ta fa­lar o que pen­sa sobre o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro – um ca­pi­tão da re­ser­va do Exér­ci­to Bra­si­lei­ro e ad­mi­ra­dor das for­ças ar­ma­das, com se­te mi­nis­tros mi­li­ta­res. “Ele só es­tá no po­der há uma se­ma­na, ain­da é mui­to ce­do pa­ra jul­gar. To­ma­ra que ele se­ja mui­to du­ro e com­ba­ta o cri­me”.

“Ter mi­li­tar no po­der é bom. A con­du­ta e os pro­ce­di­men­tos são mui­to exi­gen­tes. Mas um mi­li­tar não po­de ser ri­co. Não ga­nha­mos pa­ra fi­car ri­cos. Ga­nha­mos pa­ra vi­ver”, aler­ta.

Ele con­fia que o país me­lho­ra­rá. “Mas não é me­lho­rar só pa­ra mim. Tem que me­lho­rar pa­ra co­le­ti­vi­da­de. O que adi­an­ta um anel de ou­ro em um mar de la­ma?”, pon­de­ra.

Me­mó­ri­as do­lo­ro­sas

Vas­co Du­ar­te Fer­rei­ra ti­nha ape­nas 21 anos qu­an­do foi em­bar­ca­do em um na­vio, em 1944, ru­mo a Ná­po­les, na Itá­lia. Em so­lo ita­li­a­no, vi­ve­ria por 11 me­ses, aju­dan­do ali­a­dos ame­ri­ca­nos a com­ba­te­rem as Po­tên­ci­as do Ei­xo.

Ain­da no pe­río­do de trei­na­men­to, Vas­co Du­ar­te se re­cor­da de dois ami­gos per­di­dos, no­mes que re­pe­te de tem­pos em tem­pos, co­mo se fos­sem fan­tas­mas par­ti­cu­la­res: ca­bo La­dei­ra e sol­da­do Or­lan­do.

“En­tra­mos em um cam­po mi­na­do. Eles ex­plo­di­ram na mi­nha fren­te”, con­ta, bai­xi­nho.

Na Itá­lia, Vas­co Du­ar­te in­te­gra­va o pe­lo­tão de in­fan­ta­ria e era ra­di­o­te­le­gra­fis­ta. Ele par­ti­ci­pou da ba­ta­lha de to­ma­da do Mon­te Cas­te­lo, a mais re­le­van­te da FEB.

Mas qu­an­do o as­sun­to são téc­ni­cas de ba­ta­lha ele par­ti­lha um se­gre­do, um jei­ti­nho bem bra­si­lei­ro de guer­re­ar: na ba­se da fu­ga. “Cor­re­mos mui­tos ris­cos por­que ati­ra­vam na gen­te o tem­po to­do. Mas a gen­te era mais li­gei­ro. Era me­lhor sair do que en­fren­tar o ini­mi­go. Se en­fren­tas­se, vo­cê mor­ria”.

O ex-com­ba­ten­te re­lem­bra, com bom hu­mor, de al­gu­mas si­tu­a­ções. Co­mo era res­pon­sá­vel pe­las men­sa­gens en­vi­a­das via rá­dio, por exem­plo, cor­ria sé­ri­os ris­cos a ca­da vez que li­ga­va o equi­pa­men­to, uma vez que os ale­mães po­de­ri­am ras­tre­ar o si­nal e bom­bar­deá-lo. “Eu li­ga­va o rá­dio e já avi­sa­va. To­do mun­do cor­ria pa­ra lon­ge de mim”, brin­ca.

De­sa­cos­tu­ma­dos ao frio eu­ro­peu, os bra­si­lei­ros so­fri­am com um uni­for­me fi­no de­mais pa­ra as bai­xas tem­pe­ra­tu­ras. Con­ta­vam, en­tão, com uma “aju­di­nha” dos ame­ri­ca­nos, que for­ne­ci­am ca­sa­cos mais gros­sos.

Qu­an­do vol­tou ao Bra­sil, Vas­co pre­ci­sou li­dar com as se­que­las da gu­er­ra. “Eu não atra­ves­sa­va vi­a­du­tos so­zi­nho, nem pon­tes. Pas­sa­mos mui­tas pro­va­ções, mui­tos de nós se sui­ci­da­ram. O go­ver­no só foi nos con­ce­der uma pen­são 40 anos de­pois”, la­men­ta.

Du­a­lis­mo po­lí­ti­co

Vas­co diz ter ra­zões pa­ra ser oti­mis­ta. “Já foi mui­to pi­or. Ho­je, te­mos leis tra­ba­lhis­tas e pre­vi­den­ciá­ri­as que fun­ci­o­nam”, dá de om­bros.

Sobre a po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca que as­so­la o país, o ex-com­ba­ten­te não se im­pres­si­o­na. Re­lem­bra os tem­pos dos ex-pre­si­den­tes Washing­ton Luís e Ge­tú­lio Var­gas, pas­san­do por Jus­ce­li­no Ku­bits­chek até Bol­so­na­ro. “Sem­pre foi as­sim. E to­ma­ra que sem­pre se­ja. Se es­tá to­do mun­do na mes­ma cor­ren­te, tem que se des­con­fi­ar”, ex­pli­ca.

A gen­te viu mui­ta mi­sé­ria, pes­so­as se pros­ti­tuin­do, pas­san­do fo­me. As mu­lhe­res fa­zi­am fa­vo­res se­xu­ais em tro­ca de co­mi­da. Não da­va pa­ra mim. Eu ti­nha seis ir­mãs. Co­mo po­dia fa­zer is­so com uma mu­lher?”

O sím­bo­lo da FEB é uma co­bra fa­zen­do alu­são à fra­se de Ge­tú­lio Var­gas de que “nem que a co­bra fu­mas­se o Bra­sil en­tra­ria na gu­er­ra”. Era uma for­ma irô­ni­ca de di­zer: “a co­bra fu­mou”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.