Entre per­das e ga­nhos

A no­va geração do Hon­da Ci­vic Si con­ti­nua sen­do ofe­re­ci­da aqui ape­nas na ver­são cu­pê e tro­ca o gi­ra­dor 2.4 pe­lo 1.5 tur­bo. Nos­sa equi­pe fi­ca di­vi­di­da

Motorshow - - Vale A Pena? - FLAVIO SILVEIRA | EDITOR

Es­se no­vo Ci­vic Si es­tá entre os me­lho­res car­ros que di­ri­gi re­cen­te­men­te, mas eu não o com­pra­ria – e não pe­los mo­ti­vos que ima­gi­na­va. Sou fã das ge­ra­ções an­te­ri­o­res e seus mo­to­res as­pi­ra­dos que su­bi­am lou­ca­men­te de gi­ro até su­pe­rar as 8.000 rpm – ape­sar da “fal­ta de tor­que”. Meu me­do era que ago­ra, com o 1.5 tur­bo, o es­por­ti­vo per­des­se a gra­ça, abris­se mão des­sa em­pol­gan­te ca­rac­te­rís­ti­ca.

E, de cer­to mo­do, sim: mais pe­la his­tó­ria que pe­lo de­sem­pe­nho – ago­ra su­pe­ri­or –, o Ci­vic Si tur­bi­na­do é me­nos di­ver­ti­do. A tur­bi­na tem lag dis­cre­to, mas o mo­tor res­pon­de bem em bai­xa e “em­pur­ra” o es­por­ti­vo com ex­tre­ma con­vic­ção. Os gi­ros so­bem mais len­ta­men­te, po­rém mais efe­ti­va­men­te. Ain­da as­sim, me pe­guei es­ti­can­do mui­to as mar­chas e ven­do o Ci­vic Si cor­tar gi­ros, e meu ba­ra­to, an­tes de tro­cá-las (e que en­ga­tes jus­tos e pre­ci­sos tem a cai­xa ma­nu­al). Por­que uma coi­sa são re­sul­ta­dos, ou­tra são sen­sa­ções. Mes­mo que o Ci­vic tur­bi­na­do an­de mais, a sen­sa­ção dos gi­ros su­bin­do tor­na­vam os as­pi­ra­dos mais em­pol­gan­tes. Sen­ti fal­ta dis­so.

A no­va me­câ­ni­ca, po­rém, tem ou­tras vantagens. Na fal­ta de ga­so­li­na, foi alen­ta­dor es­tar em um es­por­ti­vo que, mes­mo com 208 cv, per­mi­te an­dar “de boa” e fa­zer 11 km/l na ci­da­de e 15 na es­tra­da. Me­lhor que o (já bom) an­ti­go Si.

Tal ver­sa­ti­li­da­de se repete no chas­si. O bo­tão Sport, além de al­te­rar res­pos­tas do ace­le­ra­dor e vo­lan­te, al­te­ra a car­ga dos amor­te­ce­do­res. Entre a “du­re­za” do pri­mei­ro Si Se­dan de 2009 e a ma­ci­ez “qua­se exa­ge­ra­da” (pa­ra um es­por­ti­vo) do Cou­pé de 2014, es­se no­vo con­se­gue en­tre­gar am­bos. Po­de fi­car fir­me pa­ra en­ca­rar cur­vas em ve­lo­ci­da­des ab­sur­das (co­mo a di­re­ção, com re­la­ção va­riá­vel, é pre­ci­sa!) ou ma­cia pa­ra en­fren­tar as­fal­to ruim.

No mais, o pai­nel de ins­tru­men­tos di­gi­tal tem óti­ma lei­tu­ra, a cen­tral mul­ti­mí­dia é per­fei­ta­men­te in­te­gra­da ao An­droid Au­to (com na­ve­ga­ção no clus­ter, al­go ra­ro), a po­si­ção de di­ri­gir é ex­ce­len­te, os re­tro­vi­so­res ga­ran­tem óti­ma vi­si­bi­li­da­de (nem pre­ci­sa­ria da câ­me­ra de pon­to ce­go) e o por­ta-ob­je­tos entre os ban­cos di­an­tei­ros é sim­ples­men­te ge­ni­al. Ah, e os frei­os en­fim são bem di­men­si­o­na­dos.

Se a mu­dan­ça me­câ­ni­ca, ape­sar de não apro­var, su­pe­ra­ria – pois mes­mo não sen­do “gi­ra­dor” o mo­tor é mui­to bom e es­tá com­bi­na­do a um chas­si e a um con­jun­to di­ver­ti­dís­si­mo de gui­ar –, o ver­da­dei­ro mo­ti­vo pa­ra não com­prar es­se Si es­tá na car­ro­ce­ria. Ofe­re­ci­do ape­nas co­mo Cou­pé du­as por­tas, tem vi­su­al lin­do, po­rém mui­to cha­ma­ti­vo pa­ra meu gos­to (“pa­re­ce do Ve­lo­zes e Fu­ri­o­sos”, me dis­se­ram mais de uma vez). E, aci­ma de tu­do, é um car­ro qua­se in­viá­vel pa­ra fi­car co­lo­can­do e ti­ran­do cri­an­ças das ca­dei­ri­nhas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.