Go­ver­no vai fa­zer pen­te fi­no em 2 mi­lhões de be­ne­fí­ci­os do INSS

Me­di­da pro­vi­só­ria de com­ba­te a frau­des de­ve ser as­si­na­da até dia 14

NOSSODIA - - Bombando - (Agên­cia Bra­sil)

O go­ver­no fe­de­ral vai fa­zer uma au­di­to­ria em 2 mi­lhões de be­ne­fí­ci­os pa­gos pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS) que têm in­dí­ci­os de ir­re­gu­la­ri­da­de. O anún­cio foi fei­to pe­lo se­cre­tá­rio Es­pe­ci­al da Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, após reu­nião, no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, pa­ra tra­tar da me­di­da pro­vi­só­ria de com­ba­te a frau­des no INSS, que de­ve ser edi­ta­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro até se­gun­da-fei­ra (14).

Ma­ri­nho se reu­niu com os mi­nis­tros Onyx Lo­ren­zo­ni (Ca­sa Ci­vil) e Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia) pa­ra ava­li­ar o tex­to da me­di­da pro­vi­só­ria. “Há mais de 2 mi­lhões de be­ne­fí­ci­os que pre­ci­sam ser au­di­ta­dos, por­que têm al­gum in­dí­cio de ili­ci­tu­de. Por is­so, há ne­ces­si­da­de de fa­zer uma es­pé­cie de mu­ti­rão pa­ra ze­rar es­se es­to­que”, dis­se Ma­ri­nho.

Se­gun­do o se­cre­tá­rio, o mu­ti­rão po­de­rá ge­rar “uma eco­no­mia sig­ni­fi­ca­ti­va”, aos co­fres pú­bli­cos. “Há re­la­tó­ri­os de ações an­te­ri­o­res, in­clu­si­ve con­va­li­da­dos pe­lo TCU [Tri­bu­nal de Con­tas da União], que de­mons­tram uma in­ci­dên­cia de 16% a 30% de frau­de nes­se ti­po de be­ne­fí­cio”.

O se­cre­tá­rio dis­se que, até se­gun­da-fei­ra, o pre­si­den­te de­ve as­si­nar a MP. “As­si­nan­do, pas­sa a ser do co­nhe­ci­men­to pú­bli­co e a gen­te vai po­der ex­pli­car em detalhes o que a gen­te pre­ten­de nes­se pro­je­to, que com­ba­te a frau­de, aper­fei­çoa os me­ca­nis­mos de va­li­da­ção de be­ne­fí­cio em to­do o país e aten­de uma pre­o­cu­pa­ção da so­ci­e­da­de co­mo um to­do”.

O tex­to da MP foi sub­me­ti­do à ava­li­a­ção do pre­si­den­te. “Mas en­quan­to ele não as­si­nar, va­mos aguar­dar um pou­co”, dis­se Ma­ri­nho, acres­cen­tan­do que as re­gras da me­di­da pro­vi­só­ria de­vem pro­vo­car uma eco­no­mia na ca­sa de “bi­lhões de re­ais”, sem es­pe­ci­fi­car os va­lo­res.

Con­for­me o se­cre­tá­rio, a MP tam­bém vai tra­zer “se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca” pa­ra o INSS. “Es­ta­mos pre­ven­do al­gu­mas al­te­ra­ções na le­gis­la­ção que vão dar uma se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca ao pró­prio tra­ba­lho do INSS. Ao lon­go dos úl­ti­mos anos, vá­ri­as ações fei­tas pe­lo INSS pa­ra aper­fei­ço­ar o sis­te­ma es­bar­ra­ram na fal­ta de fun­da­men­ta­ção le­gal. Es­sas di­fi­cul­da­des que fo­ram identificadas es­tão sen­do cor­ri­gi­das”.

Após as­si­na­da, a MP te­rá va­li­da­de ime­di­a­ta, mas pre­ci­sa­rá ser apro­va­da pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal pa­ra se trans­for­mar de­fi­ni­ti­va­men­te em lei. O Con­gres­so tem um pra­zo de 60 di­as, po­den­do ser pror­ro­ga­do por mais 60, pa­ra vo­tar o tex­to, apro­van­do-o ou de­ci­din­do pe­la sua re­jei­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.