PO­PU­LA­ÇÃO SE DI­VI­DE SO­BRE UTILIDADE DE VIELAS

En­quan­to al­guns mo­ra­do­res fa­lam de fa­ci­li­da­de, ou­tros ale­gam fal­ta de se­gu­ran­ça

NOSSODIA - - Primeira Página - (Edson Ne­ves/NOSSODIA)

Da­dos da Pre­fei­tu­ra in­di­cam que Lon­dri­na pos­sui 310 vielas, que fi­cam prin­ci­pal­men­te nos bair­ros mais an­ti­gos. O NOSSODIA re­sol­veu gi­rar nos qua­tro can­tos da ci­da­de pa­ra sa­ber se elas aju­dam ou atra­pa­lham a po­pu­la­ção.

Na zo­na les­te, uma de­las co­me­ça na rua Ca­ta­ri­na de Bo­ra e ter­mi­na na Te­re­sa de Ávi­la, no jar­dim Ro­ve­ri. O mi­cro­em­pre­sá­rio Mo­a­cir Pereira dis­se que nun­ca so­freu vi­o­lên­cia, mas que não dá chan­ce ao azar. “Ori­en­to meu fi­lho a dar uma vol­ta no quar­tei­rão e ver quem po­de es­tar na vi­e­la”. O flu­xo fi­ca por con­ta de usuá­ri­os de dro­gas e até mes­mo mo­tos cor­tan­do ca­mi­nho. A ilu­mi­na­ção de­pen­de da boa von­ta­de do pos­te. “Se­não fi­ca uma es­cu­ri­dão da­na­da”, jus­ti­fi­cou. “Po­dia fe­char aqui. Só fi­co pre­o­cu­pa­do com a lim­pe­za. Ten­ta­mos com­prar a vi­e­la, mas não fo­mos bem aten­di­dos e dis­se­ram que não ven­de­ri­am”.

A pro­fes­so­ra apo­sen­ta­da Ja­ne­te Mas­sab­ki, 75 anos, so­be com di­fi­cul­da­des a vi­e­la en­tre as ru­as Ca­pi­tão João Bus­se e Hum­ber­to Nó­bi­le, no jar­dim Ca­li­fór­nia. Re­zan- do o ter­ço, ela la­men­ta o des­ca­so no lo­cal. “Acho im­por­tan­te ter, por­que as ru­as da­qui são lon­gas. Mas is­so aqui es­tá um hor­ror”, apon­tan­do pa­ra a su­jei­ra e o ma­to al­to. “Já não pas­so aqui de noi­te. Até mu­dei o dia de ir na mis­sa”, con­fes­sou.

Na zo­na sul, há vielas bem cui­da­das. En­tre as ru­as Flor do Cam­po e Tre­vo-Bran­co, no Par­que Ou­ro Bran­co, a vi­e­la é in­dis­pen­sá­vel. “Te­mos um pos­ti­nho de saúde e o hos­pi­tal aqui per­to, en­tão o po­vo usa bas­tan­te”, des­ta­cou a do­na de casa Adri­a­na Oli­vi­e­ro. A lim­pe­za, se­gun­do ela, é fei­ta por quem mo­ra ao re­dor. “Tam­bém pe­di­mos o re­ca­pe pa­ra quem usa ca­dei­ra de ro­das. Quem re­cla­ma (da vi­e­la) é por­que não co­lo­ca a mão na mas­sa”, ga­ran­tiu. O fren­tis­ta Vil­son Li­ma con­cor­da com a utilidade do es­pa­ço, mas pe­de se­gu­ran­ça quan­do o sol se põe. “Tem mui­to va­ga­bun­do à noi­te. Já ti­ve fi­lha e ne­ta as­sal­ta­das. Quan­do es­cu­re­ce, vo­cê só pas­sa com se­gu­ran­ça acom­pa­nha­do de ou­tras pes­so­as”.

No São Lourenço, o co­mer­ci­an­te Pau­lo Mi­ca­le diz que a sua “vi­zi­nha” vi­e­la não dá dor de ca­be­ça. “Ja­mais co­gi­ta­ria fe­chá-la”, re­su­miu. O pon­to de ôni­bus em fren- te re­for­ça, se­gun­do ele, a im­por­tân­cia da pas­sa­gem. “En­cur­ta a dis­tân­cia e fa­ci­li­ta pa­ra quem usa o trans­por­te co­le­ti­vo”.

Li­xão mes­mo es­tá uma das vielas en­tre as ru­as Cam­pi­nas e Bau­ru, no jar­dim Ama­ro, zo­na oes­te. Ma­ta­gal e en­tu­lhos do­mi­nam o pe­da­ço. O apo­sen­ta­do Flo­rên­cio Si­mão, de 93 anos, atra­ves­sa­va in­dig­na­do. “Se me pa­ga­rem eu lim­po aqui. É uma coi­sa tão im­por­tan­te, mas pre­ci­sa de aten­ção. Já fui as­sal­ta­do por dois jo­vens com uma fa­ca”, co­men­tou. Cur­to e gros­so, o mo­ra­dor Jo­sé Apa­re­ci­do es­bra­ve­ja com a vi­e­la ao la­do de sua casa. “Por mim man­da­ria fe­char es­sa por­ca­ria. Só ser­ve pa­ra es­con­der va­ga­bun­do pa­ra rou­bar gen­te in­de­fe­sa e acu­mu­lar li­xo”.

Mes­mo com mo­vi­men­to in­ten­so de pes­so­as e veí­cu­los, a do­na de casa Wil­ma Fran­co diz que a vi­e­la no jar­dim Lon­dri­lar, no cen­tro, é se­gu­ra. “Mo­ro há 40 anos aqui e nun­ca ti­ve pro­ble­ma. Tem mui­to men­di­go, mas fi­cam nas es­qui­nas. O que in­co­mo­da é a su­jei­ra. A Pre­fei­tu­ra não vem lim­par”, con­tou.

A vi­e­la no jar­dim Hon­da II, zo­na nor­te, cor­ta qua­tro ru­as. Es­tu­dan­te, Lo­re­na San­tos diz que par­te das fa­mí­li­as pas­sam mui­to tem­po fo­ra de casa. “É fá­cil su­bir pe­la vi­e­la e olhar o que tem nos quin­tais, mas a mai­o­ria usa pa­ra fi­car en­cos­ta­do, be­ben­do e usan­do dro­gas. Se tem al­gu­ma luz qu­ei­ma­da, fi­ca me­lhor pa­ra eles”. Pa­ra a jo­vem, a vi­e­la ser­ve pa­ra a ban­di­da­gem. “Usam co­mo ro­ta de fu­ga”. Tam­bém vi­zi­nha de vi­e­la, a re­cep­ci­o­nis­ta Bru­na San­tos é ou­tra que não vê utilidade. “Te­mos me­do por­que não sa­be­mos quem po­de es­tar ali. E se fi­cam es­pe­ran­do al­guém sair de casa pa­ra as­sal­tar? É uma via ‘mor­ta’, fi­na­li­zou.

Edson Ne­ves

Vi­e­la na rua Ca­ta­ri­na de Bo­ra, zo­na les­te, é uma das 310 ca­das­tra­das pe­la Pre­fei­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.