JOR­GE FUR­TA­DO

Metro Brazil (Rio) - - CULTURA -

O que o le­vou a adap­tar a pe­ça pa­ra o ci­ne­ma?

Eu vi “Ras­ga Co­ra­ção” em 1979, lo­go de­pois de ser li­be­ra­da pe­la cen­su­ra, e fi­quei im­pac­ta­do. Es­ta edi­ção é da­que­la épo­ca [mos­tra o li­vro ma­nu­se­a­do, cheio de ano­ta­ções], li e re­li mui­tas ve­zes. O pro­je­to de adap­ta­ção já exis­tia, mas re­sol­vi le­var adi­an­te com as ma­ni­fes­ta­ções de 2013. Afi­nal, ha­via uma ge­ra­ção nas ru­as pro­tes­tan­do con­tra um go­ver­no de es­quer­da.

Hou­ve mui­tas mu­dan­ças no tex­to ori­gi­nal?

Pra­ti­ca­men­te na­da. Fi­ze­mos atu­a­li­za­ções de fa­las e de re­fe­rên­ci­as, mas as ce­nas são as mes­mas. Só cri­ei uma no­va.

Qual é o gran­de mé­ri­to da pe­ça (e ago­ra do fil­me)?

O Vi­an­ni­nha con­ta uma his­tó­ria com oi­to per­so­na­gens em que to­dos têm ra­zão. Is­so é ge­ni­al. O apar­ta­men­to on­de se pas­sa a tra­ma é um mi­cro­cos­mo do país, ali es­tão reu­ni­das to­das as pre­o­cu­pa­ções da clas­se mé­dia bra­si­lei­ra. Ele fez is­so na co­mé­dia com “A Gran­de Fa­mí­lia”, en­quan­to “Ras­ga Co­ra­ção” tem es­te la­do da tra­gé­dia, da re­fle­xão.

O que vo­cê es­pe­ra do Bra­sil nos pró­xi­mos anos?

Mi­nhas ex­pec­ta­ti­vas são as pi­o­res pos­sí­veis, mas não se­ria in­te­li­gen­te tor­cer pa­ra que o pi­lo­to per­ca o ru­mo do bar­co. De qual­quer for­ma, um es­ta­do au­to­ri­tá­rio não so­bre­vi­ve com li­ber­da­de de ex­pres­são. Pe­lo me­nos, te­mos a im­pren­sa e a ga­ran­tia de sa­ber tu­do o que es­tá acon­te­cen­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.