ES­PAN­TO

NOSSODIA - - Nossoprograma - POR CLÁU­DIA BERGAMINI

No di­ci­o­ná­rio de la­tim, o ver­bo es­pan­tar tem sua raiz em ex­pa­en­ta­re, re­fe­re-se a es­pan­tar-se, ate­mo­ri­zar-se. No di­ci­o­ná­rio de Lín­gua Por­tu­gue­sa, há a in­di­ca­ção de que o ver­be­te vem do la­tim vul­gar ex­pa­ven­ta­re, igual­men­te sig­ni­fi­ca as­sus­tar-se, ate­mo­ri­zar­se, mas po­de tam­bém ser em­pre­ga­do com a ideia de fas­ci­nar-se, sur­pre­en­der-se, en­cher­se de ad­mi­ra­ção. Que bom que a nos­sa lín­gua é po­lis­sê­mi­ca e as pa­la­vras ex­pan­dem sua de­fi­ni­ção. Aliás, ex­pan­dem, au­men­tam, am­pli­fi­cam, es­pa­lham, alas­tram, ou se­ja, ga­nham vá­ri­os sig­ni­fi­ca­dos. Gos­to de pen­sar na ação de me es­pan­tar com o sen­ti­do po­si­ti­vo em­pre­ga­do na pa­la­vra. Es­pan­to-me com alu­nos que se su­pe­ram e se mos­tram mui­to mais ca­pa­zes do que nós, pro­fes­so­res, ima­gi­ná­va­mos que fos­sem. Es­pan­to-me com a sa­ga­ci­da­de de cri­an­ças pa­ra cap­tar cer­tas iro­ni­as que al­guns adul­tos, se­quer, so­nham o que sig­ni­fi­cam. Es­pan­to-me com a do­çu­ra de al­gu­mas pes­so­as que me mos­tram, dia a dia, que o amor exis­te e a vi­da va­le a pe­na. Eu po­de­ria ain­da enu­me­rar tan­tas e tan­tas si­tu­a­ções em que o es­pan­tar es­tá li­ga­do ao sur­pre­en­der-me. Po­rém, an­do mes­mo pen­san­do nes­sa pa­la­vra em seu sen­ti­do mais ater­ro­ri­za­dor, o de ate­mo­ri­zar. Es­pan­ta-me acor­dar pe­la ma­nhã e ou­vir no no­ti­ciá­rio al­guns no­mes sen­do pos­tos à fren­te do sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal sem que te­nham, de fa­to, um per­cur­so ine­ren­te à jor­na­da es­co­lar, sem que co­nhe­çam a re­a­li­da­de dos mui­tos bra­sis que es­tão den­tro do Bra­sil. Es­pan­ta-me o bra­do de que as es­co­las são lu­ga­res de dou­tri­na­ção pe­ca­mi­no­sa, quan­do, na ver­da­de, os que bra­dam, não co­nhe­cem a re­a­li­da­de de que fa­lam, tam­pou­co tem seus fi­lhos es­tu­dan­do em uma es­co­la pú­bli­ca. Es­pan­ta-me a ino­cên­cia de um po­vo que se jul­ga tão as­tu­to pa­ra dar um jei­ti­nho em to­das as si­tu­a­ções; to­da­via, não tem sa­ga­ci­da­de pa­ra en­ten­der que os tempos são de menor acen­tu­a­men­to das ques­tões de de­si­gual­da­des ra­ci­al e social, as quais de­ve­ri­am es­tar no cen­tro da ce­na, mas são co­ad­ju­van­tes fren­te a um pac­to dos do­nos do po­der pa­ra per­pe­tu­ar uma so­ci­e­da­de cru­el for­ja­da nu­ma pseu­do­li­ber­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.