Du­e­lo de bra­si­lei­ras em Los An­ge­les va­le cin­tu­rão

O Diário do Norte do Paraná - - GERAALL - An­dre­za Gal­de­a­no Agên­cia Es­ta­do Bo­ca fe­cha­da

Com­ba­te na ma­dru­ga­da des­te sá­ba­do pa­ra do­min­go opõe as du­as úni­cas cam­peãs do País Pa­ra­na­en­se Cris Cy­borg não co­nhe­ceu der­ro­ta na car­rei­ra

Pa­ra fe­char o ano de 2018, o UFC traz um dos even­tos mais aguar­da­dos da his­tó­ria da or­ga­ni­za­ção. Na ma­dru­ga­da des­te sá­ba­do pa­ra do­min­go, as cam­peãs bra­si­lei­ras Cris Cy­borg e Aman­da Nu­nes es­ta­rão fren­te a fren­te no oc­tó­go­no do The Fo­rum, em Los An­ge­les, na Ca­li­fór­nia, pa­ra pro­ta­go­ni­zar uma das mai­o­res lu­tas de to­dos os tem­pos e mar­car o au­ge do MMA fe­mi­ni­no no Ul­ti­ma­te.

Em jo­go es­ta­rá o cin­tu­rão do pe­so pe­na, ga­ran­ti­do por Cy­borg em ju­lho de 2017. A pa­ra­na­en­se, que não sa­be o que é uma der­ro­ta no MMA pro­fis­si­o­nal há 13 anos, já fez três de­fe­sas de tí­tu­lo e sua úl­ti­ma vi­tó­ria acon­te­ceu em mar­ço des­te ano, so­bre a rus­sa Ya­na Ku­nits­kaya.

Ape­sar da lon­ga in­ven­ci­bi­li­da­de, Cy­borg afir­ma que não pen­sa nos re­sul­ta­dos an­te­ri­o­res. O fo­co é bus­car uma evo­lu­ção no es­por­te a ca­da de­sa­fio que en­fren­ta. “A in­ven­ci­bi­li­da­de é uma con­sequên­cia e eu não pen­so nis­so quan­do vou lu­tar. Ten­to fa­zer o meu me­lhor e vou sem­pre em bus­ca da vi­tó­ria”, dis­se, em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do.

Do ou­tro la­do, Aman­da man­tém o seu cin­tu­rão da ca­te­go­ria pe­so ga­lo e ten­ta fa­zer his­tó­ria. Ca­so con­quis­te a vi­tó­ria so­bre a com­pa­tri­o­ta, ela se tor­na­rá a pri­mei­ra mu­lher com dois cin­tu­rões den­tro do UFC. Em seu car­tel con­ta com 16 vi­tó­ri­as e ape­nas qua­tro der­ro­tas. “Es­tou pre­pa­ra­da pa­ra en­ca­rar a Cy­borg des­de o dia em que pe­di a lu­ta e an­si­o­sa na do­se cer­ta, nem mui­to an­si­o­sa, nem mui­to tran­qui­la. Bem fo­ca­da no que te­nho de fa­zer”, ga­ran­te Aman­da, ci­en­te de que pre­ci­sa en­con­trar o pon­to vul­ne­rá­vel de sua ad­ver­sá­ria. “To­do atle­ta tem um pon­to fra­co. A gen­te tra­ba­lhou bas­tan­te pa­ra es­tar aten­ta pa­ra, na lu­ta, con­se­guir ser rá­pi­da e apro­vei­tar qual­quer si­tu­a­ção”, com­ple­ta.

A lu­ta en­tre as du­as cam­peãs é con­si­de­ra­da umas im­por­tan­tes pa­ra o MMA mun­di­al, por se tra­tar dos me­lho­res no­mes da ca­te­go­ria fe­mi­ni­na na atu­a­li­da­de. As bra­si­lei­ras evi­den­ci­am a im­por­tân­cia das mu­lhe­res den­tro da or­ga­ni­za­ção e enal­te­cem o País, que ca­re­ce de tí­tu­los mas­cu­li­nos.

De­pois de gran­des lu­ta­do­res co­mo An­der­son Sil­va, José Al­do, Mi­no­tau­ro e Vi­tor Bel­fort le­va­rem o no­me do Bra­sil pe­lo mun­do, che­gou a vez das úni­cas cam­peãs do País re­pre­sen­ta­rem uma va­lo­ri­za­ção que bus­cam há anos. Pa­ra os fãs, o encontro en­tre Cy­borg e Aman­da é tão aguar­da­do quan­to o re­tor­no de Jon Jo­nes, que en­ca­ra Ale­xan­der Gus­tafs­son na lu­ta prin­ci­pal do even­to.

— DIVULGAÇÃO/UFC

PE­SO PE­NA. Cris Cy­borg, do­na do cin­tu­rão des­de ju­lho de 2017, vai en­ca­rar a com­pa­tri­o­ta Aman­da Nu­nes num dos con­fron­tos mais aguar­da­dos da mo­da­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.