O joio e o tri­go na po­lí­ti­ca

O Diário do Norte do Paraná - - PORTADA - ALCIDES SIQUEIRA GOMES

Es­ta­mos em ple­nas elei­ções. O ho­mem pú­bli­co que, com co­ra­gem cum­pre o seu de­ver, exer­ce uma das mais úteis ati­vi­da­des. É pe­na que nós mui­tas ve­zes não con­se­gui­mos e ain­da não apren­de­mos a se­pa­rar o joio do tri­go. Com frequên­cia so­mos acos­tu­ma­dos a fa­zer ‘mau juí­zo’ da po­lí­ti­ca co­mo ins­ti­tui­ção, e do po­lí­ti­co co­mo proEs­si­o­nal. Es­se mau con­cei­to que te­mos dos maus po­lí­ti­cos é, la­men­ta­vel­men­te (e com ra­zão), não ra­ro ex­ten­si­vo aos bons po­lí­ti­cos. Bas­ta lem­brar a sa­be­do­ria po­pu­lar que diz que ‘os bons pa­gam pe­los maus’. A vi­da do ho­mem pú­bli­co, de­di­ca­do e em­pe­nha­do na lu­ta pe­la so­lu­ção dos pro­ble­mas na­ci­o­nais é mui­to di­fí­cil, pois de­le se exi­ge mui­to es­for­ço, in­ces­san­te tra­ba­lho e gran­de de­di­ca­ção. Não adi­an­ta nós com­pa­rar­mos os bons ho­mens pú­bli­cos com os maus. Por­que aque­les pro­cu­ram tra­ba­lhar com se­ri­e­da­de, ho­nes­ti­da­de, hon­ra­dez e es­pí­ri­to cí­vi­co. Já es­tes só de­fen­dem os pró­pri­os in­te­res­ses bur­lan­do os ver­da­dei­ros in­te­res­ses pe­la pá­tria e por­que não pe­los seus com­pa­tri­o­tas. A cul­pa de exis­ti­rem maus po­lí­ti­cos é nos­sa, por­que até ago­ra não apren­de­mos ain­da a vo­tar, pois tro­ca­mos vo­to por be­ne­fí­ci­os pes­so­ais, co­mo re­mé­di­os, den­ta­du­ras, em­pre­gos, bol­sas de es­tu­dos, co­mi­da e ou­tras coi­sas mais. En­tre­tan­to não é so­men­te nos­sa a cul­pa, mas tam­bém dos po­de­res Exe­cu­ti­vo e Le­gis­la­ti­vo a ní­vel Fe­de­ral, que ain­da não pro­mo­ve­ram as tão re­cla­ma­das re­for­mas po­lí­ti­cas. Exis­te uma ne­ces­si­da­de ur­gen­te no que se re­fe­re a al­te­ra­ção da lei elei­to­ral, que per­mi­te a exis­tên­cia de uma inE­ni­da­de de par­ti­dos, mas na sua mai­o­ria, sem conE­gu­ra­ção pró­pria, sem pro­gra­mas e sem me­tas de ação. Tam­bém per­mi­tin­do o qua­se sem­pre opor­tu­nis­ta na mi­gra­ção par­ti­dá­ria, en­quan­to não se exi­ge a Ede­li­da­de de seus Eli­a­dos. A ins­ti­tui­ção do vo­to dis­tri­tal se­gui­ria mais de per­to o pa­ra­dei­ro dos bra­si­lei­ros, des­mis­tiE­can­do boa par­te das ma­ni­pu­la­ções re­gi­o­nais. Com es­sa re­for­ma o nú­me­ro de par­ti­dos de­ve­ria ser li­mi­ta­do. Se efe­ti­va­das es­sas mu­dan­ças, os par­ti­dos se for­ta­le­ce­ri­am. O elei­tor não vo­ta­ria co­mo ho­je só no can­di­da­to, mas tam­bém no par­ti­do que ele per­ten­ce. Se es­te so­nho acon­te­cer, ou se­ja, a re­for­ma po­lí­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va do Es­ta­do, o país so­fre­ria, mas pa­ra me­lhor. Na ver­da­de, só se apren­de a en­si­nar, en­si­nan­do, tra­ba­lhar, tra­ba­lhan­do, e por que não, só se apren­de a vo­tar, vo­tan­do. Te­mos er­ra­do mui­to ao exer­ci­tar o di­rei­to de vo­to, o re­gi­me mi­li­tar até a re­vo­lu­ção de 1964 nos ha­via ti­ra­do es­te po­der. Ago­ra, após anos de re­pe­ti­das elei­ções, es­pe­ro que pos­sa­mos acer­tar mais e con­se­quen­te­men­te er­rar me­nos. Den­tro do re­gi­me de­mo­crá­ti­co, e com o me­lhor grau de es­co­la­ri­da­de dos elei­to­res, bem co­mo o aces­so mais fá­cil aos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, es­pe­ro que te­nha­mos a ca­pa­ci­da­de de es­co­lher se­pa­ran­do o joio do tri­go, co­mo na pa­rá­bo­la que Je­sus con­tou há mais ou me­nos 2000 (dois mil) anos, de acor­do com os evan­ge­lhos, prin­ci­pal­men­te ao que nar­ra o dis­cí­pu­lo Ma­teus em seu li­vro no ca­pí­tu­lo 13: 25 a 27. A pa­la­vra gre­ga no No­vo Tes­ta­men­to é “Zi­za­ni­on” pa­ra joio e cor­res­pon­de ao vo­cá­bu­lo ára­be “Zu­vam”, no la­tim é “Lo­lium”, e no he­brai­co “Zo­ni”, on­de sa­be­mos por in­ter­mé­dio do Tal­mud (li­vro con­ten­do re­gras adi­ci­o­nais à Bí­blia ela­bo­ra­do pe­los Ju­deus). Na lín­gua por­tu­gue­sa, o ter­mo la­ti­no usa­do pa­ra joio, le­va o no­me ci­en­tíE­co de “Ci­zâ­nia”, que é uma gra­mí­nea pe­lu­da e ve­ne­no­sa, ex­pres­são la­ti­na “Lo­lium te­mu­len­tum”, e qua­se não se dis­tin­gue do tri­go, en­quan­to as plan­tas ain­da são no­vas, mas de­pois de cres­ci­das, não se con­fun­dem mais. Fi­nal­men­te o ho­mem pú­bli­co de­ve de­sem­pe­nhar com com­pre­en­são de que o po­der é mais um ônus do que um bô­nus. As­sim, de­ve tra­ba­lhar a fa­vor da so­ci­e­da­de, do po­vo, dos de­no­mi­na­dos ‘me­nos fa­vo­re­ci­dos’, dos fa­min­tos, dos do­en­tes po­bres e po­bres do­en­tes. Va­mos nes­tas elei­ções vo­tar se­pa­ran­do o joio (er­va da­ni­nha ve­ne­no­sa da so­ci­e­da­de) do tri­go (aque­les que es­tão dis­pos­tos a fo­men­tar o pão).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.