HIS­TÓ­RI­CO, PA­LÁ­CIO DO FUT­SAL SE­GUE ABAN­DO­NA­DO

Mo­ra­do­res re­la­tam pou­co uso do lo­cal, que tem apa­rên­cia de aban­do­no; ad­mi­nis­tra­ção não co­men­ta so­bre estrutura pre­cá­ria; Pre­fei­tu­ra con­se­gue vi­tó­ria pré­via na Jus­ti­ça e quer re­to­mar o pré­dio

NOSSODIA - - Primeira Página - (Ed­son Ne­ves/NOSSODIA)

A su­jei­ra es­par­ra­ma­da apa­re­ce de tu­do qu­an­to é jei­to: em for­ma de gar­ra­fas, co­pos des­car­tá­veis, ma­ços de ci­gar­ro, pe­da­ços de pa­pe­lão, até em rou­pas, chi­ne­los e ca­mi­si­nhas. A pi­cha­ção aju­da a tor­nar o his­tó­ri­co pré­dio do Pa­lá­cio do Fut­sal, na Vi­la Bra­sil, que já foi pal­co de in­con­tá­veis du­e­los no fu­te­bol de sa­lão, um ce­ná­rio de aban­do­no.

Com a pul­ga atrás da ore­lha, o NOSSODIA ou­viu al­guns mo­ra­do­res pa­ra en­ten­der o que se pas­sa por ali. O pro­ble­ma é que até mes­mo qu­em mo­ra no en­tor­no não sa­be o que es­tá acon­te­cen­do. “Já foi bas­tan­te fre­quen­ta­do. Ho­je é mui­to di­fí­cil ter jo­go. Não tem ilu­mi­na­ção e os mo­ra­do­res de rua se abri­gam aqui”, dis­se a apo­sen­ta­da So­nia Ma­ria da Sil­va Bar­ros, que mo­ra há 68 anos no bair­ro e em uma ca­sa ao la­do do gi­ná­sio, na rua Colôm­bia. “No tem­po do Ed­mil­son era mui­to usa­do, ele cui­da­va di­rei­ti­nho. Ho­je nem sei mais qu­em to­ma con­ta dis­so”, la­men­tou a mo­ra­do­ra, lem­bran­do do an­ti­go do­no do Pa­lá­cio, Ed­mil­son Es­ti­gar­ri­bia, fa­le­ci­do em 2014.

“Pa­re­ce uma coi­sa em vão. Com es­se es­pa­ço, me­re­cia cons­truir um pré­dio”, cri­ti­cou Hélio Sa­fra, tam­bém mo­ra­dor de lon­ga da­ta da Vi­la Bra­sil. “Alu­gam aí, mas é bem de vez em qu­an­do. Ati­vi­da­des uma, du­as ve­zes por se­ma­na. Não tem ilu­mi­na­ção, já vi rou­ba­rem ce­lu­lar de gen­te. An­tes o Ed­mil­son fi­ca­va aqui o dia in­tei­ro e cui­da­va de tu­do”.

O gar­çom Pe­dro Hen­ri­que Sil­va de Sou­za co­men­tou que an­ti­ga­men­te a qua­dra era alu­ga­da de “se­gun­da a do­min­go”. “Ho­je, to­do do­min­go tem jo­go dos adul­tos. Ter­ça e quin­ta é dia da es­co­li­nha. Mas an­tes usa­vam bem mais. Tal­vez pe­lo pre­ço da qua­dra, que su­biu, o pes­so­al te­nha de­sis­ti­do de jo­gar aqui, por­que en­che de men­di­go e po­dem ter fi­ca­do com me­do de se­rem as­sal­ta­dos”, pro­cu­rou ex­pli­car.

“Não te­mos re­gis­tro de ocor­rên­ci­as en­vol­ven­do rou­bos na­que­le lo­cal”, res­pon­deu o se­cre­tá­rio de De­fe­sa So­ci­al, Evaristo Ku­ce­ki. O lo­cal tam­bém, se­gun­do ele, não es­tá nos 55 pon­tos se­le­ci­o­na­dos pe­la Guar­da Mu­ni­ci­pal co­mo os mais crí­ti­cos e que vão re­ce­ber mo­ni­to­ra­men­to atra­vés de câ­me­ras.

A re­por­ta­gem ten­tou con­ta­to com qu­em ad­mi­nis­tra o pré­dio, que é a Li­ga Lon­dri­nen­se de Fu­te­bol de Sa­lão. Ao NOSSODIA, o pro­fes­sor Diogo Bem­bem res­pon­deu ser ape­nas o res­pon­sá­vel pe­la sua es­co­li­nha, em ati­vi­da­de há qua­se 20 anos, e que não es­ta­va au­to­ri­za­do a dar in­for­ma­ções re­la­ci­o­na­das à ma­nu­ten­ção e estrutura do pré­dio, e que pas­sa­ria a de­man­da ao pre­si­den­te da Li­ga, Val­mir Mo­ro, que não re­tor­nou o con­ta­to do NOSSODIA até o fe­cha­men­to da edi­ção.

Ed­son Ne­ves

Fo­tos: Ed­son Ne­ves

Pré­dio es­tá to­do pi­cha­do e vem ser­vin­do de mo­có du­ran­te a noi­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.