Kya­la­mi, Áfri­ca do Sul: (9o lu­gar)

Motorshow - - Emerson Fittipaldi -

Nun­ca ga­nhei uma úni­ca cor­ri­da de Fór­mu­la 1 dis­pu­tan­do o Gran­de Prê­mio da Áfri­ca do Sul, em Kya­la­mi, mas che­guei per­to dis­so na tem­po­ra­da de 1972.

Ha­via me clas­si­fi­ca­do pa­ra lar­gar em ter­cei­ro com meu Lo­tus, fi­can­do atrás do Tyr­rell do po­le-po­si­ti­on Jac­kie Stewart e da Ferrari de Clay Re­gaz­zo­ni, que lar­ga­ria na se­gun­da po­si­ção.

An­tes de a cor­ri­da da­que­le dia co­me­çar, até que es­ta­va me sen­tin­do bas­tan­te con­fi­an­te. E es­sa mi­nha con­fi­an­ça to­da só au­men­tou quan­do Clay fez uma lar­ga­da ruim, per­mi­tin­do que eu o ul­tra­pas­sas­se lo­go no iní­cio da pro­va. E me sen­ti mui­to me­lhor ain­da 45 vol­tas de­pois, quan­do a cai­xa de trans­mis­são de Jac­kie aca­bou que­bran­do.

Foi as­sim, até meio “por aca­so”, que aca­bei as­su­min­do a li­de­ran­ça da cor­ri­da. Mas, in­fe­liz­men­te, o McLa­ren de Denny Hul­me es­ta­va an­dan­do mui­to me­lhor que o meu Lo­tus na­que­le dia. Pa­ra pi­o­rar, um pou­co mais pa­ra o fi­nal da cor­ri­da, meu car­ro co­me­çou a apre­sen­tar um sé­rio pro­ble­ma de han­dling (es­ta­va per­den­do o con­tro­le di­re­ci­o­nal), e en­tão não con­se­gui mais man­ter Denny atrás de mim. Ele me ul­tra­pas­sou com cer­ta fa­ci­li­da­de, e as­sim ter­mi­nei a pro­va em se­gun­do lu­gar, atrás da­que­le ve­lho e as­tu­to ne­o­ze­lan­dês.

Gos­ta­va do tra­ça­do do cir­cui­to de Kya­la­mi por­que ele era su­per-rá­pi­do, com uma lon­ga re­ta que co­me­ça­va lo­go de­pois da cur­va Le­eu­kop, des­vi­an­do à di­rei­ta na de­sa­fi­a­do­ra The Kink (no­me bas­tan­te ló­gi­co, já que

“Ter­mi­nei a pro­va em se­gun­do lu­gar, atrás da­que­le ve­lho e as­tu­to ne­o­ze­lan­dês.”

sig­ni­fi­ca “cur­va fe­cha­da” em in­glês), pa­ra de­pois su­bir a co­li­na em di­re­ção à fa­mo­sa cur­va “rá­pi­da” à di­rei­ta Crowthor­ne. As du­as cur­vas que vi­nham de­pois de­la tam­bém eram rá­pi­das e com­pli­ca­das – Bar­be­cue e Juks­kei Swe­ep.

Além do atra­ti­vo do cir­cui­to de Fór­mu­la 1 em si, a ci­da­de de Kya­la­mi sem­pre foi um lu­gar mui­to di­ver­ti­do pa­ra se vi­si­tar – até por­que a mai­or par­te das equi­pes cos­tu­ma­va che­gar lá ain­da uma se­ma­na an­tes, pa­ra tes­tar to­dos os di­as, pre­pa­ran­do-se pa­ra a cor­ri­da. E to­dos fi­cá­va­mos hos­pe­da­dos no Kya­la­mi Ran­ch Hotel, um lu­gar on­de o sol sem­pre bri­lha­va. Na­que­la épo­ca os pi­lo­tos ain­da cos­tu­ma­vam sair pa­ra a “balada” jun­tos à noi­te – e al­guns dos meus ri­vais se me­te­ram em al­gu­mas en­cren­cas bem fei­as, de­vo di­zer!

O McLa­ren de Denny Hul­me an­dou mais que o Lo­tus de Emer­son e aca­bou ven­cen­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.