VW Virtus Automatic

A ver­são MSI 1.6 as­pi­ra­da ga­nha câm­bio au­to­má­ti­co. Con­fi­ra nos­sa ava­li­a­ção

Motorshow - - Sumário -

Nu­ma épo­ca em que a mai­o­ria dos con­su­mi­do­res das gran­des ci­da­des pre­fe­re car­ros com câm­bio au­to­má­ti­co, de­vi­do ao trân­si­to ca­da vez mais in­ten­so, a Volkswa­gen agiu bem ao lan­çar o Virtus MSI Automatic. O car­ro usa o mes­mo mo­tor 1.6 flex de 110/117 cv (ga­so­li­na/eta­nol) da ver­são ma­nu­al de en­tra­da e cus­ta R$ 5.135 a mais na ta­be­la. Po­rém, pa­ra quem quer um veí­cu­lo au­to­má­ti­co, a com­pa­ra­ção não po­de se res­trin­gir ao si­mi­lar com câm­bio ma­nu­al. No ca­so do Virtus, de­pen­den­do do ní­vel de op­ci­o­nais co­lo­ca­dos, a com­pa­ra­ção de­ve ser fei­ta com a ver­são 200 TSI, que uti­li­za mo­tor tur­bo 1.0, só tem cai­xa au­to­má­ti­ca dis­po­ní­vel e ofe­re­ce me­lhor de­sem­pe­nho.

O de­sem­pe­nho é o pon­to fra­co do Virtus MSI Automatic. O câm­bio é bom. Uti­li­za con­ver­sor de tor­que e não bri­lha co­mo os au­to­ma­ti­za­dos de du­pla em­bre­a­gem da pró­pria Volkswa­gen, mas es­se não es­tá dis­po­ní­vel nem no no­vo Jet­ta, qu­an­to mais no Virtus. O pro­ble­ma é que o mo­tor não é dos mais for­tes e co­bra seu pre­ço no con­su­mo ur­ba­no e, de­pen­den­do do estilo do mo­to­ris­ta, até no con­for­to ro­do­viá­rio. A re­la­ção pe­so/tor­que é de 70 kg/kgfm, um nú­me­ro al­to. As­sim, pa­ra ar­ran­car bem, é pre­ci­so fin­car o pé – e is­so fi­ca ní­ti­do quan­do o Virtus pe­ga uma su­bi­da na es­tra­da. A per­da de ve­lo­ci­da­de é im­pres­si­o­nan­te e as re­to­ma­das são pre­gui­ço­sas. As­sim, é pre­ci­so fa­zer o kick down no ace­le­ra­dor pa­ra ga­nhar po­tên­cia e tor­que, ou en­tão re­du­zir as mar­chas pe­la ala­van­ca do câm­bio au­to­má­ti­co se­quen­ci­al Nes­se car­ro as bor­bo­le­tas fa­zem fal­ta.

Es­pe­ci­al­men­te em es­tra­das de pis­tas sim­ples, quan­do a re­to­ma­da de ve­lo­ci­da­de é im­por­tan­te pa­ra as ul­tra­pas­sa­gens, o Virtus MSI exi­ge mui­tas re­du­ções. Pa­ra evi­tá-las, é pre­ci­so co­lo­car o câm­bio no mo­do S (es­por­ti­vo), mas is­so jo­ga o con­for­to acús­ti­co lá pa­ra bai­xo e tam­bém pre­ju­di­ca a ro­da­gem, pois o mo­tor tra­ba­lha sem­pre gri­tan­do, aci­ma de 3.500 rpm, e as ace­le­ra­ções são mais brus­cas. En­fim, na­da que com­bi­ne com um se­dã fa­mi­li­ar pa­ca­to. Ro­dan­do sem pres­sa, po­rém, as mé­di­as de con­su­mo são in­crí­veis, po­den­do che­gar a 19 km/l nu­ma ro­do­via tran­qui­la. Em nos­sa ava­li­a­ção ele mar­cou bons 15 km/l, qua­se sem­pre an­dan­do rá­pi­do.

Qu­an­to às de­mais ca­rac­te­rís­ti­cas do car­ro, é pre­ci­so con­si­de­rar os equi­pa­men­tos op­ci­o­nais. O Virtus ava­li­a­do es­ta­va equi­pa­do com o pa­co­te In­te­ra­ti­vi­da­de, que in­clui es­pe­lhos elé­tri­cos, ro­das de 15”, sen­sor de es­ta­ci­o­na­men­to e o bom sis­te­ma de som Com­po­si­ti­on Tou­ch com App-con­nect. Tu­do is­so cus­ta R$ 3.355, mas dei­xa o car­ro mui­to me­lhor. Pa­ra ter os es­sen­ci­ais con­tro­les ele­trô­ni­cos de tra­ção/es­ta­bi­li­da­de e blo­queio ele­trô­ni­co do di­fe­ren­ci­al, são mais R$ 1.352. So­me-se a is­so os R$ 1.469 da cor es­pe­ci­al e te­mos um Virtus 1.6 de R$ 72.701. Nes­se ca­so, va­le a pe­na con­si­de­rar o Virtus 200 TSI, com mo­tor 1.0 tur­bo de 116/128 cv, que par­te de R$ 74.680 e já vem com tu­do is­so de sé­rie.

Com um ro­dar con­for­tá­vel, de­vi­do aos pneus de per­fil al­to, e am­plo es­pa­ço tra­sei­ro, o Virtus MSI Automatic é uma boa op­ção so­men­te pa­ra quem pas­sa mui­to tem­po en­gar­ra­fa­do no trân­si­to da ci­da­de. Sem uma boa cur­va de tor­que/ po­tên­cia e tam­pou­co as ale­tas pa­ra as tro­cas de mar­cha sem­pre ne­ces­sá­ri­as, na es­tra­da ele dá a sen­sa­ção de que sua me­ta­mor­fo­se re­sul­tou nu­ma bor­bo­le­ta sem asas.

O pai­nel é mais sim­ples do que o das ver­sões 200 TSI, mas igual ao do Virtus ma­nu­al. A cen­tral mul­ti­mí­dia (à di­rei­ta) é op­ci­o­nal de R$ 3.355

A ala­van­ca do câm­bio au­to­má­ti­co se­quen­ci­al de seis mar­chas é a úni­ca di­fe­ren­ça do Virtus MSI Automatic. Ela pre­ci­sa ser usa­da de for­ma cons­tan­te nas su­bi­das. Por is­so, as bor­bo­le­tas atrás do vo­lan­te fa­zem fal­ta nes­se car­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.