SEMCULPA nem VER­GO­NHA

Jo­vens, a exem­plo dos pais, ig­no­ram a ne­ces­si­da­de de ir ao uro­lo­gis­ta, o que po­de le­var a pro­ble­mas sé­ri­os, in­clu­si­ve de fer­ti­li­da­de

Metro Brazil (Rio) - - SAÚDE E BEM-ESTAR -

Vo­cê já foi ou já le­vou seu fi­lho ao uro­lo­gis­ta es­te ano? Pro­va­vel­men­te, não. Se­gun­do uma pes­qui­sa re­a­li­za­da nos Es­ta­dos Uni­dos (os da­dos são da Na­ti­o­nal Am­bu­la­tory Me­di­cal Ca­re Sur­vey), 14% das vi­si­tas ao gi­ne­co­lo­gis­ta são fei­tas por ga­ro­tas com me­nos de 24 anos de for­ma pre­ven­ti­va. En­tre os ra­pa­zes da mes­ma fai­xa etá­ria, es­se nú­me­ro não pas­sa de 4%.

Pa­ra o mé­di­co Da­ni­el Zyl­bersz­tejn, co­or­de­na­dor da Cam­pa­nha de Cons­ci­en­ti­za­ção da Saú­de do Ado­les­cen­te Mas­cu­li­no da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Uro­lo­gia, os jo­vens não vão ao mé­di­co por uma “vi­são ma­chis­ta”. Se­gun­do ele, “nós nos pre­o­cu­pa­mos mui­to com a saú­de de nos­sas me­ni­nas, e elas vão ao gi­ne­co­lo­gis­ta des­de os 12, 14 anos”, e acres­cen­ta “o ho­mem não tem no pró­prio pai o exem­plo de ir ao mé­di­co. Nos­so ob­je­ti­vo é mu­dar es­sa cul­tu­ra.”

“É im­por­tan­te que o jo­vem te­nha uma re­la­ção de con­fi­an­ça com seu mé­di­co, que tra­te, in­clu­si­ve, de as­pec­tos psi­co­ló­gi­cos, pois a re­la­ção mé­di­co-pa­ci­en­te per­mi­te es­se ti­po de acon­se­lha­men­to.”

PEXELS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.