EX-LIXÕES EM SI­TU­A­ÇÕES DI­FE­REN­TES

Lim­pos e si­na­li­za­dos no iní­cio do mês, fun­do de va­le no Jar­dim Ma­ra­bá es­tá li­vre da su­jei­ra e ter­re­no no Luiz de Sá já foi “po­vo­a­do” de no­vo

NOSSODIA - - Nossobairro - (Ed­son Ne­ves/NOSSODIA)

Que Lon­dri­na pos­sui in­con­tá­veis áreas onde o li­xo é jo­ga­do de forma ir­re­gu­lar, não é no­vi­da­de. Em du­as de­las, no iní­cio do mês, foram ins­ta­la­das pla­cas in­di­can­do que des­car­tar li­xo é proi­bi­do, além de con­tar com o nú­me­ro de te­le­fo­nes dos ór­gãos de fis­ca­li­za­ção.

O NOSSODIA foi até es­ses lu­ga­res tro­car uma ideia com a po­pu­la­ção pa­ra saber se al­gu­ma coi­sa mu­dou. Va­le lem­brar que além da co­lo­ca­ção de pla­cas, a CMTU (Com­pa­nhia Mu­ni­ci­pal de Trân­si­to e Ur­ba­ni­za­ção) deu um ta­len­to e dei­xou a área lim­pi­nha.

Na rua das Amei­xei­ras, no jar­dim Ma­ra­bá, zo­na les­te, o fun­do de va­le exis­ten­te já foi um li­xão a céu aber­to. “É uma no­ve­la”, re­su­miu Vera Lu­cia Maria Car­los, co­or­de­na­do­ra ad­mi­nis­tra­ti­va do Cen­tro Es­pí­ri­ta Ir­mã Scheil­la, que fica em fren­te ao ter­re­no. Se­gun­do ela, a lu­ta por me­lho­ri­as vem acon­te­cen­do nos úl­ti­mos três anos. “Quan­do foi lim­po em 2015, a gen­te bus­cou cons­ci­en­ti­zar a po­pu­la­ção, re­vi­ta­li­za­mos uma par­te e de­pois não con­se­gui­mos apoio pri­va­do pa­ra o res­to. Aí a coi­sa de­san­dou, não con­se­gui­mos fa­zer a ma­nu­ten­ção e co­me­ça­ram a jogar li­xo no­va­men­te”, re­ve­lou Vera.

Só que pa­ra a co­or­de­na­do­ra, o bu­ra­co é bem mais em­bai­xo. “Além da fal­ta de edu­ca­ção am­bi­en­tal, exis­tem pou­cos lo­cais pa­ra o des­car­te de en­tu­lhos e ou­tros ob­je­tos. A pessoa de bai­xa ren­da da­qui não tem di­nhei­ro pa­ra pa­gar fre­te ou um car­ro­cei­ro pa­ra des­car­tar no Jar­dim Ca­li­fór­nia (no PEV - Pon­to de En­tre­ga Vo­lun­tá­ria) e vai jogar no pri­mei­ro fun­do de va­le que en­con­trar. Não adi­an­ta tam­par o sol com a pe­nei­ra. A gen­te pre­ci­sa re­sol­ver onde po­de des­car­tar as coi­sas, mas tam­bém é ne­ces­sá­rio ori­en­ta­ção”, opi­nou.

Di­as de­pois da limpeza, se­gun­do ela no dia 26 de outubro, um so­fá apa­re­ceu jo­ga­do no rai­ar do dia. Vera dis­se en­tão que o mó­vel foi re­ti­ra­do de lá ra­pi­di­nho pa­ra que não abris­se mar­gem pa­ra no­va ba­gun­ça. “Jun­ta­mos di­nhei­ro e pa­ga­mos al­guém pa­ra des­car­tar cor­re­ta­men­te”. E até o mo­men­to, se­gun­do a po­pu­la­ção, nin­guém mais ou­sou fa­zer aque­la su­jei­ri­nha. “Por en­quan­to não jo­ga­ram mais na­da. An­tes a coi­sa ta­va feia, e vi­nham limpar bem de vez em quan­do. Va­mos ver co­mo vai ser da­qui uns di­as”, re­su­miu Seu Sal­va­dor, que é do­no de um bar próximo ao ter­re­no

Já na re­gião nor­te, o lo­cal si­na­li­za­do co­mo proi­bi­do ter li­xo, que fica na rua Fran­cis­co de As­sis Ruiz, na di­vi­sa en­tre os con­jun­tos Luiz de Sá e Aqui­les Stenghel, adi­vi­nhe: con­ti­nua sen­do um dos pon­tos pre­fe­ri­dos de en­tu­lho, ma­te­ri­al re­ci­clá­vel, li­xo de ba­nhei­ro e pe­da­ços de ma­dei­ra e vi­dro “Mes­mo com pla­cas, o pes­so­al não res­pei­ta. An­tes da­va ver­go­nha dis­so aqui, ago­ra me­lho­rou, mas ain­da não cui­dam”, la­men­tou a co­zi­nhei­ra Iva­nil­de Bar­bo­sa Lou­ção. Ela ain­da re­ve­lou que a quan­ti­da­de de li­xo era tão gran­de, que che­ga­va a blo­que­ar um dos sen­ti­dos da rua. “Pas­sa­va do li­mi­te do ter­re­no e fi­ca­va na rua. Ti­nha ve­zes que não pas­sa­vam dois car­ros ao mes­mo tem­po”, de­nun­ci­ou. Um ca­sal que tam­bém pas­sa­va pe­lo lo­cal con­fir­mou a his­tó­ria apre­sen­ta­da por Iva­nil­de.

“Já vi­mos o ôni­bus ter que dar a vol­ta pe­la rua de trás, por­que não ti­nha es­pa­ço pa­ra pas­sar por aqui”, apon­tam. A gen­te mo­ra há 30 anos no mes­mo lu­gar. Desde o co­me­ço foi as­sim. O bra­si­lei­ro tem uma men­te que não dá pa­ra en­ten­der. Sa­be que não po­de (jogar li­xo) e mes­mo as­sim joga. Ago­ra, se não fi­car no pé, vai vol­tar do jei­to que era an­tes”, ga­ran­ti­ram os dois, que não qui­se­ram se iden­ti­fi­car.

Fotos: Ed­son Ne­ves

Es­te lo­cal, no fun­do de va­le do jar­dim Ma­ra­bá, per­ma­ne­ce lim­po ação da CMTU

Já no Luiz de Sá, não deu nem tem­po de co­me­mo­rar a limpeza e já en­che­ram de li­xo de no­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.