JOÃO DERLY

Se­cre­tá­rio de Es­por­te e La­zer do go­ver­no Eduardo Lei­te, ex-ju­do­ca fala sobre os seus pla­nos pa­ra a pas­ta

Metro Brazil (Porto Alegre) - - SPORTE - VALTER JUNIOR

‘O PRI­MEI­RO PRO­JE­TO É ARRUMAR A CA­SA’

Ex­tin­ta du­ran­te o go­ver­no de Jo­sé Ivo Sar­to­ri, a Se­cre­ta­ria do Es­por­te res­sur­giu com o go­ver­na­dor Eduardo Lei­te. À fren­te da pas­ta es­ta­rá o ex-ju­do­ca João Derly (Re­de). O no­vo se­cre­tá­rio fa­lou ao Metro sobre su­as pro­pos­tas pa­ra o es­por­te gaú­cho. An­tes de tu­do, se­gun­do ele, se­rá pre­ci­so co­lo­car a ca­sa em or­dem.

Co­mo é ini­ci­ar uma se­cre­ta­ria qua­se do ze­ro?

Pa­ra ini­ci­ar, é bom lem­brar a ati­tu­de do go­ver­na­dor de res­ga­tar o es­por­te. Não é uma ques­tão de abrir uma se­cre­ta­ria, mas há o sen­ti­men­to de que o es­por­te es­tá sen­do vis­to e es­tá in­ter­li­ga­do com vá­ri­as pas­tas. Tal­vez se­ja a pas­ta que mais di­a­lo­ga com as ou­tras. É sim­bó­li­ca es­sa ação do go­ver­na­dor. Prin­ci­pal­men­te na ques­tão de se­gu­ran­ça pú­bli­ca. É um pon­to ruim do nos­so es­ta­do. Se não ti­ver a boa prá­ti­ca na pre­ven­ção, não adi­an­ta tra­ba­lhar só na ques­tão pri­si­o­nal e do efe­ti­vo. Cla­ro que é fun­da­men­tal, mas é im­por­tan­te tra­ba­lhar ati­vi­da­des es­por­ti­vas e edu­ca­ci­o­nais que po­dem ge­rar um gran­de efei­to na so­ci­e­da­de. É um de­sa­fio enor­me pe­gar a se­cre­ta­ria do ze­ro, re­or­ga­ni­zar o que era um de­par­ta­men­to na Se­cre­ta­ria da Cul­tu­ra. Per­deu-se mui­to da me­mó­ria tan­to da ex­tin­ção da Fun­dergs (Fun­da­ção de Es­por­te e La­zer do RS) quan­to da se­cre­ta­ria. Es­ta­mos ten­tan­do res­ga­tar is­so. As­sus­tou bas­tan­te o pas­si­vo que tem, tan­to na pres­ta­ção de con­tas do Pró-Es­por­te (pro­gra­ma de in­cen­ti­vo ao es­por­te) e da ex­tin­ção da Fun­dergs.

Tem ideia do ta­ma­nho do pas­si­vo?

Pe­los nú­me­ros que re­ce­bi, o da Fun­dergs é em tor­no de R$ 2 mi­lhões ou um pou­co mais. As pres­ta­ções de con­tas es­tão bem atra­sa­das. Va­mos fa­zer uma for­ça-ta­re­fa pa­ra con­se­guir lim­par is­so.

Co­mo in­ves­tir com o atu­al mo­men­to que vi­ve o RS?

Te­mos que ter a ha­bi­li­da­de de fa­zer par­ce­ri­as. Nos pri­mei­ros seis me­ses, não de­ve acon­te­cer na­da mes­mo, por cau­sa dos pro­ces­sos li­ci­ta­tó­ri­os, que são mo­ro­sos. Pa­ra efe­ti­var os even­tos que o es­ta­do tem obri­ga­to­ri­e­da­de de exe­cu­tar, va­mos lim­par o que fi­cou pa­ra trás pa­ra ir em bus­ca de re­cur­sos. Va­mos tra­ba­lhar mui­to com a lei fe­de­ral, bus­can­do as au­tar­qui­as do es­ta­do pa­ra ter pro­je­tos com ca­pi­ta­ção lo­cal. Nes­te úl­ti­mo ano, ti­ve o pri­vi­lé­gio de po­der en­vi­ar R$ 4,5 mi­lhões de emen­da par­la­men­tar. Vai dar fô­le­go pa­ra es­se pri­mei­ro ano de cor­tes. Não po­de­mos in­char a má­qui­na. Te­mos que ser efi­ci­en­tes e uti­li­zar bem os pe­que­nos re­cur­sos que te­mos. Te­mos que acer­tar na mos­ca.

Pa­ra a exe­cu­ção das ações, qual a im­por­tân­cia de se des­vin­cu­lar da Cul­tu­ra?

Nos pri­mei­ros me­ses, é ajei­tar a ca­sa. Es­sa me­mó­ria da se­cre­ta­ria se per­deu. É ruim por­que mui­ta coi­sa do pas­sa­do pre­ci­sa ser res­ga­ta­da. A ex­tin­ção da Fun­dergs pre­ju­di­cou o de­sen­vol­vi­men­to da se­cre­ta­ria. Quan­do se tem a se­cre­ta­ria se po­de bus­car par­ce­ri­as. O COB (Co­mi­tê Olím­pi­co do Bra­sil) es­tá se de­mons­tran­do par­cei­ro e quer con­ver­sar com o go­ver­na­dor, bus­can­do par­ce­ria pa­ra tra­zer even­tos. Es­te mês, a Fe­de­ra­clu­bes vi­rá ao es­ta­do. Va­mos ou­vir mui­to as su­ges­tões. O es­por­te fi­cou com uma de­man­da re­pri­mi­da por mui­to tem­po. Ele não foi es­cu­ta­do. Nas elei­ções, ti­ve­mos um mo­men­to de con­ver­sa com o Eduardo [Lei­te] por três di­as, con­vi­da­mos pes­so­as e en­ti­da­des, [o lo­cal] lo­tou. Fo­ram mais de 120 pes­so­as e te­ve gen­te que não con­se­guiu en­trar. É a ân­sia do seg­men­to de fa­lar. Foi mui­to tem­po sem ter voz. Te­mos que ten­tar so­lu­ções a lon­go pra­zo.

Qual se­rá o fo­co ini­ci­al?

Te­mos que ter o es­por­te por in­tei­ro, pa­ra­lím­pi­co, de ba­se, de ren­di­men­to e al­to ren­di­men­to e de la­zer. Te­mos al- guns pon­tos im­por­tan­tes. Pri­mei­ro é aca­bar com o pas­si­vo. Se­gun­do, fa­zer os even­tos que o es­ta­do tem a mis­são de fa­zer e aca­bou não exe­cu­tan­do no ano pas­sa­do, co­mo o Gau­chão de Vár­zea e o Jirgs (Jo­gos In­ter­mu­ni­ci­pais do RS). Qu­e­re­mos exe­cu­tar is­so no se­gun­do se­mes­tre.

O Pró-Es­por­te pa­rou de re­pas­sar ver­bas. Em que si­tu­a­ção es­tá?

Ele es­tá di­gi­ta­li­za­do, o que fa­ci­li­ta um pou­co pa­ra que as en­ti­da­des pos­sam se ins­cre­ver e par­ti­ci­par do pro­gra­ma. Es­ta­mos pen­san­do em di­vi­di-lo em edi­tais, pa­re­ci­do co­mo o Co­mi­tê Bra­si­lei­ro de Clu­bes faz. Va­mos ten­tar di­vi­dir em edi­tais pa­ra fa­ci­li­tar a pres­ta­ção de con­tas. Ide­al é pre­pa­rar edi­tais em ou­tu­bro pa­ra fa­ci­li­tar os do ano se­guin­te. Co­mo es­ta­mos atra­sa­dos, qu­e­re­mos li­be­rar até o se­gun­do se­mes­tre des­te ano. Não po­de­mos tra­var. Fi­cou tra­va­do por um bom tem­po. O Pró-Es­por­te tem um fun­do que des­de 2012 não vi­nha sen­do uti­li­za­do. Ano pas­sa­do foi uti­li­za­do R$ 500 mil. Te­ve sa­ques do go­ver­no, qua­se ze­ran­do a con­ta.

Faz tem­po que o RS não re­ce­be even­tos, fo­ra fu­te­bol. O que se po­de fa­zer?

A pre­o­cu­pa­ção é que não te­mos gi­ná­si­os. Te­mos opor­tu­ni­da­des de tra­zer gran­des even­tos, pois têm re­tor­no. Os Jo­gos Uni­ver­si­tá­ri­os Bra­si­lei­ros dei­xam na ci­da­de se­de R$ 5 mi­lhões. Mo­ve to­da a eco­no­mia. É bom ter even­tos. Te­mos a opor­tu­ni­da­de de tra­zer even­tos mai­o­res. Mas não te­mos gi­ná­si­os que aten­dam às de­man­das mí­ni­mas. Nos­sos gi­ná­si­os são o Te­sou­ri­nha e o Gi­gan­ti­nho, que não aten­dem de­man­das mí­ni­mas.

Do teu pon­to de vis­ta, quem é res­pon­sá­vel pe­la for­ma­ção do atle­ta?

Não te­mos de­fi­ni­do ne­nhum sis­te­ma e um pla­no na­ci­o­nal. Va­mos re­to­mar as con­fe­rên­ci­as do es­por­te no es­ta­do e for­çar as na­ci­o­nais. Quan­do fui de­pu­ta­do, apre­sen­tei um an­te­pro­je­to ao mi­nis­té­rio de um pla­no na­ci­o­nal pa­ra dis­tri­buir me­lhor as atri­bui­ções de es­ta­do, mu­ni­cí­pio e União. Nos­so sis­te­ma ain­da é mui­to vol­ta­do a clu­bes. Te­mos um pou­co de uni­ver­si­da­des, mas quem co­lo­ca o mai­or nú­me­ro de atle­tas nos Jo­gos Olím­pi­cos e mun­di­ais são os clu­bes. Às ve­zes, [o atle­ta] tem iní­cio no pró­prio clu­be, às ve­zes na es­co­la. Ca­da um tem que dar sua con- tri­bui­ção. Não ve­jo pro­ble­ma de o es­por­te es­tar na es­co­la. Quem tem ta­len­to po­de ser di­re­ci­o­na­do pa­ra uma prá­ti­ca mais ori­en­ta­da. Tem que acon­te­cer, não im­por­ta on­de, tem que dar opor­tu­ni­da­des. Se o po­der pú­bli­co ti­ver a opor­tu­ni­da­de de for­ne­cer se­rá um ga­nho gran­de.

É pos­sí­vel fa­zer um bol­sa atle­ta es­ta­du­al?

Não sei se te­re­mos per­nas pa­ra fa­zer is­so nes­ta ges­tão. Num pri­mei­ro mo­men­to é mui­to di­fí­cil. Se­ria uma boa ideia. É a úni­ca fon­te de ren­da pa­ra mui­tos atle­tas. Não apro­vei­tei is­so. Eu da­va au­la de judô pa­ra me man­ter.

Qual mo­de­lo de ges­tão es­por­ti­va que tu gos­ta­ri­as de se­guir?

Te­mos mui­tos bons mo­de­los. É pre­ci­so ver o que se ade­qua me­lhor. A Chi­na tem um mo­de­lo mui­to le­gal. Tem ini­ci­a­ção na es­co­la. Se foi de­tec­ta­do um ta­len­to, a cri­an­ça é di­re­ci­o­na­da pa­ra uma es­co­la com téc­ni­cos da mo­da­li­da­de. Se são atle­tas de me­di­a­no pa­ra bom [ní­vel], vão pa­ra a Uni­ver­si­da­de do Es­por­te, on­de es­tão os prin­ci­pais no­mes do es­por­te da Chi­na. Dá pa­ra ci­tar o sis­te­ma dos EUA, mas não sei se cai­ria bem aqui. Tem o do Ca­na­dá, que é pa­re­ci­do com o nos­so. Tra­ba­lha não só o al­to ren­di­men­to, mas o es­por­te pa­ra to­da a vi­da. Fa­zen­do com que se mas­si­fi­que a ati­vi­da­de fí­si­ca, não fi­que vol­ta­do só aos re­sul­ta­dos. Pa­ra que to­dos fa­çam al­gum es­por­te e quem ti­ver ta­len­to se­gue o seu ca­mi­nho.

Qual o pri­mei­ro pro­je­to que gos­ta­ri­as de pôr em prá­ti­ca?

O pri­mei­ro pro­je­to é arrumar a ca­sa. Es­sa é a gran­de mis­são. Ou­vir bas­tan­te pa­ra de­pois co­lo­car na rua mui­tas ações. Que o po­vo gaú­cho pos­sa re­ce­ber um alen­to.

O que a ex­pe­ri­ên­cia co­mo atle­ta te traz pa­ra es­se mo­men­to co­mo se­cre­tá­rio?

Aju­da mui­to. Aju­da a gen­te co­mo en­te po­lí­ti­co a de­di­ca­ção, não te­mos me­do de re­pe­ti­ção. É de­sa­fi­a­dor, des­per­ta a von­ta­de de ven­cer, de fa­zer bo­as coi­sas. Te­nho a ex­pe­ri­ên­cia de ter vi­vi­do as di­fi­cul­da­des que vou es­cu­tar. Te­nho boa re­la­ção com to­dos os seg­men­tos. Te­mos que ins­ti­tu­ci­o­na­li­zar o es­por­te. Te­mos que aca­bar com o eter­no re­co­me­çar.

O que é mais di­fí­cil: ser cam­peão mun­di­al ou se­cre­tá­rio de Es­por­te?

Os dois têm su­as di­fi­cul­da­des. Ser cam­peão do mun­do são pou­cos. Fui o sé­ti­mo no mun­do a ser bi­cam­peão do mun­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.