QUEM É ES­SE ARA­NHA?

HE­RÓI GA­NHA NO­VAS VER­SÕES AO PENETRAR NO ‘ARA­NHA­VER­SO’

Metro Brazil (Porto Alegre) - - PRIMEIRA PÁGINA - GREGORY WA­KE­MAN

“Ho­mem-Ara­nha: No Ara­nha­ver­so”, uma das no­vi­da­des des­te fi­nal de se­ma­na nos ci­ne­mas, é di­fe­ren­te de qual­quer ou­tro fil­me já fei­to so­bre o he­rói.

A pro­du­ção não ig­no­ra o fa­to de ter ha­vi­do ou­tros seis lon­gas-me­tra­gens so­bre o per­so­na­gem. O di­fe­ren­ci­al é que se apro­fun­da em seus 56 anos de his­tó­ria nos qua­dri­nhos e in­tro­duz as nu­me­ro­sas fa­ce­tas que ele já ad­qui­riu.

Ape­sar de ha­ver mais de um he­rói em ce­na, o pro­ta­go­nis­ta de “No Ara­nha­ver­so” é Mi­les Mo­ra­les, um jo­vem ne­gro que vi­ve no Bro­o­klyn. Na tra­ma, que ga­nhou o Glo­bo de Ou­ro de me­lhor ani­ma­ção, ele aca­ba de ser mor­di­do por uma ara­nha ra­di­o­a­ti­va e pre­ci­sa evi­tar que o Rei do Cri­me des­trua Pe­ter Par­ker e “ara­nhas” de ou­tras di­men­sões, co­mo a Mu­lher-Ara­nha, o Ho­mem-Ara­nha Noir, Pe­ni Par­ker e o Por­co-Ara­nha.

Os di­re­to­res Bob Per­si­chet­ti, Pe­ter Ram­sey e Rod­ney Roth­man sa­bi­am a gran­de opor­tu­ni­da­de que ti­nham em mãos ao apre­sen­tar a his­tó­ria da ori­gem de Mo­ra­les a um pú­bli­co mais am­plo, mas tam­bém que­ri­am que o fil­me fos­se ca­paz de le­van­tar os te­mas que fo-

“O hip-hop foi um dos pi­la­res de ins­pi­ra­ção pa­ra o fil­me. Es­se é o mun­do no qual vi­ve­mos ho­je, em que idei­as an­ti­gas são re­me­xi­das pa­ra ga­nha­rem uma ca­ra no­va.”

ram fun­da­men­tais pa­ra o per­so­na­gem des­de a sua es­treia. “Pa­ra nós, es­sa era ob­vi­a­men­te a his­tó­ria de Mi­les, e foi mui­to im­por­tan­te com­par­ti­lhá-la. Mas, nes­se pro­ces­so, que­ría­mos apre­sen­tar to­dos os ou­tros he­róis arac­ní­de­os e ti­rar sar­ro de su­as his­tó­ri­as”, diz Ram­sey.

“Eles pen­sa­vam que eram úni­cos, mas to­dos fo­ram mor­di­dos [em uni­ver­sos pa- ra­le­los]. Pa­ra to­dos eles [vi­rar he­rói] se tra­ta­va de su­pe­rar uma per­da, en­con­trar al­go den­tro de­les que não sa­bi­am que ti­nham e fa­zer fren­te a um de­sa­fio. Es­sa é a par­te que con­ti­nua a mes­ma e que per­mi­te que a his­tó­ria se­ja con­ta­da a par­tir de vá­ri­as in­te­ra­ções di­fe­ren­tes”, acres­cen­ta.

Já as ori­gens dos ou­tros per­so­na­gens não são tão apro­fun­da­das. “To­ma­mos co­mo pon­to de par­ti­da o fa­to de que nos­so pú­bli­co co­nhe­ce mui­to bem os de­mais fil­mes. Po­día­mos en­tão ir um pas­so além”, diz Per­si­chet­ti.

Pa­ra unir tan­tas his­tó­ri­as de uma ma­nei­ra bem ela­bo­ra­da (com di­rei­to a uma sau­do­sa par­ti­ci­pa­ção de Stan Lee), os di­re­to­res re­cor­re­ram com frequên­cia a um mes­mo pon­to de re­fe­rên­cia cri­a­ti­vo. “O hip-hop foi um dos pi­la­res de ins­pi­ra­ção pa­ra o nos­so fil­me e a his­tó­ria de Mi­les”, afir­ma Roth­man. “Es­se é o mun­do no qual vi­ve­mos ho­je, em que idei­as an­ti­gas são re­me­xi­das pa­ra ga­nha- rem uma ca­ra no­va, com no­vos sig­ni­fi­ca­dos que se ape­gam ao es­pí­ri­to da ideia ori­gi­nal sen­do eles, ao mes­mo tem­po, tam­bém um tra­ba­lho ori­gi­nal.”

“Acre­di­to que is­so es­tá pre­sen­te em nos­so fil­me. Vo­cê po­de pe­gar al­go fa­mi­li­ar, em­ba­ra­lhar as pe­ças e cri­ar uma no­va ver­são que reins­ta­le os tre­chos mais po­de­ro­sos da his­tó­ria de uma ma­nei­ra no­va e vi­va. Is­so pro­duz fres­cor e um ti­po de ener­gia no­va”, diz Roth­man.

ROD­NEY ROTH­MAN, CODIRETOR DE ‘HO­MEM-ARA­NHA: NO ARA­NHA­VER­SO’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.