pra­zer ou GULA

Aten­ção às sen­sa­ções en­quan­to co­me po­de mu­dar sua re­la­ção com a co­mi­da. Con­fi­ra di­cas pa­ra pra­ti­car o ‘mind­ful ea­ting’ e ter pra­zer sem pre­ci­sar exa­ge­rar na quan­ti­da­de

Metro Brazil (Maringa) - - PLUS -

Vo­cê sa­bia que te­mos vá­ri­os ti­pos de fo­me? De acor­do com o Mind­ful Ea­ting - em li­vre tra­du­ção “co­mer cons­ci­en­te­men­te”, prá­ti­ca que pre­ga mai­or aten­ção na ho­ra das re­fei­ções -, o am­bi­en­te e a si­tu­a­ção em que es­ta­mos tam­bém in­flu­en­ci­am nos­sa for­ma de co­mer. Exis­tem pes­so­as, por exem­plo, que apre­ci­am de­gus­tar a co­mi­da bem de­va­ga­ri­nho, têm pra­zer em co­mer, em cur­tir ca­da pe­da­ço e ca­da sa­bor. Es­sa é a cha­ma­da “fo­me da bo­ca”, que bus­ca sa­bo­res pra­ze­ro­sos pa­ra “ma­tar” seu de­se­jo.

O pa­la­dar po­de va­ri­ar mui­to pa­ra ca­da pes­soa e é agra­dá­vel, neu­tro ou de­sa­gra­dá­vel, de­pen­den­do das tra­di­ções cul­tu­rais, fa­mi­li­a­res, ge­né­ti­cas, há­bi­tos que se for­mam, mo­men­tos que ex­pe­ri­men­tou de­ter­mi­na­da co­mi­da e co­mo es­ta­va se sen­tin­do, ou se es­ta­va do­en­te, por exem­plo.

Te­mos mui­tas in­fluên­ci­as pa­ra de­ter­mi­nar nos­so pa­la­dar e pra­zer em co­mer. Qu­an­do vi­a­ja­mos pa­ra ou­tras re­giões do Bra­sil po­de­mos per­ce­ber co­mo as in­fluên­ci­as são for­tes no pre­pa­ro dos pra­tos e nos há­bi­tos da po­pu­la­ção.

Tem lo­cais que as co­mi­das são mais api­men­ta­das, tem uma va­ri­e­da­de de fru­tos do mar, fru­tas que são mais co­muns em al­gu­mas re­giões, cos­tu­mes com ti­pos e cor­tes de car­ne, do­ces tí­pi­cos etc. Um exem­plo de um fa­tor ge­né­ti­co é a acei­ta­ção do co­en­tro. Na gran­de mai­o­ria exis­te a acei­ta­ção des­sa er­va, mas 10% da po­pu­la­ção de­tes­ta, e is­so po­de ser por um tra­ço he­re­di­tá­rio. É in­te­res­san­te pen­sar que tan­tas coi­sas po­dem in­flu­en­ci­ar o que gos­ta­mos ou não de co­mer e co­mo va­mos cri­an­do nos­sos há­bi­tos pes­so­ais.

O pa­la­dar po­de va­ri­ar ao lon­go de nos­sa vi­da e tam­bém po­de­mos al­te­rar pa­drões, in­cluin­do no­vos sa­bo­res, ti­pos de co­mi­das, nos per­mi­tin­do ex­pe­ri­men­tar coi­sas no­vas. Qu­an­do cres­ce­mos, po­de­mos re­cor­dar há­bi­tos que tí­nha­mos na in­fân­cia e fo­ram al­te­ra­dos. De al­gu­ma for­ma exis­tia uma me­mó­ria sobre um ali­men­to e, pro­van­do de uma no­va for­ma, po­de-se des­co­brir que gos­ta da­que­la co­mi­da.

Pa­re um mo­men­to e re­lem­bre se tem al­gu­ma co­mi­da que não gos­ta­va e mu­dou. O que lhe fez mu­dar? PA­LA­DAR QUE MU­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.