O ABAN­DO­NO DO LA­GO DO PARCÃO

Ani­mais que vi­vem em um dos prin­ci­pais par­ques da ca­pi­tal so­frem com águas que pre­ci­sam de re­mo­ção de se­di­men­tos

Metro Brazil (Porto Alegre) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Um dos car­tões-pos­tais de Porto Alegre es­tá pre­ci­san­do de cui­da­dos. A água do la­go do Parcão es­tá mui­to su­ja e o sim­bó­li­co moi­nho com um as­pec­to de aban­do­no. Ao in­vés de trans­pa­ren­te, o ver­de to­ma con­ta do es­pa­ço on­de vi­vem pa­tos, pei­xes e cá­ga­dos. Mas es­se ce­ná­rio vai mu­dar, já que as em­pre­sas que ado­tam a área se com­pro­me­te­ram a fa­zer uma re­vi­ta­li­za­ção, se­gun­do a Smams (Se­cre­ta­ria de Meio Am­bi­en­te e Sus­ten­ta­bi­li­da­de).

Fre­quen­ta­do­res do par­que, co­mo a do­na Di­le­ta de Sou­za, 93 anos, pre­o­cu­pam-se prin­ci­pal­men­te com a si­tu­a­ção dos ani­mais. “Me pa­re­ce que, pa­ra os bi­chi­nhos, é ruim. Eu acho que ti­nha que co­lo­car um pro­du­to pa­ra lim­par por­que não era as­sim an­tes”, la­men­ta.

De acor­do o se­cre­tá­rio do Meio Am­bi­en­te e Sus­ten­ta­bi­li­da­de, Mau­rí­cio Fer­nan­des, os ani­mais não es­tão ame­a­ça­dos. “A si­tu­a­ção es­tá sob con­tro­le. Nós es­ta­mos mo­ni­to­ran­do o lo­cal por meio da vi­si­ta de ve­te­ri­ná­ri­os e bió­lo­gos”, afir­ma.

No en­tan­to, re­co­nhe­ce é ne­ces­sá­rio fa­zer a ma­nu­ten­ção do la­go e in­for­ma que is­so es­tá sen­do vi­a­bi­li­za­do. “As qua­tro em­pre­sas que ado­tam o Parcão – Hos­pi­tal Moi­nhos de Ven­to, Pan­vel, Mel­nick Even e Zaf­fa­ri – já dis­se­ram que vão pa­gar a con­ta des­sa ma­nu­ten­ção.” A obra es­tá sen­do or­ça­da e ain­da não tem pre­vi­são de cus­tos e nem de iní­cio.

A Smams faz vi­si­tas pe­rió­di­cas pa­ra re­ti­rar o re­sí­duo só­li­do do lo­cal, que às ve­zes é ar­ras­ta­do pa­ra a água pe­la chu­va ou ven­to, de acor­do com uma fun­ci­o­ná­ria do par­que. Mas a co­lo­ra­ção da água exi­ge um pro­ces­so de lim­pe­za mais com­ple­xo.

É ne­ces­sá­rio fa­zer um tra­ba­lho de de­sas­so­re­a­men­to, que é a re­ti­ra­da dos se­di­men­tos que se acu­mu­lam no fun­do do la­go. Mas, pa­ra is­so, é pre­ci­so iso­lar os pei­xes em um can­to do la­go pa­ra fa­zer par­te da lim­pe­za e de­pois fa­zer o con­trá­rio, o que, con­for­me Fer­nan­des, é um tra­ba­lho que exi­ge cui­da­dos de pre­ser­va­ção am­bi­en­tal.

Uma su­ces­são de fa­to­res le­vou o la­go a fi­car no es­ta­do em que se en­con­tra. Um dos mo­ti­vos é a que­da no ní­vel da água e a su­per­po­pu­la­ção de fau­na e flo­ra. No ano pas­sa­do, a se­cre­ta­ria exe­cu­tou um tra­ba­lho de re­ti­ra­da de pa­pi­ros, uma plan­ta exó­ti­ca que se alas­trou no la­go e pre­ju­di­cou a har­mo­nia do ecos­sis­te­ma da re­gião.

Sím­bo­lo

O moi­nho, que fi­ca no cen­tro do la­go, tam­bém se­rá con­tem­pla­do na re­vi­ta­li­za­ção. Há in­fil­tra­ções na es­tru­tu­ra, o que in­vi­a­bi­li­zou a con­ti­nui­da­de do fun­ci­o­na­men­to da Bi­bli­o­te­ca In­fan­til Ma­ria Di­no­rah den­tro do pré­dio.

De­vi­do a es­se pro­ble­ma, o lo­cal es­tá fe­cha­do há mais de três anos. Além da obra es­tru­tu­ral, o moi­nho tam­bém pre­ci­sa re­ce­ber pas­sar por uma re­for­ma no aca­ba­men­to, pois es­tá com as­pec­to de aban­do­no e com a pin­tu­ra des­gas­ta­da.

A in­ten­ção pós-re­for­ma, é que a bi­bli­o­te­ca vol­te pa­ra o es­pa­ço. Mas o se­cre­tá­rio Fer­nan­des con­fes­sa que a pre­fei­tu­ra es­tá aber­ta a ou­tras pro­pos­tas de apro­vei­ta­men­to do lo­cal.

JOÃO MATTOS/ES­PE­CI­AL

Ape­sar dos pro­ble­mas, pre­fei­tu­ra garante que não há ris­co a pa­tos, pei­xes e cá­ga­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.