La­drão sur­do-mu­do ten­ta rou­bar usan­do ano­ta­ção em pa­pel

Su­jei­to en­cos­tou no cai­xa e en­tre­gou pa­pel on­de anun­ci­a­va o as­sal­to

NOSSODIA - - Primeira Página -

Se vo­cê acha que já viu de tu­do, te­mos que lhe in­for­mar que não. Olha só es­sa. Nes­ta quar­ta-fei­ra (5), um ho­mem que não te­ve a iden­ti­da­de di­vul­ga­da ten­tou as­sal­tar um pos­to de ga­so­li­na na Ave­ni­da Pre­si­den­te Ge­tú­lio Var­gas, na Vi­la Iza­bel, em Curitiba. Até aí tu­do bem, não fos­se por um de­ta­lhe: o su­jei­to é sur­do e mu­do. Sen­do as­sim, ele en­con­trou um jei­to bem cri­a­ti­vo de dar voz de as­sal­to à aten­den­te, um bi­lhe­te es­cri­to à mão.

O ci­da­dão se apro­xi­mou da cai­xa do pos­to e en­tre­gou o bi­lhe­te. “Fi­que qui­e­to, não me­xe. Te­nho uma ar­ma aqui na cin­tu­ra. Pas­sa o di­nhei­ro rá­pi­do, não que­ro mos­trar a ar­ma”, di­zia o tex­to.

A mo­ça não le­vou a sé­rio e cha­mou o ge­ren­te. Com a aju­da dos fren­tis­tas, ele con­se­guiu pren­der o as­sal­tan­te sur­do-mu­do, que não es­ta­va ar­ma­do.

A po­lí­cia, en­tão, foi aci­o­na­da e ao che­gar ao lo­cal, deu voz de pri­são ao me­li­an­te. Ad­vi­nha co­mo foi: cla­ro, com um bi­lhe­te. Na de­le­ga­cia, um in­tér­pre­te de li­bras so­cor­reu os po­li­ci­ais. “Ele dis­se aos po­li­ci­ais que é usuá­rio de dro­gas e que rou­ba­ria pa­ra sus­ten­tar o ví­cio”, dis­se o in­tér­pre­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.