Ve­ja di­cas pa­ra não cair nu­ma fria

Opor­tu­ni­da­de ou con­su­mis­mo: va­le a pe­na com­prar na Black Fri­day?

NOSSODIA - - Primeira Página - (Wal­ki­ria Vi­ei­ra/NOSSODIA)

As pro­mo­ções da Black Fri­day es­tão por to­dos os can­tos. Só se fa­la nis­so. Em­bo­ra a da­ta ofi­ci­al se­ja 23 de novembro, mui­tas em­pre­sas es­ten­de­ram o pe­río­do pro­mo­ci­o­nal por vá­ri­os di­as se­gui­dos, al­gu­mas até pe­lo mês to­do. Além dos atra­ti­vos pu­bli­ci­tá­ri­os, a cam­pa­nha acon­te­ce per­ti­nho do pa­ga­men­to da pri­mei­ra do 13º sa­lá­rio, que ocor­re em 30 de novembro, o que tor­na ain­da mais ten­ta­dor adi­ci­o­nar pro­du­tos no car­ri­nho de com­pras. Mas se­rá que re­al­men­te é van­ta­jo­so com­prar nes­ta pro­mo­ção?

Pa­ra Gui­lher­me Pra­do, em­pre­en­de­dor do por­tal Kon­ke­ro, que tra­ba­lha a com­pa­ra­ção de pro­du­tos fi­nan­cei­ros e fi­nan­ças pes­so­ais, é im­por­tan­te não cair na ten­ta­ção, per­der a ca­be­ça e fa­zer dí­vi­das des­ne­ces­sá­ri­as. “A mai­or pre­o­cu­pa­ção das pes­so­as é se o pro­du­to es­tá re­al­men­te mais ba­ra­to na Black Fri­day, en­tre­tan­to, há ques­tões tão ou mais re­le­van­tes pa­ra o equi­lí­brio fi­nan­cei­ro do que es­sa. Os con­su­mi­do­res, an­tes de com­prar, de­ve­ri­am se ques­ti­o­nar se pre­ci­sam, re­al­men­te, do pro­du­to. Mui­ta gen- te aca­ba pa­gan­do ba­ra­to por pro­du­tos que não pre­ci­sa. Ou, en­tão, a pes­soa tem o so­nho de fa­zer um in­ter­câm­bio fo­ra e aca­ba gas­tan­do o di­nhei­ro que ti­nha jun­ta­do pa­ra com­prar uma te­vê na Black Fri­day”.

Pra­do aler­ta que a fal­ta de pla­ne­ja­men­to fi­nan­cei­ro e a im­pul­si­vi­da­de con­su­mis­ta po­de agra­var o en­di­vi­da­men­to fa­mi­li­ar. “Exis­te a sen­sa­ção de que, se pas­sar a Black Fri­day, a pes­soa perde a ofer­ta. Mas, o pro­du­to é re­le­van­te ou é o que re­al­men­te es­tá bus­can­do? Se for, vá em fren­te. Se não, guar­de o di­nhei­ro pa­ra fa­zer uma re­ser­va fi­nan­cei­ra. A mai­or eco­no­mia que a pes­soa po­de fa­zer é dei­xar de com­prar al­go que não é re­le­van­te”, fi­na­li­za.

É pre­ci­so, ain­da, fi­car aten­to às pe­ga­di­nhas es­con­di­das na Black Fri­day. Co­or­de­na­dor exe­cu­ti­vo do Pro­con Lon­dri­na, Gus­ta­vo Ri­cha aler­ta: “A di­ca mais im­por­tan­te é que con­su­mi­dor pes­qui­se. Mui­tos es­ta­be­le­ci­men­tos ofe­re­cem bons des­con­tos, ou­tros usam de má-fé e so­bem pre­ços di­as an­tes e de­pois abai­xam, o que cons­ti­tui ile­ga­li­da­de pas­sí­vel de re­cla­ma­ção”. As­sim, Ri­cha re­for­ça: pes­qui­se com an­te­ce­dên­cia pa­ra es­tar cer­to de que a opor­tu­ni­da­de é re­al”.

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Nas re­des so­ci­ais e nas ru­as: pro­mo­ções es­tão por to­da par­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.