Au­di E-Tron

Tes­ta­mos no De­ser­to da Na­mí­bia o pri­mei­ro car­ro 100% da mar­ca ale­mã

Motorshow - - Sumário -

Ele es­ta­va no Sa­lão de São Pau­lo, mas es­con­di­do na área VIP da Au­di. O pri­mei­ro Au­di 100 % elé­tri­co che­ga ao Bra­sil no ano que vem. Mas sua his­tó­ria co­me­çou an­tes. Ele foi re­ve­la­do em São Fran­cis­co, EUA, imó­vel nu­ma pla­ta­for­ma, co­mo exi­ge o ri­tu­al. De­pois fo­mos pas­sa­gei­ros em um mo­de­lo ca­mu­fla­do nas cur­vas de Pi­kes Pe­ak, des­cen­do ao in­vés de su­bin­do pa­ra des­co­brir se­gre­dos e com­pro­var a efi­cá­cia do sis­te­ma de re­ge­ne­ra­ção. Só ago­ra, en­fim, po­de­mos di­zer co­mo o E-tron, pri­mei­ro Au­di 100% elé­tri­co, re­al­men­te fun­ci­o­na. Foi um ti­po de con­ta­to par­ti­cu­lar, e só pe­lo con­tex­to: a Na­mí­bia e seus de­ser­tos, o co­ra­ção da Áfri­ca, em uma uni­da­de ain­da ca­mu­fla­da, co­mo a do Sa­lão.

Não há du­nas pa­ra atra­ves­sar, no en­tan­to, e pa­ra con­fe­rir se tem mes­mo os 400 km de au­to­no­mia pro­me­ti­dos ha­ve­rá tem­po e opor­tu­ni­da­de. Des­ta vez, os en­ge­nhei­ros ale­mães es­tão con­cen­tra­dos na di­nâ­mi­ca de con­du­ção e, em par­ti­cu­lar, no sis­te­ma de tra­ção in­te­gral – es­se úl­ti­mo, na mar­ca, vai além da área téc­ni­ca pa­ra en­trar em mar­ke­ting e his­tó­ria. O E-tron, pe­la pró­pria na­tu­re­za de sua “em­ba­la­gem” elé­tri­ca, tem uma va­ri­a­ção da tra­ção quat­tro di­fe­ren­te, nun­ca an­tes vis­ta.

O cu­ri­o­so é que não há car­dã ou di­fe­ren­ci­al cen­tral: há ape­nas dois mo­to­res elé­tri­cos ca­pa­zes de atin­gir a po­tên­cia de 300 qui­lowatts – ou 408 ca­va­los. São os úni­cos da­dos ofi­ci­ais no mo­men­to, aos quais são adi­ci­o­na­dos de­ta­lhes, in­for­mais e não ofi­ci­ais, nas con­ver­sas com en­ge­nhei­ros. Fo­ra do mo­do bo­ost, são 270 kW (367 cv), que não são di­vi­di­dos igual­men­te en­tre os ei­xos: são 170 cv na fren­te e 145 atrás. E mes­mo os 30 kW do bo­ost são as­si­mé­tri­cos: 10 kW do mo­tor di­an­tei­ro e 20 do tra­sei­ro. Di­fe­ren­te da si­me­tria do Jaguar I-Pa­ce, por exem­plo, com 400 cv di­vi­di­dos igual­men­te en­tre a fren­te e a tra­sei­ra. A pre­va­lên­cia des­ta úl­ti­ma é pon­to de par­ti­da pa­ra dar per­so­na­li­da­de ao E-tron. De to­do o res­to cui­da a ele­trô­ni­ca, que atua de mo­do di­fe­ren­te do usu­al. As pe­cu­li­a­ri­da­des do es­que­ma des­te Au­di, de fa­to, não o tor­nam uma su­pe­res­tru­tu­ra adi­ci­o­na­da a uma me­câ­ni­ca con­ven­ci­o­nal, mas al­go mai­or.

Tam­bém a tra­ção quat­tro, ban­dei­ra tec­no­ló­gi­ca de In­gols­tadt há qua­se 30 anos, se adap­ta ao mun­do elé­tri­co. O E-tron tem dois mo­to­res, um pa­ra ca­da eixo. O tor­que, a prin­cí­pio, vai prin­ci­pal­men­te pa­ra a tra­sei­ra: a di­an­tei­ra só é ati­va­da quan­do a si­tu­a­ção re­quer. A ve­lo­ci­da­de de in­ter­ven­ção é uma das mai­o­res van­ta­gens des­te no­vo quat­tro: não há em­bre­a­gens a fe­char ou jun­tas a con­tro­lar, ape­nas ele­tri­ci­da­de pa­ra ser for­ne­ci­da aos mo­to­res. As­sim, a trans­fe­rên­cia de tor­que le­va só 30 mi­lis­se­gun­dos. Is­so aju­da mui­to, e não só em ter­mos de ar­ran­ca­da, mas tam­bém por­que per­mi­te, den­tro de cer­tos li­mi­tes, que a tra­ção se­ja per­fei­ta­men­te com­bi­na­da ao ESP (con­tro­le ele­trô­ni­co de es­ta­bi­li­da­de). Con­for­me si­tu­a­ções e con­fi­gu­ra­ções, a dis­tri­bui­ção de tor­que fa­vo­re­ce se­gu­ran­ça ou agi­li­da­de, am­bos im­por­tan­tes. O pri­mei­ro dis­pen­sa apre­sen­ta­ções, o se­gun­do é o que pre­ci­sa tor­nar ágil um car­ro de mais de du­as to­ne­la­das. No E-tron, só a ba­te­ria pe­sa cer­ca de 700 qui­los e, pa­ra mi­ni­mi­zar os efei­tos ne­ga­ti­vos, es­tá sob o pi­so: so­lu­ção que, nos elé­tri­cos, já es­tá con­so­li­da­da.

O E-tron que tes­ta­mos na Áfri­ca es­ta­va ca­mu­fla­do, mas a ver­são de pro­du­ção já te­ve sua apre­sen­ta­ção (es­tá­ti­ca) na Ca­li­fór­nia

Co­mo se vê nos de­se­nhos abai­xo, o tor­que é dis­tri­buí­do de mo­do di­fe­ren­te con­for­me a si­tu­a­ção. No ca­so de um so­bres­ter­ço, por exem­plo, o eixo di­an­tei­ro re­ce­be mais tor­que pa­ra fa­ci­li­tar o con­tro­le. No ca­so de su­bes­ter­ço, por sua vez, o tor­que vai pa­ra as ro­das ex­ter­nas, com le­ve fre­na­gem nas ro­das in­ter­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.