Fun­ci­o­ná­ri­os de de­pu­ta­dos pre­sos são acu­sa­dos de mo­vi­men­tar mi­lhões

In­ves­ti­ga­ção apon­ta que ser­vi­do­res fi­ze­ram ope­ra­ções fi­nan­cei­ras sus­pei­tas en­vol­ven­do R$ 30 mi­lhões

O Dia - - RIO DE JANEIRO - ADRI­A­NA CRUZ adri­a­na­cruz@odia.com.br

Ser­vi­do­res dos dez de­pu­ta­dos pre­sos acu­sa­dos de trans­for­mar a As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va (Alerj) em uma pro­pi­no­lân­dia são usa­dos co­mo ‘sol­da­dos’ do es­que­ma de cor­rup­ção. Re­la­tó­ri­os do Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af ) iden­ti­fi­ca­ram na ope­ra­ção ‘Fur­na da On­ça’ que só fun­ci­o­ná­ri­os dos ga­bi­ne­tes dos de­pu­ta­dos Luiz Mar­tins (PDT), co­ro­nel Jai­ro (SD), Mar­cos Abrahão (Avan­te), e An­dré Cor­rêa (DEM), fi­ze­ram mo­vi­men­ta­ções sus­pei­tas de mais de R$ 30 mi­lhões, en­tre 2011 e 2014. Chi­qui­nho da Man­guei­ra (PSC), tam­bém pre­si­den­te da Ver­de e Ro­sa mon­tou ou­tro es­que­ma: se­gun­do o Co­af, uti­li­zou o Ins­ti­tu­to Man­guei­ra e a mãe, Ma­ria Ce­les­te Fer­rei­ra de Oli­vei­ra. Em 2017, sem le­var em con­ta as ope­ra­ções em es­pé­cie, cha­mam a aten­ção a mo­vi­men­ta­ção de mais de R$ 30 mi­lhões.

Oi­to fun­ci­o­ná­ri­os e ex-ser­vi­do­res dos par­la­men­ta­res fo­ram pre­sos, en­tre eles, a che­fe de ga­bi­ne­te de Mar­cos Abrahão, Al­ci­o­ne Chaf­fin de An­dra­de Fa­bri, que só en­tre 2016 e 2017 ‘me­xeu’ com R$ 845 mil, e Shir­ley Apa­re­ci­da Mar­tins Sil­va, ex-che­fe de Ga­bi­ne­te de Ed­son Al­ber­tas­si, que era sub­se­cre­tá­ria de Es­ta­do de Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, Ino­va­ção e De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al. Ela é apon­ta­da co­mo pe­ça-cha­ve no es­que­ma mon­ta­do por Al­ber­tas­si que te­ria re­ce­bi­do en­tre men­sa­li­nhos e prê­mi­os R$ 4,8 mi­lhões.

O ga­bi­ne­te do de­pu­ta­do Luiz Mar­tins é apon­ta­do co­mo o re­cor­dis­ta de mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra sus­pei­ta — R$ 18 mi­lhões. Em 2016, há ras­tre­a­men­to de um ser­vi­dor que mo­vi­men­tou so­zi­nho R$ 1,4 mi­lhões. Mas o mai­or fi­el es­cu­dei­ro de Mar­tins se­ria seu en­te­a­do, o ve­re­a­dor Da­ni­el Mar­tis (PDT), que tam­bém foi pre­so. Ele foi re­co­nhe­ci­do co­mo o res­pon­sá­vel por re­ce­ber di­nhei­ro ilí­ci­to por um fun­ci­o­ná­rio dos do­lei­ros Le­an­dro Bar­bo­za e Vi­ni­cius Cla­ret. De uma ta­ca­da só, Da­ni­el, que foi ser­vi­dor da Alerj em 2009, re­ce­beu R$ 400 mil.

No ran­king do Co­af, o ga­bi­ne­te do Co­ro­nel Jai­ro é o se­gun­do com R$ 10 mi­lhões. Mas, no pe­di­do de pri­são do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, con­ta que ele re­ce­bia o di­nhei­ro pes­so­al­men­te.

SE­GUI­DO­RES FIÉIS

Os ser­vi­do­res são se­gui­do­res fiéis dos de­pu­ta­dos. Jo­sé Antô­nio Wer­me­lin­ger Ma­cha­do foi fun­ci­o­ná­rio da Alerj de 2002 a 2015, na mai­o­ria das ve­zes, no ga­bi­ne­te de An­dré Cor­rêa. Em 2015 do­ou R$ 205 mil pa­ra cam­pa­nha. Se­guiu Cor­rêa na Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Meio Am­bi­en­te, quan­do o par­la­men­tar saiu, ele foi o se­cre­tá­rio in­te­ri­no. Em 2018, vol­tou à Alerj. So­zi­nho, em 2012, Ma­cha­do mo­vi­men­tou mais de R$ 1 mi­lhão. Mar­cus Vi­ni­cius, o Nes­kau, acu­sa­do de re­ce­ber R$ 2,4 mi­lhões pes­so­al­men­te não lar­ga de um as­ses­sor que o acom­pa­nhou na Se­cre­ta­ria de En­ve­lhe­ci­men­to Sau­dá­vel e Qua­li­da­de de Vi­da, em 2013.

Ga­bi­ne­te de Luiz Mar­tins te­ria re­cor­de de mo­vi­men­ta­ção sus­pei­ta, com R$ 18 mi­lhões

ESTEFAN RADOVICZ / AGÊN­CIA O DIA

Chi­qui­nho da Man­guei­ra (de bran­co), um dos pre­sos na ope­ra­ção, te­ria uti­li­za­do o Ins­ti­tu­to Man­guei­ra e a pró­pria mãe, Ma­ria Ce­les­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.