Se­gre­dos Toyo­ta

A mar­ca pre­pa­ra dois mo­de­los pa­ra pro­var que ain­da sa­be fa­zer bons es­por­ti­vos

Motorshow - - Sumário -

Vo­cê diz “Toyo­ta” e pen­sa em veí­cu­los econô­mi­cos, se­jam a ga­so­li­na ou hí­bri­dos – prin­ci­pal­men­te na Eu­ro­pa, on­de es­ses úl­ti­mos do­mi­na­ram a li­nha da mar­ca, es­tru­tu­ra­da em best-sel­lers glo­bais co­mo Co­rol­la, Prius, RAV4 e Camry. Mas no DNA da Toyo­ta tam­bém se en­con­tra o gene da es­por­ti­vi­da­de, ex­pres­sa­do no pas­sa­do e ho­je em mo­de­los co­mo o AE86, o Ce­li­ca e o GT86: uma his­tó­ria que re-emer­gi­rá em 2019 com a quin­ta ge­ra­ção do Su­pra, e no ano se­guin­te se­rá rei­ma­gi­na­da com um hi­per­car­ro hí­bri­do, de­ri­va­do do GR Su­per Sport Con­cept. O cu­pê foi an­te­ci­pa­do em Ge­ne­bra pe­lo GR Su­pra Ra­cing Con­cept e de­sen­vol­vi­do pe­la Ga­zoo Ra­cing, di­vi­são res­pon­sá­vel pe­lo au­to­mo­bi­lis­mo da ca­sa (WEC, WRC e Da­kar). O que faz ima­gi­nar um fu­tu­ro do mo­de­lo nas com­pe­ti­ções, bem em uma épo­ca em que a mai­o­ria da con­cor­rên­cia, pa­ra con­ter des­pe­sas, aban­do­na as cor­ri­das e o de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­tos de al­to de­sem­pe­nho. En­tão vem a per­gun­ta: por que, em um mun­do que só fa­la de SUVs, ele­tro­mo­bi­li­da­de e di­re­ção autô­no­ma, a Toyo­ta ain­da vai in­ves­tir em cor­ri­das? Ques­tão de DNA, e des­sa vez hu­ma­no. Por­que “as cor­ri­das de car­ros são vi­tais pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da in­dús­tria” e re­pre­sen­tam “uma opor­tu­ni­da­de pa­ra su­pe­rar os li­mi­tes do de­sem­pe­nho ao li­mi­te, per­mi­tin­do (...) avan­çar na tec­no­lo­gia”. Pa­la­vras di­tas em 1952 por Ki­i­chi­ro Toyo­da, fun­da­dor da mar­ca.

Com um avô as­sim, Akio Toyo­da só po­dia ser mes­mo um gran­de en­tu­si­as­ta de car­ros: mui­tas ve­zes usa um ter­no à pro­va de fo­go e ca­pa­ce­te co­mo os fun­ci­o­ná­ri­os da Toyo­ta – mar­ca da qual, aliás, é o pre­si­den­te. Mas, além de um apai­xo­na­do com li­cen­ça pa­ra cor­rer em Nür­bur­gring, Akio tam­bém é “su­per­ge­ren­te” e sa­be usar mui­to bem sua cal­cu­la­do­ra: a sus­ten­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca do pro­je­to Su­pra de­pen­de da par­ti­lha dos cus­tos de de­sen­vol­vi­men­to e pro­du­ção com a BMW, que faz jun­to o seu no­vís­si­mo Z4. E em­bo­ra nos seis anos de co­la­bo­ra­ção en­tre as mar­cas não te­nha fal­ta­do in­te­gra­ção cul­tu­ral e ope­ra­ci­o­nal, es­sa ines­pe­ra­da par­ce­ria ni­po-bá­va­ro foi fi­si­o­ló­gi­ca: as du­as em­pre­sas são pre­si­di­das por “di­nas­ti­as” (a BMW é co­man­da­da pe­la fa­mí­lia Qu­andt), acre­di­tam no pra­zer de di­ri­gir e no sa­gra­do mo­tor com re­cei­ta 6 ci­lin­dros em li­nha, de­sa­pa­re­ci­dos da li­nha Toyo­ta des­de 2002, jun­to com o Su­pra. Mo­tor in­dis­pen­sá­vel pa­ra hon­rar o le­ga­do do mo­de­lo e lhe con­fe­rir cre­di­bi­li­da­de – ago­ra com so­bre­a­li­men­ta­ção. As so­lu­ções de en­ge­nha­ria do spi­der alemão caí­ram co­mo uma lu­va pa­ra o cu­pê ja­po­nês: os dois car­ros com­par­ti­lha­rão pla­ta­for­ma, power­train (in­cluin­do tam­bém o 2.0 de 4 ci­lin­dros da BMW), a con­fi­gu­ra­ção da ca­bi­ne com as­sen­tos “se­cos”, a dis­tri­bui­ção de pe­sos 50:50 e, cla­ro, tra­ção tra­sei­ra.

As di­fe­ren­ças, po­rém, se­rão mar­can­tes: Su­pra e Z4 man­te­rão car­ro­ce­ri­as com ca­rac­te­rís­ti­cas cons­tru­ti­vas dis­tin­tas. O Su­pra se­rá mais ru­de: “Te­rá o do­bro de ri­gi­dez tor­ci­o­nal do GT86 e um cen­tro de gra­vi­da­de ain­da mais bai­xo”, diz Tet­suya Ta­da, en­ge­nhei­ro-che­fe e “pai” dos car­ros. Ou­tro “se­lo de qua­li­da­de” se­rá o lo­go GRMN (Ga­zoo Ra­cing Mas­ters of the Nür­bur­gring), que cer­ti­fi­ca a afi­na­ção por lá. Já o BMW fo­ca­rá em sua iden­ti­da­de de grã-tu­ris­mo e no fas­cí­nio pe­la ca­po­ta de lo­na, que per­mi­ti­rá ao no­vo Z4 per­der al­guns qui­los em re­la­ção à ge­ra­ção atu­al, com te­to rí­gi­do. Além do de­sign ex­ter­no, eles tam­bém se di­fe­ren­ci­a­rão pe­los in­te­ri­o­res. Com­par­ti­lha­rão, po­rém, o câm­bio automático de oi­to mar­chas, que no ja­po­nês de­ve ser a úni­ca op­ção com o 6 ci­lin­dros. Eles se­rão fei­tos na mes­ma li­nha de pro­du­ção, em ter­ri­tó­rio neu­tro: a aus­tría­ca Mag­na Steyr.

E en­fim che­ga­mos ao hi­per­car­ro. Tal­vez o pal­co do Sa­lão de Tó­quio, on­de es­tre­ou em ja­nei­ro pas­sa­do, não te­nha fei­to jus­ti­ça ao GR Su­per Sport Con­cept. Tal­vez até a im­pren­sa te­nha da­do pou­co des­ta­que ao fa­to de o pro­tó­ti­po ti­nha lu­zes e su­por­tes de pla­ca. E pas­sa­ram qua­se des­per­ce­bi­das as pa­la­vras de Shi­ge­ki To­moya­ma, pre­si­den­te da Ga­zoo Ra­cing, que na oca­sião des­ta­cou que o con­cei­to re­pre­sen­ta­va “um no­vo de­sa­fio: pro­du­zir mo­de­los es­por­ti­vos de­ri­va­dos de car­ros de cor­ri­da.” Em ou­tras pa­la­vras, o fu­tu­ro hi­per­car­ro hí­bri­do da mar­ca es­ta­va bem ali, de­bai­xo do na­riz de to­dos, mas qua­se nin­guém ha­via no­ta­do. A no­tí­cia de que o car­ro se­rá pro­du­zi­do, en­tão, pe­gou to­do mun­do de sur­pre­sa. A ver­são fi­nal se­rá de­sen­vol­vi­da pe­la Ga­zoo Ra­cing, tor­nan­do-se a ver­são de rua do TS050 Hy­brid que cor­re no Cam­pe­o­na­to Mun­di­al de En­du­ran­ce (WEC). Qua­se des­ne­ces­sá­rio di­zer que a pro­du­ção se­rá li­mi­ta­da a pou­cas cen­te­nas de exem­pla­res, ven­di­das a ci­fras com seis ze­ros no fim.

1 - SU­PER SPORT - 2020 Me­câ­ni­ca e ae­ro­di­nâ­mi­ca de car­ro de cor­ri­da: em nos­sa pro­je­ção, ins­pi­ra­da no pro­tó­ti­po de mes­mo no­me, o split­ter di­an­tei­ro se li­ga aos apên­di­ces la­te­rais, en­quan­to a asa tra­sei­ra in­cor­po­ra um ge­ne­ro­so ex­tra­tor pa­ra mai­or efei­to-so­lo

O Su­pra ado­ta­rá sus­pen­são do ti­po MacPher­son na di­an­tei­ra e mul­ti-link na tra­sei­ra. O 3.0 tur­bo de ori­gem BMW te­rá po­tên­cia de cer­ca de 340 cv e tor­que de 47 kgfm

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.