Di­ver­gên­ci­as mar­cam al­te­ra­ção em zo­ne­a­men­to

Ur­ba­nis­mo. Pre­fei­tu­ra quer mo­di­fi­car lei apro­va­da em 2016 que re­gu­la­men­ta a apli­ca­ção do Pla­no Diretor e pro­je­to aguar­da vo­ta­ção na Câ­ma­ra. Ar­qui­te­tos e ur­ba­nis­tas di­ver­gem quan­to à ne­ces­si­da­de de al­te­ra­ção

Metro Brazil (Sao Paulo) - - Foco -

Tão lo­go as­su­miu o go­ver­no da ci­da­de, o ex-pre­fei­to João Do­ria (PSDB) anun­ci­ou a in­ten­ção de fle­xi­bi­li­zar a lei de zo­ne­a­men­to, tex­to res­pon­sá­vel por re­gu­la­men­tar a apli­ca­ção do PDE (Pla­no Diretor Es­tra­té­gi­co) que, apro­va­do na ad­mi­nis­tra­ção Fer­nan­do Had­dad (PT), em 2014, es­ta­be­le­ce as di­re­tri­zes pa­ra o cres­ci­men­to ur­ba­no de São Paulo.

A lei de zo­ne­a­men­to - ofi­ci­al­men­te cha­ma­da Lei de Par­ce­la­men­to, Uso e Ocu­pa­ção do So­lo - foi san­ci­o­na­da em mar­ço de 2016. Con­si­de­ra­da pe­lo mer­ca­do imobiliário e por al­guns ar­qui­te­tos e ur­ba­nis­tas co­mo con­ser­va­do­ra demais e re­fra­tá­ria à “ci­da­de re­al”, lo­go pas­sou a so­frer pres­são pa­ra se tor­nar mais fle­xí­vel.

Em de­zem­bro de 2017, a pre­fei­tu­ra apre­sen­tou as su­ges­tões de mu­dan­ça na lei e abriu uma con­sul­ta pú­bli­ca so­bre o te­ma. Lon­ge de ser unâ­ni­me, a pro­pos­ta foi bas­tan­te cri­ti­ca­da por gru­pos de ar­qui­te­tos e ur­ba­nis­tas. “To­da le­gis­la­ção po­de de­man- dar uma ca­li­bra­gem, mas a pro­pos­ta es­tá des­fi­gu­ran­do o PDE”, ava­lia Fer­nan­do Tú­lio, pre­si­den­te do IAB (Ins­ti­tu­to dos Ar­qui­te­tos do Bra­sil) de São Paulo. “As mu­dan­ças aten­dem so­men­te aos in­te­res­ses do mer­ca­do, o que vai en­ca­re­cer o cus­to.”

Pa­ra He­loi­sa Pro­en­ça, se­cre­tá­ria de Ur­ba­nis­mo e Li­cen­ci­a­men­to, as dis­cus­são re­ve­lam “po­si­ções ide­o­ló­gi­cas” dos crí­ti­cos. “As pre­mis­sas do PDE es­tão man­ti­das, são só uns pe­que­nos ajus­tes”, afir­ma a ar­qui­te­ta.

Pa­ra He­loi­sa, a fle­xi­bi­li­za­ção é ne­ces­sá­ria por­que “o PDE é, por na­tu­re­za, uma pe­ça con­cei­tu­al e ge­né­ri­ca”. A se­cre­tá­ria diz que­rer equilibrar ofer­ta e de­man­da e fa­zer a ci­da­de re­al ser re­co­nhe­ci­da pe­la le­gis­la­ção. “O objetivo é ba­ra­te­ar o cus­to da uni­da­de ha­bi­ta­ci­o­nal pa­ra o con­su­mi­dor final”. Tú­lio dis­cor­da: “O mer­ca­do já mos­trou que é in­ca­paz de resolver o pro­ble­ma ha­bi­ta­ci­o­nal”.

Ain­da não há da­ta pa­ra a vo­ta­ção da lei. ME­TRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.