A ar­te pop de Basquiat

Re­tros­pec­ti­va che­ga ao Rio reu­nin­do mais de 80 obras do múl­ti­plo ar­tis­ta, in­cluin­do uma pin­tu­ra iné­di­ta

Metro Brazil (Rio) - - CULTURA - AMAN­DA QU­EI­RÓS

Pa­ra o cu­ra­dor Pi­e­ter Tjab­bes, faz to­do sen­ti­do apre­sen­tar Je­an-Mi­chel Basquiat (19601988) ao pú­bli­co ca­ri­o­ca, pe­la pri­mei­ra vez, nos di­as de ho­je. De­pois de co­me­çar em São Pau­lo e pas­sar por Bra­sí­lia e Be­lo Ho­ri­zon­te, a ex­po­si­ção de­sem­bar­ca no Cen­tro Cultural Ban­co do Bra­sil ama­nhã.

“Ele pin­ta­va, de­se­nha­va e es­cre­via sem pa­rar. Ele es­ta­va co­nec­ta­do com tu­do as­sim co­mo nós es­ta­mos ho­je, sen­do bom­bar­de­a­dos por frag­men­tos de in­for­ma­ção”, afir­ma o cu­ra­dor. As cer­ca de 80 obras que com­põem a mos­tra re­ve­lam exa­ta­men­te es­sa men­te in­qui­e­ta de Basquiat. Aqui, a mos­tra traz uma te­la iné­di­ta: “Co­e­lho Ver­me­lho” (1982).

O ar­tis­ta se re­ve­lou ar­tis­ti­ca­men­te nos mu­ros de No­va York nos anos 1980, nos quais es­cre­via fra­ses as­si­na­das co­mo “SAMO”, abre­vi­a­ção de “sa­me old shit” (al­go co­mo ‘mes­ma mer­da de an­tes’). Es­se de­se­jo de ex­pres­são mui­to ime­di­a­ta, em­ba­la­do pe­la as­cen­são do gra­fi­te, se re­ve­la em su­as pri­mei­ras obras, cri­a­das so­bre ma­te­ri­ais que ele en­con­tra­va pe­la fren­te, co­mo por­tas e tá­bu­as de ma­dei­ra. Basquiat ex­pres­sa­va ali as ques­tões que o ron­da­vam, co- mo as for­mas da lin­gua­gem es­cri­ta, o des­pe­da­ça­men­to do cor­po e a ques­tão ra­ci­al nos Es­ta­dos Uni­dos, ain­da mais du­ra na­que­les tem­pos.

“Ele es­tam­pou a ca­pa da re­vis­ta do ‘New York Ti­mes’, mas não con­se­guia pe­gar tá­xi de­pois de sair de uma fes­ta por ser ne­gro”, diz o cu­ra­dor.

Tal cal­dei­rão de inspirações fez com que, ape­sar de jo­vem, o ar­tis­ta fos­se abra­ça­do pe­lo já con­sa­gra­do Andy Warhol (1928-1987), com quem cri­ou cer­ca de cem pe- ças – al­gu­mas na mos­tra.

Basquiat mor­reu de over­do­se em 1988, aos 27 anos, in­ter­rom­pen­do uma car­rei­ra cu­jas obras cres­ce­ram ver­ti­gi­no­sa­men­te em im­por­tân­cia aos olhos da ar­te. Em 2017 uma de su­as pe­ças foi ven­di­da por US$ 110,5 mi­lhões.

Es­se as­pec­to es­ta­rá pre­sen­te no tér­reo da ex­po­si­ção, com obras de gra­fi­tei­ros bra­si­lei­ros ins­pi­ra­dos pe­lo ame­ri­ca­no, co­mo Os­ge­me­os.

‘Early Mo­ses’ (Moi­sés Jo­vem’, de 1983

FO­TOS: ALESSANDRO BUZAS/FU­TU­RA PRESS

‘Pro­ces­si­on’ (Pro­cis­são), de 1986

‘He­art At­tack’ (Ata­que do co­ra­ção’, de 1984

‘Brac­co di Fer­ro’, (Bra­ço de Fer­ro), de 1983

‘Flash in Na­po­les’ (Flash em Ná­po­les), de 1983

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.