‘PROPINOLÂNDIA’ DA ALERJ

Ope­ra­ção Fur­na da On­ça pren­de 22 pes­so­as por com­pra e ven­da de vo­tos no Le­gis­la­ti­vo e lo­te­a­men­to de car­gos pú­bli­cos

Metro Brazil (Rio) - - PRIMEIRA PÁGINA - Leia mais na pá­gi­na 04

Men­sa­li­nho de ali­a­dos de Ca­bral. La­va Ja­to do Rio des­man­te­la gru­po do ex-go­ver­na­dor na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va que man­ti­nha es­que­ma de vo­ta­ção e bar­ga­nha de car­gos em tro­ca de pro­pi­na men­sal. Fo­ra os três de­pu­ta­dos pre­sos des­de 2017, ou­tros 7 fo­ram le­va­dos pa­ra Ben­fi­ca em pri­são tem­po­rá­ria. Tam­bém fo­ram pre­sos o se­cre­tá­rio de Go­ver­no de Pe­zão, o ex-pre­si­den­te do De­tran e o atu­al, ou­tros 8 as­ses­so­res e um ve­re­a­dor

A cor­rup­ção im­plan­ta­da pe­lo ex-go­ver­na­dor Sér­gio Ca­bral (MDB) cri­ou tam­bém o “men­sa­li­nho”, me­sa­das pa­gas a de­pu­ta­dos es­ta­du­ais ali­a­dos pa­ra que atu­as­sem na Alerj (As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Es­ta­do) de acor­do com os in­te­res­ses da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. O es­que­ma foi re­ve­la­do on­tem com a de­fla­gra­ção da Ope­ra­ção Fur­na da On­ça, des­do­bra­men­to de fa­ses an­te­ri­o­res da La­va Ja­to, que cum­priu os 22 man­da­dos de pri­são.

En­tre os al­vos es­tão 10 de­pu­ta­dos – se­te fo­ram pre­sos on­tem e três já cum­prem pri­são há qua­se um ano, em de­cor­rên­cia da Ope­ra­ção Ca­deia Ve­lha –, o se­cre­tá­rio es­ta­du­al de Go­ver­no, Af­fon­so Mon­ne­rat, o pre­si­den­te do De­tran-RJ, Le­o­nar­do Ja­cob, e seu an­te­ces­sor Vi­ní­cius Fa­rah, e no­ve as­ses­so­res, um de­les ve­re­a­dor do Rio, Da­ni­el Mar­tins (PDT).

A Po­lí­cia Fe­de­ral apon­ta que o es­que­ma de com­pra e ven­da de vo­tos mo­vi­men­tou, no mí­ni­mo, R$ 54,5 mi­lhões du­ran­te o se­gun­do man­da­to de Ca­bral (2011-2014), pe­río­do in­ves­ti­ga­do na ope­ra­ção. Po­rém, há in­dí­ci­os de que a prá­ti­ca co­me­çou no pri­mei­ro man­da­to e pros­se­guiu até mes­mo após a pri­são de Ca­bral, em 2016, e de Jor­ge Pic­ci­a­ni, Pau­lo Me­lo e Ed­son Al­ber­tas­si, to­dos do MDB, em 2017. O “men­sa­li­nho” era pa­go com di­nhei­ro des­vi­a­do de con­tra­tos su­per­fa­tu­ra­dos.

As in­ves­ti­ga­ções re­ve­la­ram ain­da que os de­pu­ta­dos eram be­ne­fi­ci­a­dos com o lo­te­a­men­to de car­gos em di­ver­sos ór­gãos, prin­ci­pal­men­te no De­tran. Car­gos pú­bli­cos e va­gas em em­pre­sas ter­cei­ri­za­das for­ne­ce­do­ras de mão de obra eram re­par­ti­das en­tre os de­pu­ta­dos, que se tor­na­vam do­nos dos pos­tos pa­ra fa­zer su­as in­di­ca­ções. Já Mo­ne­rat, além des­sas in­di­ca­ções, aten­dia às de­man­das dos po­lí­ti­cos. O go­ver­na­dor Luiz Fer­nan­do Pe­zão (MDB) não é in­ves­ti­ga­do.

Os man­da­dos fo­ram ex­pe­di­dos após de­ci­são unâ­ni­me dos cin­co de­sem­bar­ga­do­res da 1ª Se­ção Es­pe­ci­a­li­za­da do TRF2 (Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 2ª Re­gião).

“A Alerj se trans­for­mou nu­ma ver­da­dei­ra ‘propinolândia’, ta­ma­nha a quan­ti­da­de de be­ne­fí­ci­os re­pas­sa­dos a de­pu­ta­dos em tro­ca de apoio.”

CARLOS AGUIAR, PRO­CU­RA­DOR DA RE­PÚ­BLI­CA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.