Proi­bi­ção de ro­jões ge­ra po­lê­mi­ca

Co­mer­ci­an­tes fa­lam de pre­juí­zo, de­fen­so­res de ani­mais pe­dem fis­ca­li­za­ção e clu­be pre­ga cau­te­la

NOSSODIA - - Primeira Página - (Ed­son Ne­ves/ NOSSODIA)

O de­cre­to as­si­na­do pe­la Pre­fei­tu­ra de Lon­dri­na que li­be­ra ape­nas fo­gos de ar­ti­fí­cio lu­mi­no­sos es­tá dan­do o que fa­lar, já que en­vol­ve mui­to mais do que um in­cre­men­to pa­ra as co­me­mo­ra­ções de fi­nal de ano. O de­cre­to nº 1.642, que re­gu­la­men­ta o ar­ti­go 234 do Có­di­go de Pos­tu­ras do Mu­ni­cí­pio de Lon­dri­na, foi as­si­na­do pe­lo pre­fei­to Marcelo Be­li­na­ti (PP) na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra (30) e pas­sa a va­ler já a par­tir da pu­bli­ca­ção no diá­rio ofi­ci­al do mu­ni­cí­pio. Ele proí­be a quei­ma de fo­gos de ar­ti­fí­cio com ba­ru­lho na ci­da­de. Se­rá per­mi­ti­do o uso de ar­te­fa­tos que pro­du­zem ape­nas efei­tos vi­su­ais. A mul­ta se­rá de R$ 500 em ca­so de des­cum­pri­men­to, au­men­tan­do em ca­so de rein­ci­dên­cia.

Pa­ra quem tra­ba­lha com a ven­da dos fo­gos, o sus­to com a proi­bi­ção foi gran­de. “Re­ce­bi a no­tí­cia com mui­ta sur­pre­sa. O pro­ble­ma é que a em­pre­sa não acei­ta a de­vo­lu­ção dos pro­du­tos”, dis­se Odair dos San­tos, que gas­tou R$ 35 mil se pre­pa­ran­do pa­ra as fes­ti­vi­da­des. “A gen­te tra­ba­lha o ano in­tei­ri­nho pa­ra ven­der nes­ta épo­ca. Se ti­ves­sem nos aler­ta­do an­tes, a gen­te nem te­ria com­pra­do. Ago­ra com es­sa proi­bi­ção vou ter que de­mi­tir três fun­ci­o­ná­ri­os”, la­men­tou o co­mer­ci­an­te, do­no do pon­to há 20 anos. Os pre­ços dos ro­jões va­ri­am de R$ 25 a R$ 150. Já os ro­jões si­len­ci­o­sos es­tão na fai­xa de R$ 35. “Tem uma saí­da boa. Mas o car­ro-che­fe são os que tem ba­ru­lho”, con­tou.

“Já não bas­ta a pan­ca­da do IPTU, ago­ra mais es­sa. Não sei o que va­mos fa­zer, por­que já es­tá tu­do com­pra­do”, dis­se Val­dir Ca­mi­lo Ma­tos, que man­tém uma lo­ja no con­jun­to Ou­ro Ver­de, na zo­na nor­te. As­sim co­mo Odair, o co­mer­ci­an­te fi­cou com a pul­ga atrás na ore­lha por cau­sa do pra­zo aper­ta­do. “A gen­te vai ter que aca­tar, né. Mas por que no fi­nal do ano? Cus­ta­va fa­zer is­so no co­me­ço do ano, pa­ra a gen­te não ter que fa­zer com­pras? A vi­ra­da do ano é o pe­río­do que sal­va o nos­so bolso”. O in­ves­ti­men­to fei­to foi de apro­xi­ma­da­men­te R$ 50 mil. “A gen­te sou­be de­pois de fei­to, ago­ra não tem co­mo de­vol­ver, por­que as­si­na­mos con­tra­to na ho­ra da com­pra”, re­ve­lou. Sem op­ções, Ma­tos diz que te­rá que dei­xar os pro­du­tos es­to­ca­dos. “Ou en­tão a gen­te sol­ta tu­do na ca­sa do pre­fei­to”, su­ge­riu, iro­ni­zan­do a si­tu­a­ção.

A fun­da­do­ra da ADA (As­so­ci­a­ção De­fen­so­ra dos Ani­mais), An­ne Mo­ra­es, re­co­nhe­ceu que o de­cre­to é “um gran­de pas­so”, mas fez apon­ta­men­tos. “Vai ter fis­cal à meia noi­te do dia 25 e do dia 31? É al­go bo­ni­to no pa­pel, mas a di­fi­cul­da­de é de co­lo­car em prá­ti­ca”. Pa­ra ela, as fes­ti­vi­da­des são os “pi­o­res di­as de sua vi­da”, jus­ta­men­te pe­lo ba­ru­lho e a di­fi­cul­da­de de con­ter os cer­ca de 930 ani­mais em du­as chá­ca­ras. “Nós pre­ci­sa­mos de al­go que fun­ci­o­ne de ver­da­de. Por en­quan­to, gen­te que mo­ra pró­xi­mo à mi­nha chá­ca­ra es­tá dan­do ri­sa­da, por­que não acre­di­tam que vai ha­ver mes­mo es­sa fis­ca­li­za­ção”, pon­tu­ou.

Ed­son Ne­ves

Co­mer­ci­an­tes já ha­vi­am re­for­ça­do o es­to­que de fo­gos e não gos­ta­ram na­da da proi­bi­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.