On­de eu as­si­no?

O Vol­vo XC40 T4 de­sa­fia o trio pre­mium alemão. O pre­ço é de SUV mé­dio ge­ne­ra­lis­ta e fal­tam mi­mos, mas ca­bi­ne e ro­dar con­quis­ta­ram nos­so edi­tor

Motorshow - - Vale A Pena? - FLAVIO SILVEIRA

Não li­go pa­ra sta­tus, não cur­to os­ten­ta­ção, não va­lo­ri­zo pro­du­tos só pe­la mar­ca. Nun­ca me atraí­ram Mer­ce­des GLA, BMW X1 e Au­di Q3 – até por­que não gos­to tan­to de SUVs as­sim e, pa­ra ter pre­ço, es­ses “po­pu­la­res” pre­mium pe­cam em de­ta­lhes que vão de di­ri­gi­bi­li­da­de (X1) a es­pa­ço (GLA), pas­san­do por aca­ba­men­to ir­re­gu­lar (Q3). Po­rém, des­se Vol­vo XC40, que che­gou pa­ra de­sa­fiá-los, con­fes­so que gos­tei mais.

Co­mo os ri­vais, ele não tem co­lu­na D. Ain­da as­sim, não pa­re­ce um “hat­ch bom­ba­do” co­mo GLA e Q3, tam­pou­co tem um “quê” de mi­ni­van co­mo a mais re­cen­te ge­ra­ção do X1. O de­sign im­po­nen­te, com car­ro­ce­ria bas­tan­te al­ta e ori­gi­nal, o co­lo­cam mais pró­xi­mo de um SUV de ver­da­de – mas, fe­liz­men­te, não ao vo­lan­te.

A po­si­ção de gui­ar não é tão ele­va­da, mas já dá a sen­sa­ção de su­pe­ri­o­ri­da­de de­se­ja­da (não por mim). O 2.0 é me­nos po­ten­te que nas ver­sões­mais ca­ras an­tes (190 cv con­tra 252), mas já tem mais de 30 kgfm de tor­que e “pu­xa” bem o SUV, que não é tão le­ve tal­vez pe­la “ob­ses­são” da mar­ca por se­gu­ran­ça – tam­bém pre­sen­te no pa­co­te de equi­pa­men­tos, que sa­cri­fi­ca câ­me­ra de ré e ar bi­zo­ne, mas não de­tec­ção de pe­des­tres e veí­cu­los com fre­na­gem autô­no­ma, fa­róis full-LED e au­xí­lio de ma­nu­ten­ção em fai­xa.

Sen­ti fal­ta das ale­tas pa­ra tro­cas de mar­cha, que só po­dem ser fei­tas mo­vi­men­tan­do pa­ra trás e de­pois pa­ra os la­dos a pe­que­na ala­van­ca – que li­be­ra es­pa­ço pa­ra tra­lhas no con­so­le. Mas nor­mal­men­te não é pre­ci­so re­cor­rer a is­so, pois o câm­bio é de­ci­di­do e tem atu­a­ção su­a­ve. O con­su­mo não é bai­xo, mas até que é bom con­si­de­ran­do o por­te do SUV – fiz 7 km/l na ci­da­de e 13,5 na es­tra­da no mo­do Eco, que faz a “ban­gue­la” au­to­má­ti­ca en­tre 55 e 130 km/h.

Após uma se­ma­na de XC40, o que mais mar­cou foi sua di­ri­gi­bi­li­da­de cor­re­tís­si­ma – das res­pos­tas de vo­lan­te, frei­os e mo­tor ao com­por­ta­men­to das sus­pen­sões, com mo­vi­men­ta­ção fi­na ex­tre­ma­men­te con­for­tá­vel e óti­ma di­nâ­mi­ca, com pouquís­si­ma ro­la­gem da car­ro­ce­ria em cur­vas (on­de lem­bra mais um hat­ch). Na ca­bi­ne, o aca­ba­men­to cle­an me agra­dou, o por­ta-ma­las tem es­pa­ço de so­bra e uma útil di­vi­só­ria, e não fal­tou es­pa­ço no ban­co tra­sei­ro – ape­nas umas saí­das de ar ex­tras.

Já da cen­tral mul­ti­mí­dia não gos­tei: co­mo tu­do apa­re­ce na mes­ma te­la e qua­se tu­do é con­tro­la­do por tou­chs­cre­en, às ve­zes de­mo­ra um pou­co pa­ra se che­gar à fun­ção de­se­ja­da, e é pre­ci­so op­tar pe­lo que se vê (ou ma­pa ou grá­fi­co de con­su­mo, nun­ca os dois jun­tos). Mas is­so não ti­ra o bri­lho des­se XC40, tal­vez o me­lhor SUV ho­je na fai­xa de R$ 170.000. Se eu o com­pra­ria? Bem, on­de eu as­si­no?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.