DR. VÃN FÉJ

O ín­dio Mau­ro Ver­guei­ro se for­ma em me­di­ci­na no pró­xi­mo dia 14, na UFRGS

Metro Brazil (Porto Alegre) - - PRIMEIRA PÁGINA - AN­DRÉ MAGS

Ao ga­nhar seu no­me na lín­gua cain­gan­gue quan­do mo­ra­va em No­no­ai, no nor­te gaú­cho, Vãn Féj (o “j” tem som de “i”) ain­da nem po­dia re­la­ci­o­ná-lo ao seu fu­tu­ro. A de­no­mi­na­ção in­dí­ge­na sig­ni­fi­ca “fo­lha de ta­qua­ra”, que, na cul­tu­ra cain­gan­gue, é uma plan­ta com pro­pri­e­da­des me­di­ci­nais. Ago­ra com 29 anos, Mau­ro Ver­guei­ro, seu no­me ofi­ci­al, se tor­na­rá no dia 14 o se­gun­do in­dí­ge­na – e o pri­mei­ro ín­dio ho­mem – for­ma­do em me­di­ci­na na UFRGS.

O even­to de­ve­rá reu­nir a fa­mí­lia e mui­tos ami­gos de Ver­guei­ro, que vi­rão em pe­so de ôni­bus pa­ra a ce­rimô­nia. Os pais pro­me­tem ir de co­car. De­pois da en­tre­ga do ca­nu­do, o gru­po pre­ten­de fa­zer uma fes­ta tí­pi­ca no Mor­ro do Os­so, em Por­to Ale­gre. Tu­do pa­ra mar­car na his­tó­ria da uni­ver­si­da­de o no­me do dé­ci­mo alu­no a se for­mar na gra­du­a­ção pe­las co­tas in­dí­ge­nas.

Mas nem se o des­ti­no es­ti­ves­se tra­ça­do Ver­guei­ro acha­ria o per­cur­so fá­cil. Quan­do in­gres­sou na UFRGS, em 2009, a re­cep­ção foi trau­má­ti­ca. No meio dos de­mais ca­lou­ros, ou­viu de um pro­fes­sor que as co­tas di­mi­nui­ri­am a qua­li­da­de da uni­ver­si­da­de. Ou­tros incô­mo­dos se agre­ga­ram: na Ca­sa do Es­tu­dan­te, a pro­mes­sa era de ocu­par um

quar­to com mais uma pes­soa, mas aca­bou en­con­tran­do uma du­pla. Por fim, a bol­sa que re­ce­bia atra­sou três meses e os pais ti­ve­ram de en­vi­ar di­nhei­ro pa­ra ele se man­ter. Tran­cou o cur­so e vol­tou ao nor­te gaú­cho.

Ver­guei­ro ain­da ten­tou vol­tar en­tre 2009 e 2010, mas te­ve pro­ble­mas fa­mi­li­a­res. O re­tor­no de­fi­ni­ti­vo foi im­pul­si­o­na­do pe­lo pro­fes­sor Odal­ci Jo­sé Pus­tai, que vi­a­jou até No­no­ai pa­ra re­co­lo­car Ver­guei­ro no ca­mi­nho do di­plo­ma.

Mais ma­du­ro, o cain­gan­gue re­to­mou os es­tu­dos em 2011. En­con­trou uma re­cep­ção mui­to di­fe­ren­te da­que­la de dois anos an­tes. As co­tas es­ta­vam mais se­di­men­ta­das na cul­tu­ra da ins­ti­tui­ção.

Ao ter­mi­nar o cur­so, Ver­guei­ro de­se­ja en­ve­re­dar pe­la me­di­ci­na de fa­mí­lia, pe­la qu­al se diz apai­xo­na­do. Quer tra­tar de ín­di­os co­mo ele. “O ide­al é in­dí­ge­na tra­tan­do in­dí­ge­na. Os mais ido­sos po­dem fa­lar cain­gan­gue co­mi­go. Os in­dí­ge­nas es­tão con­su­min­do mais pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos, há mais ca­sos de in­far­to, AVC, hi­per­ten­são, di­a­be­tes, obe­si­da­de, que an­tes não ha­via. O de­ver de ca­da in­dí­ge­na que se for­ma é com­ba­ter is­so”, afir­ma.

An­tes do di­plo­ma, Vãn Féj ain­da pen­sa­va, on­tem, nos con­vi­tes dos co­le­gas pa­ra ir a Flo­ri­a­nó­po­lis. Mas ele ten­de a não vi­a­jar a San­ta Ca­ta­ri­na. “Que­rem me en­si­nar a sur­far”, dis­se. O de­ta­lhe é que Ver­guei­ro ain­da não sa­be co­mo é o mar. Se o dia de vi­rar dou­tor já es­tá che­gan­do, es­pe­rar um pou­co pa­ra ver as on­das não vai cus­tar nada.

| JOÃO MATTOS/ES­PE­CI­AL

Aos 29 anos, es­tu­dan­te se­rá o se­gun­do in­dí­ge­na a se for­mar no cur­so na uni­ver­si­da­de fe­de­ral

| JOÃO MATTOS/ES­PE­CI­AL

Alu­no cain­gan­gue fez es­tá­gi­os no Hos­pi­tal de Clí­ni­cas e con­ta que é apai­xo­na­do por me­di­ci­na de fa­mí­lia

| DIVULGAÇÃO

Ver­guei­ro se­rá o se­gun­do in­dí­ge­na a se for­mar no cur­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.