Luz ul­tra­vi­o­le­ta é op­ção

O Diário do Norte do Paraná - - MARINGÁ - Lethí­cia Co­ne­ge­ro lethi­cia@odi­a­rio.com

Nes­ta se­ma­na, a se­cre­ta­ria de Saú­de de Ma­rin­gá co­me­çou a tes­tar luz ul­tra­vi­o­le­ta em bus­cas no­tur­nas de es­cor­piões. O pri­mei­ro tes­te foi re­a­li­za­do na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra (28), na Cen­tral de Abas­te­ci­men­to (Ce­a­sa) da ci­da­de. A luz ul­tra­vi­o­le­ta faz o ani­mal bri­lhar no es­cu­ro, e po­de au­xi­li­ar nas bus­cas ati­vas pa­ra cap­tu­rá-los e evi­tar a pro­li­fe­ra­ção.

No pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, fo­ram 730 re­cla­ma­ções e aten­di­men­tos re­la­ti­vos à es­cor­piões no mu­ni­cí­pio. O objetivo da se­cre­ta­ria de Saú­de é re­a­li­zar bus­cas ati­vas do ani­mal em áre­as con­si­de­ra­das vul­ne­rá­veis, co­mo cre­ches, es­co­las de edu­ca­ção in­fan­til e ca­sas de re­pou­so de ido­sos. Há re­gis­tros de es­cor­piões em to­dos os bair­ros de Ma­rin­gá, e a pi­ca­da do ani­mal po­de ma­tar.

“O es­cor­pião pro­duz um bri­lho quan­do ilu­mi­na­do pela luz ul­tra­vi­o­le­ta - co­nhe­ci­da co­mo luz ne­gra. Es­sa luz é in­te­res­san­te por­que o am­bi­en­te per­ma­ne­ce es­cu­ro, e só o ani­mal emi­te luz. Co­mo ele tem há­bi­tos no­tur­nos, é pro­vá­vel que en­con­tre­mos mais a noi­te. Mas, es­ta­mos ape­nas em fa­se de tes­te, ain­da não te­mos ideia do quan­to es­se mé­to­do po­de ser efe­ti­vo”, ex­pli­ca o di­re­tor de Vi­gi­lân­cia em Saú­de, Edu­ar­do Ri­bei­ro.

“O es­cor­pião se re­pro­duz por par­te­no­gê­ne­se, ou se­ja, a fê­mea não pre­ci­sa do ma­cho pa­ra ge­rar fi­lho­tes. En­tão, a ca­da es­cor­pião que en­con­tra­mos e cap­tu­ra­mos, cer­ca de vin­te ou­tros es­cor­piões dei­xam de ha­bi­tar na­que­la lo­cal. Por is­so a im­por­tân­cia da bus­ca ati­va”, en­fa­ti­za.

No tes­te que foi re­a­li­za­do nes­ta se­ma­na na Ce­a­sa - que tem 200 me­tros qua­dra­dos - ,ape­nas um es­cor­pião foi en­con­tra­do. “O es­cor­pião não é en­con­tra­do ca­mi­nhan­do no am­bi­en­te, ele fi­ca es­con­di­do. Além da luz ul­tra­vi­o­le­ta, nós te­mos que abrir cai­xa de pas­sa­gem de água, es­go­to e par­te elé­tri­ca, pa­ra fa­zer a ins­pe­ção”, con­ta Edu­ar­do Ri­bei­ro

De acor­do com o di­re­tor de Vi­gi­lân­cia em Saú­de, já exis­tem pesquisas que mos­tram que a luz ul­tra­vi­o­le­ta po­de ser usa­da pa­ra es­te fim. “Não é na­da iné­di­to, mas é uma no­va es­tra­té­gia que po­de fun­ci­o­nar. Es­ta­mos fa­zen­do es­se tra­ba­lho pre­ven­ti­vo ago­ra pa­ra es­tar­mos preparados, com uma me­to­do­lo­gia no­va, pa­ra quan­do che­gar a épo­ca mais quen­te”, en­fa­ti­za.

Ri­bei­ro res­sal­ta que a Ce­a­sa foi es­co­lhi­da pa­ra a re­a­li­za­ção do pri­mei­ro tes­te ape­nas pela ca­rac­te­rís­ti­ca do lo­cal, am­plo e com pos­sí­veis es­con­de­ri­jos, mas que não há ne­nhu­ma in­fes­ta­ção de es­cor­piões no es­pa­ço. “A Ce­a­sa foi um par­cei­ro que per­mi­tiu que fi­zés­se­mos es­sa bus­ca, por achar­mos que se­ria pos­sí­vel en­con­trar ani­mais lá, pe­las ca­rac­te­rís­ti­cas do lo­cal. Mas, não há in­fes­ta­ção”, con­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.