Pro­je­to em­pre­ga em SP ví­ti­ma de vi­o­lên­cia em ca­sa

Ini­ci­a­do em agos­to, pro­gra­ma já em­pre­gou 14 mu­lhe­res que não saíam de re­la­ções abu­si­vas por não te­rem co­mo se sus­ten­tar

Metro Brazil (Sao Paulo) - - FOCO -

“A par­tir de ago­ra, que­ro paz e o me­lhor pa­ra mim.” Há dois me­ses, uma opor­tu­ni­da­de trou­xe de vol­ta à Ana (no­me fic­tí­cio), 55 anos, o âni­mo e os pla­nos pa­ra a vi­da.

A rotina, an­tes mar­ca­da pe­la vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, ago­ra se pau­ta pe­la de­di­ca­ção ao tra­ba­lho, que con­quis­tou por in­ter­mé­dio do pro­gra­ma Tem Saí­da, ação con­jun­ta en­tre a Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, De­fen­so­ria Pú­bli­ca, Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Es­ta­do de São Pau­lo, OAB-SP (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil) e ONU Mu­lhe­res.

A ini­ci­a­ti­va, lan­ça­da em agos­to do ano pas­sa­do, vi­sa a dar au­to­no­mia fi­nan­cei­ra e em­pre­gar mu­lhe­res que pas­sam pe­lo pro­ble­ma e, as­sim, te­rem mais con­di­ções de dei­xa­rem a si­tu­a­ção.

“Uma das ra­zões pe­las quais mui­tas mu­lhe­res não sa­em da ca­sa do agres­sor é por se­rem de­pen­den­tes fi­nan­cei­ra­men­te de­le. Quan­do elas sa­bem que têm pos­si­bi­li­da­de de ge­ra­ção de ren­da, en­xer­gam ho­ri­zon­te pa­ra saí­rem des­se ci­clo”, diz a se­cre­tá­ria mu­ni­ci­pal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co, Ali­ne Car­do­so.

Até o iní­cio do mês pas­sa­do, 14 mu­lhe­res ha­vi­am si­do em­pre­ga­das pe­lo pro­gra­ma e fo­ram emi­ti­dos 239 ofí­ci­os pe­lo sis­te­ma ju­di­ciá­rio. São mais de 150 va­gas ofer­ta­das nes­ta pri­mei­ra fa­se do pro­gra­ma, em áre­as do co­mér­cio e de ser­vi­ços.

No ca­so de Ana, a vi­o­lên­cia co­me­çou me­nos de um ano de­pois de se ca­sar, no Rio de Ja­nei­ro. Ao dan­çar com o cu­nha­do na fes­ta de ani­ver­sá­rio de­le, o ma­ri­do a agre­diu. “Ele me deu vá­ri­os em­pur­rões, ain­da na fes­ta. A gen­te não con­se­gue, de ime­di­a­to, as­si­mi­lar tu­do e vai dei­xan­do pas­sar o tem­po.”

Ana que­ria ter­mi­nar a re­la­ção, mas as cir­cuns­tân­ci­as a bar­ra­vam. “Quan­do eu não que­ria ter re­la­ção se­xu­al, ele me es­tu­pra­va. Aca­bei en­gra­vi­dan­do mais du­as ve­zes. Pen­sa­va em uma for­ma de me se­pa­rar, mas não con­se­guia por cau­sa das cri­an­ças.”

Após le­var uma sur­ra em de­zem­bro de 2004, e com os fi­lhos já en­ca­mi­nha­dos, Ana de­ci­diu rom­per o ca­sa­men­to abu­si­vo de 18 anos. Com o fi­lho mi­li­tar sen­do trans­fe­ri­do pa­ra São Pau­lo, ela se mu­dou com ele, po­rém, não con­se­guia um em­pre­go pa­ra se man­ter. Até que sou­be do Tem Saí­da e, des­de ou­tu­bro, atua na área de lim­pe­za de uma em­pre­sa.

Com a opor­tu­ni­da­de, Ana vi­rou uma pá­gi­na da sua vi­da e se­gue aos pró­xi­mos ca­pí­tu­los. “Meu pla­no ago­ra é fa­zer um cur­so de mas­so­te­ra­pia.”

| AN­DRÉ POR­TO/ME­TRO

‘Ana’ (no­me fic­tí­cio) con­se­guiu em­pre­go por meio do pro­gra­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.