NAVE DO SA­BER

Su­per­la­bo­ra­tó­rio Sí­rius ele­va­rá Bra­sil a no­vo pa­ta­mar na ci­ên­cia

Metro Brazil (Maringa) - - PRIMEIRA PÁGINA - CARLOS GIACOMELI

O la­bo­ra­tó­rio Sí­rius, que tem iní­cio das ope­ra­ções pre­vis­to pa­ra o fim do ano, é um gran­de pas­so pa­ra a ci­ên­cia bra­si­lei­ra. Em cons­tru­ção em Cam­pi­nas, tra­ta-se de um pro­je­to com­ple­xo, que te­ve que ser de­se­nha­do e fa­bri­ca­do pas­so a pas­so, em­bar­can­do tec­no­lo­gia cri­a­da es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra ele. Pa­ra en­ten­der o ta­ma­nho des­se pas­so ci­en­tí­fi­co, va­mos fa­zer um exer­cí­cio de ana­lo­gia.

Ima­gi­ne que vo­cê te­nha uma TV pre­to e bran­co dos anos 1960. Aque­las de tu­bo, com ima­gem to­da gra­nu­la­da e áu­dio ruim. Da­que­las que um de­ta­lhe pe­que­no na te­la é qua­se im­pos­sí­vel de ser iden­ti­fi­ca­do. Ima­gi­nou? Ago­ra, tro­que es­sa te­le­vi­são por uma de 50 po­le­ga­das, com de­fi­ni­ção 8k de al­ta tec­no­lo­gia. É uma evo­lu­ção e tan­to, não? Pois bem, gros­so mo­do, es­se é re­la­ti­va­men­te o ta­ma­nho do pas­so que o Sí­rius re­pre­sen­ta pa­ra as pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas de di­ver­sas áre­as. Na ver­da­de, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, o pas­so é ain­da mai­or do que is­so.

To­da es­sa evo­lu­ção é tra­zi­da pe­la luz sín­cro­ton, que já é usa­da des­de os anos 1980 pe­lo CNPEM (Cen­tro Na­ci­o­nal de Pes­qui­sa em Ener­gia e Ma­te­ri­ais), mas que ago­ra al­can­çou um no­vo pa­ta­mar de ca­pa­ci­da­de de aná­li­se. Pa­ra ter uma ideia, uma ro­cha, que po­de­ria ser ana­li­sa­da em uma por-

ção de mi­lí­me­tros, ago­ra po­de ser en­xer­ga­da no zo­om de uma cé­lu­la. E mais: as re­a­ções den­tro de­la, em tem­po, re­al, co­mo num fil­me, po­de­rão ser vis­tas pe­lo pes­qui­sa­dor nas áre­as de me­di­ci­na, en­ge­nha­ria, ener­gia, mi­ne­ra­lo­gia, ar­que­o­lo­gia, en­tre ou­tras.

Com es­se ní­vel de apro­fun­da­men­to, se­rá pos­sí­vel cri­ar no­vas so­lu­ções na in­dús­tria, vi­a­bi­li­zar no­vos pro­du­tos na agri­cul­tu­ra e até mes­mo des­co­ber­tas im­por­tan­tes na me­di­ci­na, co­mo me­lho­ra­men­to de me­di­ca­men­tos e o en­ten­di­men­to de co­mo uma do­en­ça evo­lui.

To­da es­sa ca­pa­ci­da­de de aná­li­se vem da luz sín­cro­ton, pro­du­zi­da qu­an­do elé­trons com al­ta ener­gia e ve­lo­ci­da­de são des­vi­a­dos por cam­pos mag­né­ti­cos. Eles se­guem a ór­bi­ta da tu­bu­la­ção, en­quan­to a luz sai pe­la tan­gen­te até as es­ta­ções de aná­li­se.

Es­se fei­xe de luz tem vá­ri­as lu­zes den­tro de­le – en­tre elas o raio-x e ul­tra­vi­o­le­ta –, ape­sar de ser mui­tas ve­zes da es­pes­su­ra de um fio de ca­be­lo. Ca­da ti­po de luz po­de ser usa­do pa­ra uma pes­qui­sa di­fe- ren­te. De­pen­de da ne­ces­si­da­de de uso do pes­qui­sa­dor.

A luz pas­sa pe­lo ma­te­ri­al a ser ana­li­sa­do e re­ve­la as in­for­ma­ções, ou por meio de ví­de­os, ima­gens, ou por grá­fi­cos – tam­bém va­ri­an­do de acor­do com o re­sul­ta­do es­pe­ra­do.

No lo­cal, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de até 40 es­ta­ções de aná­li­se. Po­rém, ini­ci­al­men­te, seis es­ta­rão pron­tas pa­ra a inau­gu­ra­ção.

Pa­ra che­gar a es­se fei­xe de luz são ne­ces­sá­ri­os três ace­le­ra­do­res. Des­tes, dois já es­tão pron­tos e ins­ta­la­dos.

Res­ta ape­nas ter­mi­nar a ins­ta­la­ção do ter­cei­ro. A pre­vi­são é que em de­zem­bro de 2019 o la­bo­ra­tó­rio já ope­re no CNPEM.

Ho­je, ape­nas um la­bo­ra­tó­rio na Sué­cia pos­sui ca­rac­te­rís­ti­cas se­me­lhan­tes. Mas, se­gun­do Antô­nio Jo­sé Ro­que da Silva, di­re­tor do CNPEM, mes­mo as­sim, o Sí­rius é con­si­de­ra­do o mais bri­lhan­te do mun­do. E não é no sen­ti­do fi­gu­ra­do, não. É re­al­men­te o que con­se­gue pro­du­zir a luz com mai­or bri­lho de to­dos os exis­ten­tes ho­je.

| DIVULGAÇÃO

Mai­or e mais com­ple­xa es­tru­tu­ra de pes­qui­sa do país es­tá sen­do cons­truí­da em Cam­pi­nas (SP) e de­ve co­me­çar a fun­ci­o­nar ain­da es­te ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.