BMW X2 vs. Volvo XC40

Dois SUVs pre­mium com­pac­tos mos­tram co­mo car­ros apa­ren­te­men­te iguais po­dem ser mui­to di­fe­ren­tes

Motorshow - - Sumário -

Eles che­ga­ram ao mer­ca­do pra­ti­ca­men­te ao mes­mo tem­po. E cha­mam a aten­ção. Não hou­ve um dia se­quer sem nin­guém vi­rar o pes­co­ço pa­ra iden­ti­fi­car quais eram os car­ros. Es­ta­mos fa­lan­do do Volvo XC40 e do BMW X2, ava­li­a­dos nas ver­sões R-De­sign (R$ 214.950) e sD­ri­ve20i M Sport X (R$ 245.950), res­pec­ti­va­men­te, am­bas to­po de li­nha. Mas ca­da mo­de­lo exi­be um ape­lo di­fe­ren­te, se­guin­do o DNA das mar­cas. O XC40 tem de­se­nho ele­gan­te, com fa­róis com a ca­rac­te­rís­ti­ca li­nha “T” ba­ti­za­da de “Mar­te­lo de Thor”. As lan­ter­nas tra­sei­ras tam­bém são es­ti­li­za­das, mas a ce­re­ja do bo­lo é o te­to em pre­to de sé­rie na ver­são R-De­sign. Já o X2 é mais ou­sa­do, com um to­que de es­por­ti­vo. Ele pos­sui di­an­tei­ra in­vo­ca­da e saí­da du­pla de es­ca­pe. Con­tu­do, o que cha­ma a aten­ção é o lo­go­ti­po na co­lu­na C, uma ho­me­na­gem aos es­por­ti­vos da BMW no pas­sa­do. Vi­su­al­men­te, ele pa­re­ce um hat­ch “bom­ba­do”. Não é SUV nem ten­ta ser cu­pê co­mo o X4 e o X6.

Os dois mo­de­los têm mo­tor 2.0 tur­bo a ga­so­li­na com in­je­ção di­re­ta e sis­te­ma start/stop. O Volvo de­sen­vol­ve 255 cv e 35,7 kgfm a par­tir de 1.800 rpm, en­quan­to o X2 en­tre­ga 192 cv e 28,5 kgfm a 1.350 rpm. Va­le a pe­na ci­tar que o BMW pos­sui um ron­co mais en­cor­pa­do ao dar a par­ti­da. A re­la­ção pe­so/po­tên­cia é de 6,8 kg/cv no XC40 e de 8,3 kg/cv no X2, em­bo­ra es­te se­ja 140 kg mais le­ve. A trans­mis­são é au­to­má­ti­ca de oi­to mar­chas no Volvo e au­to­ma­ti­za­da de se­te com du­pla em­bre­a­gem no BMW. Nem a tra­ção é igual: in­te­gral no pri­mei­ro e di­an­tei­ra no X2.

Na prá­ti­ca, o XC40 é me­lhor em de­sem­pe­nho. Ele é mais pro­gres­si­vo e con­tro­la­do, o que não é ruim. É um car­ro bem “na mão”, ain­da mais com a tra­ção in­te­gral. Po­rém, ao mes­mo tem­po, há mui­tos mé­ri­tos no X2, que é bem pra­ze­ro­so

de gui­ar e en­tre­ga um com­por­ta­men­to mais di­nâ­mi­co. As ace­le­ra­ções são mais in­ten­sas, fru­to do tor­que má­xi­mo dis­po­ní­vel um pou­co an­tes e do tur­bo com du­pla vo­lu­ta, que re­duz bas­tan­te o lag (tem­po pa­ra o tur­bo en­cher). É um hat­ch quan­to à di­ri­gi­bi­li­da­de. In­do a 120 km/h, os dois ro­dam em tor­no das 2.000 rpm, o que re­pre­sen­ta um ní­vel de si­lên­cio in­crí­vel.

No BMW há os mo­dos de con­du­ção Eco Pro, Com­fort e Sport, en­quan­to no Volvo eles são Eco, Com­fort, Dy­na­mic, In­di­vi­du­al e – seu di­fe­ren­ci­al – Off-Ro­ad, me­xen­do tam­bém nos pa­râ­me­tros do con­tro­le de es­ta­bi­li­da­de. To­dos al­te­ram res­pos­tas de di­re­ção, câm­bio, ace­le­ra­ção e sus­pen­são. Aliás, a sus­pen­são é mais con­for­tá­vel no XC40, mais ma­cia, ain­da que so­fra in­ter­fe­rên­cia das ro­das de 20 po­le­ga­das. Ao pas­sar por on­du­la­ções no as­fal­to, o tra­ba­lho é pri­mo­ro­so, mas em bu­ra­cos os ocu­pan­tes sen­tem o im­pac­to. Já no X2 o acer­to é fir­me, pas­san­do um pou­co mais pa­ra a ca­bi­ne as im­per­fei­ções do pi­so. E os pneus run flat só au­men­tam es­sa sen­sa­ção. A es­ta­bi­li­da­de em am­bos é mui­to boa, com pou­ca ro­la­gem da car­ro­ce­ria. Ou­tra van­ta­gem do Volvo é o sis­te­ma de con­du­ção se­mi-autô­no­ma com fre­na­gem au­to­má­ti­ca, aler­ta de mu­dan­ça de fai­xa, pi­lo­to au­to­má­ti­co adap­ta­ti­vo e sis­te­ma que mantém o car­ro na tra­je­tó­ria até 130 km/h.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.